domingo, 18 de maio de 2014

II OS PROFETAS NABIM (NA)



Livros proféticos

                                   Nabim: Videntes e mensageiros                      

         Introdução.......................................................................................2
I Os primeiros profetas:...................................................................3
Josué e Juízes ...............................................................................3
Samuel (1+2) e Reis (1+2...............................................................6
II Os últimos profetas:.....................................................................8
Os Profetas em Israel e Judá..........................................................8
III Os Profetas no Exílio................................................................14
IV Os Profetas no Pós-Exílio.........................................................16
 V  Judaísmo e o fim dos profetas.................................................19

                          




II Os Profetas Nabim  (NA): Videntes e Mensageiros

. A Septuaginta (LXX) traduziu o nome Nabi com a palavra grega: profeta. A palavra profeta vem de Profemi – feme – fama - eufemia que significa vaticinar, predizer. Assim parece que o profeta prediz o futuro.

O título de Profetas suplantou o termo ¨vidente¨ (1Sm 9,9) e ¨homem de Deus¨ a partir do século II a.C.

      1. Os primeiros profetas: Josué, Juízes, Samuel I e II, Reis I e II.
      2.  Os últimos profetas: Isaias, Jeremias, Ezequiel;
      3.  O Livro dos doze profetas, que formam um conjunto:
     (1) Oséias,  (2) Joel,   (3) Amós,  (4) Abdias,  (5) Jonas,  (6) Miquéias,
     (7) Naum, (8) Habacuc, (9) Sofonias,( 10) Ageu, (11) Zacarias, (12) Malaquias.

A redação dos livros proféticos

A tradição judaica distingue entre primeiros profetas, - Josué, Juízes, Samuel e Reis que geralmente são chamados livros históricos e os últimos profetas, que são Isaías, Jeremias, Ezequiel e os doze profetas menores.
Os primeiros profetas pertencem à obra histórica do Deuteronomista, que começa com a criação em Gn 2,4 b. O centro é o Deuteronômio, as ¨Falas de Moisés¨. Neste livro Moisés é apresentado como profeta e Javé enviará profetas como Moisés no meio dos irmãos (Dt 18,18).
Enquanto a Torá conta a história de Israel até a entrada da terra, os livros de Josué e Juízes até 2 Reis contam a posse da terra e a instituição da realeza. Em geral o Deuteronomista usa os termos ´tribo, povo e Israel´, enquanto  a mão sacerdotal sadoquita  inseriu o termo ´filhos de Israel´.
Os profetas têm às vezes filhos como Eliseu que foi um discípulo de Elias que recebeu o espírito de Elias (2 Rs 2,15). Amos nem foi profeta, nem filho de um profeta, quer dizer um membro de um grupo de profetas (Am 7,14).

Um livro como o de Jeremias, formado ao longo de vários séculos parece sempre de “Jeremias”, e na tradição fica com o seu nome, mas na realidade a “memória jeremiana” se fez texto e produção em outras mãos que a foram relendo. Aqui se pode destingir entre um processo de releitura e outro processo de atualização. (J. Severino Croatto – Ribla 35/36 p 8)

              Na redação final dos profetas no Exílio e no Pós-Exílio temos iterativos da etapa redacional: a) Salvação de Jerusalém; b) Regresso da Diáspora; c) Julgamento das nações.

  Os temas repetidos da etapa redacional dos livros dos profetas (Isaias, Jeremias, Ezequiel e Zacarias) são: A salvação de Jerusalém (Isaías 60-62), que funciona simbolicamente tanto pela totalidade de “Israel” como para exprimir a libertação da diáspora (não da Babilônia).
Reunião – regresso da diáspora: este tema deve ser próprio dos últimos estratos redacionais do “corpus profético”. Os dispersos serão trazidos do norte, do oeste e do sul (Isaias 49, 12). Jeremias: eles virão, gritarão de alegria, nos altos de Sião... eles voltarão do país do inimigo...quando eu trouxer de volta os seus cativos (Jeremias 31, 8-23). Babilônia muda para “Todas as nações” porque a diáspora e não mais Babilônia é agora o horizonte da redação final.  (Ribla 35/36 p 15 ss)

Nabim: Videntes e Mensageiros

“O Nabi, o vidente, anuncia a vontade de seu Deus em circunstâncias concretas da vida do seu povo, denúncia e critica quando esse se desvia e se afasta de Javé, anuncia e exorta a esperança quando se converte ou quando a situação de sofrimento reclama uma promessa de libertação”... O profeta tem visões de outro mundo
Exemplo e modelo para o profeta é Javé mesmo: Ele vê, o texto reforça: Ele enxerga. O que Ele vê?: A miséria do seu povo! Ele ouve e mais forte: escuta: o que: O grito dos escravos! Aprendamos: Ver e ouvir, não ficar cego e surdo, ficar atento aos sinais do tempo como foi o apelo do Papa XXIII  (Ex 3,7-10).
 Javé abre o dialogo com seu parceiro na aliança, não do jeito dos antigos soberanos que tratam seus povos como escravos ou como cegos, entregues à arbitrariedade dos seus deuses. Na sua vocação Jesus viu o céu aberto e ouvia uma voz.

Javé chama os profetas:

O essencial de um profeta consiste na sua vocação por Deus. O profetismo não é uma instituição humana como a realeza ou o sacerdócio, marcados pelo poder. “Pois Javé Deus nada faz sem revelar seu segredo aos seus servos, os profetas. Dois homens andam juntos sem se por de acordo?... Javé Deus falou quem não profetizaria?” (Am 3,3-8) Já no Gênesis Abraão aparece como profeta: Javé disse a Abraão: “Irei eu esconder a Abraão o que faço.” (Gn 18, 17-19). Javé revela a Abraão o que vai fazer.

 Javé pergunta: “A quem hei de enviar, quem irá por nós?” Isaías prontifica-se: “Aqui estou, envia-me” (Is 6,8). Jeremias: Sua vocação (1,5). “Forçado por tua mão” (Jr 15,17 e 20,9). No Segundo Isaías Deus fala assim: “Não falei em segredo, não disse a descendência de Jacó: ‘Procurai-me no vazio’... quem fez isto ouvir no passado? Não fui eu, Javé?” (Is  45,18-21.
Jesus perguntado ¨Em virtude de que autoridade fazes isso?¨ refere-se à fé. Sua autoridade vem do Pai (Jo.5). Para os sacerdotes Jesus é um falso profeta, não vem de Deus.
                                                

I Os primeiros profetas:

1.     Josué e Juízes

                    Josué (Javé salva) conduz para terra:

Enquanto a Torá contava a história de Israel até a entrada da terra os livros de Josué e Juízes até 2 Reis contam a posse da terra prometida.
 Entre Egito e Assur existia uma rede de cidades cada 10 km, controladas por Egito. Cada cidade entregou o tributo, corvéia do campo. Existe uma cultura mista: agricultura e criação de gado. Os hapirus são escravos trabalhadores. Os cananeus são comerciantes.
             Em torno de 1400 Amenofis IV Echnaton recebe cartas de Amarna. Nelas as cidades reclamam as revoltas dos camponeses. Ramsés II consegue pacificar a região, mas em torno de 1200 a.C. o poder de Egito fracassou e as cidades em Canaã não conseguiram a sobreviver.
            Os grupos abraâmicos viviam na estepe, pobres e fracos. O deserto lembra esta situação.  Ló escolhe as cidades (Ge 18, 19). Páscoa é a festa dos nômades.
            Um grupo, que se libertou da escravidão do Egito, se alia com os “hapirus“ endividados pelo tributo.                                                 
Quem conserva a tradição da libertação (Ex.3-4) são estes grupos do Egito: a guerra de Javé (não uma guerra santa, veja o cântico de Miirjam Ex 15, 20) é uma defesa do povo sem aparato militar.
            A posse da terra tem nada a ver com o templo e a classe dominante. Os grupos são os protagonistas para os moradores de Canaã, que sofrem a exploração das cidades.
            A monarquia de Israel inventa o arado e o boi para racionalizar a agricultura (os bezerros de ouro em  Betel e Dan).
Agora após a morte de Moisés, do servo de Javé, Josué foi chamado por Javé para conduzir este povo para a terra prometida (Js 1,1-9). Sempre escutamos: ¨Javé disse a Josué¨.         
             O nosso livro não é uma fonte histórica com uma conquista bélica com o extermínio dos moradores. Isto não aconteceu. A maioria dos habitantes já estava no país. Os grupos do êxodo podiam entrar nesta terra por causa do fracasso de Egito. Existiam em torno de 200 aldeias sem fortalezas e inimigos. Certamente aparecem traços de uma guerra santa como nas culturas do médio oriente. O livro quer mostrar que Javé mesmo com seu povo solenemente entra na terra prometida.

No cap. 2 aparece a prostituta Rahab, na casa dela se escondem os espiões (Mt 1,5). A atravessa do Jordão ( 3 e 4) Dentro do livro aparece a mão dos sacerdotes (3,1 ss) Josué com todos os filhos de Israel  levantou-se, os sacerdotes levitas carregam a arca da aliança associada á guerra. O cap. 4 contém ao menos duas tradições. As doze pedras são um memorial da travessia do Jordão.  No 4,16  fala-se da arca do testemunho, não da aliança, terminologia sacerdotal. No cap.24, 27 a pedra será o ¨testemunho¨ contra vós. Circuncisão e Páscoa em Canaã (5).  As cidades de Jerico e Ai (6-8) já estavam destruídas naquele tempo. O capitulo é uma liturgia guerreira, nota-se a forte atitude militante dos sacerdotes.   Todo o povo em pé de guerra, trinta mil homens contra Ai (8,3).As cidades dos Levitas pertencem também à tradição sacerdotal.  No centro do livro está a doação da terra por Javé e não a conquista pelo povo. Cap. 12 resume as conquistas, a partir de cap. 13 os territórios a conquistar.
Testamento de Josué (23): Josué convoca todo Israel, seus anciãos, chefes, juízes, escribas (23,2): ¨Velai por agir conforme tudo o que está escrito no livro da Torᨠ(23,6). ¨Amai Javé, vosso Deus¨ (23,11). Se vos aliardes ao resto dessas nações (23,12), se contrairdes matrimônios com elas, c se transgredirdes a aliança de Javé, logo desaparecereis da boa terra (23,16). A Torá é uma guia no caminho.

            Em Siquém se celebrar a aliança (cap.24), uma narração fictícia, elaborada pelos Sacerdotes  Sadoquitas . Os “filhos de Israel” são os repatriados de Babilônia. (Ri 61, p.62: De Siquém a Jerusalém).  . Jerusalém transforma-se em Siquém. Os creios antigos (Js 24, 2b – 13 e Dt. 6 e 26) : não mencionam o Sinai com a aliança, só  falam do Êxodo, do deserto e da posse da terra. Josué pode representar Josué, o sumo sacerdote, responsável pelo Templo de Jerusalém.
  As normas e as leis coincidem com a formação da Torá, agora como lei e não mais como guia no caminho “Josué escreveu essas palavras no livro da lei de Deus”  A arca da aliança torna-se em arca de testemunho, (Js  24,25-27).      Morte de Josué :  Js 24,29-33).


             2.  Os 12 Juízes, as 12 tribos

                        Juízes são salvadores em tempos de emergência.
          Os relatos devem situar-se entre 1200 e 1020. É o tempo ideal sem o domínio de reis. ¨Um homem, uma casa, um campo¨, a família, o clã, as doze tribos, por isso o livro é profético, todos são proféticos. Uma polêmica contra a realeza encontra-se Jz 9,8-15.
                     Do mesmo modo como Javé chamou Josué, ele chama juízes ou salvadores em tempos de perigo. Um foi escolhido e chamado por Javé. Em contraposição um rei se declara rei por própria autoridade ou por seus clientes, para ser soberano em cima dos seus súditos. O livro mostra isto no caso do Abimélek (Jz 9), que quer ser rei. Isto é impossível para Javé, o Rei de Israel, o Soberano.           
O livro quer mostrar que a defesa da liberdade depende de todas as tribos de Israel. Nós encontramos homens corajosos, mas no mesmo tempo mulheres, que defendem a liberdade.
O Apocalipse não menciona o povo de Israel como estado, mas guarda a memória das doze tribos de Israel (Ap 7,4-8), e recorre ao tempo ideal, quando não tinha a realeza.

            O livro está organizado em três partes:

1.      parte (1,1 - 2,15): 
 Os Israelitas não chegaram a desapossados habitantes da planície, pois estes tinham carros de ferro (1,19) Os Canaanitas ficaram na terra (1,29 ss). Javé não os expulsou: ¨Eles serão para vós uma armadilha e os seus deuses serão para vós uma armadilha e cilada (2,2-3). ¨”Os filhos de Israel fizeram o que é mau aos olhos de Javé e serviram aos Baalim” (2,11) e às Astartes (2,13). O pecado acarreta o castigo, mas o arrependimento conduz ao envio de um salvador.
 Baal e Astarte são os deuses dos Canaanitas. Baal é o deus que manda, mestre do céu, rei da cidade; a deusa é Astarte (em Babilônia Ischtar, na Fenícia Aschtarte). O filho deste casal é Adoni (meu Senhor), se celebra sua morte e ressurreição. Este casal determina potência e fertilidade, a chuva, os tempos do ano e domínio político. Eles garantem o poder do rei, ele é dono da terra. Astarte, esposa do Báal, também chamada Asherá, designa ao mesmo tempo a divindade cananeia e o posto sagrado que se erguia perto dos santuários como símbolo da fecundidade (Dt 16,21)

2.      parte (2,16 - 16, 31)
 “Javé suscitou juízes que os libertavam daqueles que os pilhavam (2,16). São grandes como Otniel, Ehud, Déborá e Barak, Guideon, Jevté, Sansão. Sobre os menores juízes se fala pouco. Otniel e Ehud são chamados ¨salvadores¨.
Otniel (3,7-11): Javé vendeu Israel ao rei Kushita de dupla maldade, mas Javé suscitou um salvador.
Ehud (3,12-30): Agora os Israelitas serviram ao rei de Moab. Ehud matou o rei.
Shangar (3,31) derrotou os Filisteus e salvou Israel.
         Deborá, (4,1-5,31), uma profetisa, chamou Baraq com Zabulon e Neftali para derrotar Sisará, comandante do rei Jabin. O cântico dela é um dos mais antigos. Deborá em 5,7  recebe o titulo: “Mãe em Israel”.
          Guideon (6,1-8,35) também chamado Jerubáal, luta contra os midianitas. Abimélek quer se instalar como rei, matou seus 70 irmãos. Um deles podia fugir e polemiza contra a realeza através da parábola das árvores (Jz 9,8-15).
          Jevté, filho de uma prostituta (11,1), luta contra os amonitas, sacrifica a própria filha por causa da sua promessa (11,29-40).
          Sansão (13-16) As narrações são belas histórias populares, às quais não faltam nem a ironia nem a sátira para com o inimigo filisteu.

               3.  parte, (17,1 - 21,25) 
            Estes capítulos foram acrescentados na época pós-exílica. Os textos Jz 17-21 e o de 1 Sam 1-4 são memórias do mesmo lugar: a montanha de Efraim. Não aparecem juízes.
 “Naquele tempo não havia rei em Israel. Cada um fazia o que era certo a seus olhos “(17,6 e 21,25), é o tempo sem reis. O redator seria favorável à realeza ? Se conta o destino da tribo Dan (17 – 18) e Benjamin (19 – 21).
            A tribo de Dan (17 – 18), um primeiro apêndice, conquista a cidade Lajisch que recebeu o nome Dan, erigiram um ídolo e instalaram um sacerdote (17,12). .
            O secundo apêndice fala da tribo de Benjamin. O redator menciona a hospitalidade para um levita em Betlehem (cidade de David) e a vergonha da cidade Guibea (residência de Saul) em Benjamin.
 A redação final usa várias vezes o termo ´´filhos de Israel´´, que são apresentados como comunidade ou assembléia (20,1 e 21, 5.8.10.),  indica a mão sadoquita.

                                                                                                    
3.     O profeta Samuel (I + II) e a instalação da realeza:

          História:
            1 Sm 1-7 narra a carreia de Samuel c.1040 a.C., seu chamado por Javé (3), ele foi profeta de todo o Israel (3,20) e  juiz de Israel todos os dias de sua vida (7,15).
           1 Sm 8-12: Todos os anciãos de Israel .vieram a Samuel pedindo um rei como todas as nações, isto é um confronto com Javé, o rei de Israel:  “Não querem mais que eu reine sobre eles” (1 Sm 8, 1-22). Samuel avisa o que um rei vai fazer 1 Sm 8.
            1 Sm 10,20-27: A tribo de Benjamim foi escolhida, Saul escondido entre as bagagens. Não Javé pessoalmente chama um rei como os profetas, é Samuel que apresenta Saul e mais tarde David.
           
Saul o primeiro rei, informação sobre seu reino (1 Sm 14, 47 -48) , 1 Sm 13-15: homenageia Jônatan, filho de Saul. sua rejeição (1 Sm 15, 27 -35 ).

 (1 Sm 16,1-13):  Samuel e não Javé escolhe o mais jovem filho de Jessé, David e unge-o como rei. As qualidades do jovem pastor David: sabe tocar a citara, é valente, hábil no combate, fala com inteligência, é de belo aspecto. Ele entra no serviço de Saul e vence o filisteu Goliat (1 Sm 17). A morte de Samuel: (1 Sm 25,1), mas ele aparece de novo, chamado por uma necromante a Saul (1 Sm 28, 3- 25).

 David reina de 1010 – 972. O reinado dele é marcado por duas grandes fugas, primeiro ele foge do rei Saul (1 Sm.18,11; 19,8; 20; 24; 27; 29;), sempre respeitando a vida dele e lamentando a morte de Saul e de Jônatan (2 Sm 1, 17 – 27).
 David tinha 30 anos, quando se tornou rei, reinou em Hebron sobre Judá 7 anos, em Jerusalém 33 anos sobre todo Israel e Judá (2 Sm 5, 1-10). Ele conquistou a cidade dos jebusitas por um canal (2 Sm 5,6) e se instalou em Jerusalém. 2 Sm 6 – 8 instalação da Arca em Jerusalém.
  O profeta Natan aparece, quando David quis construir uma casa para Javé. “Em vez disso Javé vai construir uma casa para David e seus descendentes. “Tua casa e tua realeza serão para sempre estáveis (2 Sm 7).
 Num anúncio do nascimento de Jesus o anjo Gabriel avisa: “O Senhor Deus lhe dará o trono de Davi seu Pai”. Mais um passo na instalação do reinado: a hereditariedade monárquica.

  O pecado de David: ele faz adultério com Bat- Sheba, mulher de Uriá. David deixou matar o marido dela, mas Natan adverte o crime (2 Sm 12),  A punição: não é David que morre mas o filho morre.  Nasce outro filho de Bat -Sheba e David deu a ele o nome Salomão (2, Sm 12, 24 -25).
  A segunda grande fuga de David é a fuga do seu filho Absalão (2 Sm 13 – 19), que quer ser rei em vez de Salomão. Na fuga David foi amaldiçoado e alguém atirou pedras em David (2 Sm 16).                                                                    
  Dever-se-ia ler a vida deste rei David sob o aspecto destas duas fugas. Na bíblia os verdadeiros líderes são os liderados. David não aparece como herói ou guerreiro, mas como perseguido e penitente. Ele será o grande exemplo para o futuro messias, do seu servo David.

   A aliança de Javé com a casa de David: 2 Sm 7, 1-17
   Javé faz uma aliança com a casa de Davi, com a sua descendência. Salomão lembra a aliança de Javé com David 1 Rs, 23-27. O Salmo 131 lembra as promessas à casa de David, chamado servo. Jeremias 33,14-18: ”Farei brotar para David um rebento legítimo que defenderá o direito e a justiça no país”. No II  Isaías Javé escolhe em vez de um rei um servo. Lc 1,32 falará: ”O Senhor Deus lhe dará o trono de Davi”. Deus cumpre sua aliança na casa de seu servo David, não fala de rei, (Lc 1,68-75) Jesus será o servo de Javé e o bom pastor.  A promessa se cumpriu na exaltação do Senhor Jesus como Pedro argumenta no dia de Pentecostes At 2,29-36.
  A história da sucessão ao trono de David conta 2 Sm 9–20 com os cap. 1–2 de 1 Reis. 2 Sm 21–24 é uma inserção.

Salomão rei de Judá e Israel c. 972 – 933 elogiado por sua sabedoria, construiu o primeiro Templo, símbolo do poder real (1 Rs ,6). Na transferência da Arca para o Templo os sacerdotes e levitas levaram a Arca. Na dedicação do Templo Salomão pede a Javé: ¨ Escuta lá do céu do lugar .onde moras¨ (1Rs 8,27 ss). O rei e todo o povo ofereceram sacrifícios, não os sacerdotes (1 Rs 8, 62-64).
 Salomão aumentou a sua riqueza, amou numerosas mulheres estrangeiras, suas mulheres desviaram – lhe o coração (1 Rs 11). Seus gastos diários foram imensos (1 Rs 5,1-8). Na realidade ele explorou extremamente seu povo e provocou assim o cisma do reino. A realeza explora sem limites dentro do país e fora (guerras). A interiorização deste poder ocorre pelo culto e religião.


4. Os primeiros profetas no tempo dos Reis I e II

Dos 47 capítulos dos Reis 22 são dedicados aos profetas.
As dez tribos do Norte não tinham mais aguentado a exploração do filho de Salomão, Roboão, que aumentou o peso (1 Rs 12,12), por isso segue o cisma. Jeroboão fundou o Reino do Norte e colocou um bezerro em Betel e Dan (1 Rs 12, 25-33) para que o povo não visite mais o templo em Jerusalém. Betel vai ser o Santuário do Norte.
Os livros dos Reis contam as atividades dos primeiros profetas. Os profetas têm bastante influência na nomeação de reis e criticam o comportamento deles: ¨Acab, filho de Omri, fez o mal aos olhos de Javé¨ (1 Rs 16, 30). Este veredicto repete-se muitas vezes.

a)      Os profetas no Reino do Norte: Israel

História: O rei (Jeroboão II (787-747) dominava um império maior do que o reino de David, incluindo Judá e uma grande parte de Síria. Seu pai Joás tinha derrotado Amasias, rei de Judá e fez uma brecha na muralha de Jerusalém, deixava a cidade á mercê do reino de Israel (2 Rs 14,13). Jeroboão restabeleceu o território de Israel de Norte até o mar morto, devolveu a Israel Damasco ( 2 Rs 14,28). É o ápice do reino do Norte. Aparecem Amós e Oséias,  que avisam o fim de Israel.

A Assíria ameaçava Israel e Judá. Peqah, rei de Israel, faz aliança com Resin, rei de Arãm, quer dizer do reino de Damasco, contra Acaz, rei de Judá para fazer aliança contra a Assíria (2 Rs 15,37 e 16,5), mas não puderam travar combate. O profeta Isaias intervém nesta ocasião (Is 7). Acaz fez passar seu filho pelo fogo ( 2Rs 16,3).  Parte do reino do Norte foi anexada por Tiglat-Piléser, rei da Assíria (734-733), Acaz recorre a Tiglat-Piléser e paga tributo. Conquista de Damasco 732, tomada de Samaria 722 pelos Assírios e deportação dos habitantes. Fim do Reino do Norte. Ezequias, rei de Judá, tenta tornar-se independente da Assíria, contatos com a Babilônia e com o Egito. Senaquerib da Assíria assedia Jerusalém em 701, Ezequias paga de novo tributo.
No livro 2 Rs 17 temos a conclusão do Deuteronomista sobre a causa da ruína do reino de Norte: uma sobre a culpa dos filhos de Israel.  (17, 7-12) e outra (17, 13-18)  sobre a culpa de Israel e Judá. Acontece o que Josué tinha avisado (Js 23). Não só os reis, também o povo pecou contra Javé, seu Deus.

  Elias 1Rs 17 – 2 Rs 2
              No tempo do rei Acab (875-853), casado com a Izébel dos Sidônios, que veneraram o Báal, aparece o profeta Elias. O nome “Eli jáhu” (meu Deus é Javé) é programa: não é o Báal, o deus canaanita de chuva e de fertilidade, mas Javé que dá a chuva e vida (1 Rs 17). Elias foge para Sarepta e vive na casa de uma viúva. Contrário a Izébel a viúva acredita na palavra de Javé (1Rs 17,24).
Ele é o herói das contas: onde ele está, não tem fome nem morte.
               O povo passa fome (1 Rs 18), o rei não, ele só está preocupado com os cavalos. Elias disse ao povo: “Até quando dançareis num pé e noutro?“ O povo se tinha decidido por Báal. Elias deixa degolar os sacerdotes de Baál, um banho de sangue. Elias foge para o monte Horeb, Javé aparece num ruído de um sopro tênue. Elias avisa Javé que os Israelitas abandonaram a aliança dele (1 Rs 19).
   A morte misteriosa de Elias: foi arrebatado ao céu num redemoinho (2 Rs 2). Eliseu pede e  recebe a dupla porção do espírito de Elias.

 Eliseu, 2 Rs 3-13
 O discípulo de Elias continua a atividade profética. Ele é apresentado como o homem de Deus que pratica as maravilhas de Deus. Este profeta anuncia o projeto de Javé pelas obras, por suas maravilhas: limpa a água contaminada (2 Rs 2, 19-22), deixa cavar diversas fossas (3, 9-19) ajuda um viúva que está endividada e desperta o filho dela (4, 1-7) fornece comida e manda repartir, cura a lepra,do Sírio  Naamã (cap. 5) busca um machado perdido no Jordão (6, 1-7)) intervém na política militar e deixa ungir Jeú (cap. 9) que acabou com todos os profetas de Báal (10.18 -28 ), mas não acabou com os  bezerros de Dan e Betel. A morte de Eliseu (2 Rs 13, 14-21).

b)      Os profetas no reino do Sul: Judá

Mas Judá está incluída no desastre. A partir 2 Rs 18 o livro relata o fim de Judá. O rei de Assíria ameaça Jerusalém. Ezequias (716-687) após a queda de Samaria 722: um rei, semelhante a David, fez o que é reto aos olhos de Javé (2 Rs 18). Por intervenção de Isaias ele foi curado de uma doença mortal (2 Rs 20).
            Vem mais um rei, Osias (640 – 609), que seguiu exatamente o caminho do seu pai David, já chamado servo de Javé.  Jeremija elogia Osias: ”Ele defendia o direito e a justiça, defendia a causa do humilhado e do pobre, e foi bom! Conhecer-me não é isto?” (Jr. 22,16).
            No seu reino foi encontrado no Templo “o livro da Tora”, trata-se da seção legislativa do          Deuteronômio, uma descoberta importante, talvez influenciada por Jeremijas e dos Levitas do Norte, que fugiram de Samaria. Intervenção da profetisa Huldá (2 Rs 22,14-20).  Josias acaba com toda idolatria no país, profana também o Táfet no Vale de Bem-Hinom, onde se queimavam as crianças como sacrifício. Esta coisa abominável foi duramente rejeitada por Jeremijas (Jr.7,31), Osias centralizou a Páscoa em Jerusalém, reformas de Josias (2 Rs 22,1-23,30). 2 Rs. 25 informa sobre a ruína de Jerusalém.

II Os últimos profetas

No reino do Norte
Estamos nos dias de Jeroboão II (787-747), a sociedade estava rachada em ricos e pobres, domina a injustiça e exploração dos pequenos.

            Amós (3.) em torno de 750: O primeiro profeta ¨escritor¨ um agricultor e criador de gado do Sul, lembra Moisés e David (1,1-2).  Javé só conheceu Israel, agora pede contas 3,1-2.  Deus fala, quem não profetizará? (3,3-8). Oráculos: Israel não escutou, nem voltou 4,6-11. Prepara-te, Israel para te encontrar com teu Deus 4,12. Lamentação fúnebre 5,1-7 e 10-17. Esperança ilusória 5,18-20. Oráculo: destruição da capital e do território de Jeroboão até o mar morto 6,8-14.
Os crimes e pecados:
Contra os povos (1,3-2,3): destruição dos palácios, extirpar os oficiais e os exércitos. Contra Judá e Israel (2,4-16): vender o justo, violência, extorsão, tributo, vem o desastre no campo de batalha.
 Contra Samaria (3,9-15), contra as mulheres (4,1-3), contra o culto (4,4-5 e 5,21-27), contra as autoridades (6,1-7), contra a ganância dos mercadores (8,4-8). O dia de Javé: 8,9-14.
Visões:1. Gafanhotos (7,1-3), 2. fogo (7,4-6), 3. estanho (7,7-9), 4. fim do verão: ¨Chegou o fim para Israel, meu povo¨, só silêncio (8,1-3),. 4. Javé de pé sobre o altar (9,1-4), ninguém escapará dos culpados (9,1-10).
             O sacerdote de Betel Amasiá enviou esse recado a Jeroboão rei de Israel: “Amós conspira contra ti em plena casa de Israel”. Israel será toda deportada para longe de sua terra. Amasiá disse a Amós: “Vai-te embora vidente... em Betel não recomeces a profetizar, pois aqui é o santuário do Rei, templo real”. (Am 7, 10-17). Amos replicou, que não é profeta nem filho de profetas, mas Javé o chamou (7,10-17).
            Anexo pós-exílico; restauração de Israel e do reino de David (9,11-14).

Oséias (1.) em torno de 734 ,  nos últimos anos de Jeroboão II em torno de 734 a.C. Alusões a Judá são acréscimos posteriores.
1.      Parte: 1,2 – 3,5.
            1. Processo: ¨Processai vossa mãe, pois ela não é minha mulher e eu não sou seu marido¨ (2,4). Javé  é acusador e juiz. Israel é uma prostituta. A prostituição ocorria por toda a nação. O texto é encaixilhado pelo casamento de Oseias com Gomer, uma mulher de prostituições que dá a luz filhos de prostituições (1,2). Jezreel:  Jeú, figura central da prostituição, tinha mandado assassinar Jezébel no campo de Jezreel  e a família de Omri para segurar a sua usurpação ( 2Rs 9 e 10). O nome da filha Lo Ruchama (Não amada) é da mesma raiz de ¨entranhas, útero¨.  Segue o filho ¨Não meu povo¨ (1,2-8). Precisa recomeçar de novo no deserto (2,16). Mas Javé firmará uma aliança e noivará: ¨Enternecer-me-ei por Lo-Ruchamá, direi a Lo-Ami “Tu és meu povo” e ele dirá: “Meu Deus” (2,25).). Haverá futuro (3, 1-4).  Depois os filhos de Israel procurarão de novo Javé, seu deus. (3,5).
2.      Parte: 4,1- 11,11
2. Processo Ata de acusação (Os 4, 1-3). Não há sinceridade (emet Amem) hésed (fidelidade na aliança) nem conhecimento de Deus.
O pecado dos sacerdotes: O povo será reduzido ao silêncio por falta de conhecimento, o sacerdote esqueceu a instrução do seu deus (4,4-19). Os sacerdotes e a casa real têm espírito de prostituição (5). O arrependimento é como a nuvem, superficial. Javé quer amor e não sacrifícios (6,4) Violaram a aliança (8), não valem profetas nem videntes (9).    
             O capitulo 11 mostra o amor de um pai decepcionado, que atraia seu filho com laços de amor como uma mãe. Mas a cólera de Javé se transformará em misericórdia. O amor vence a ira: “Pois sou Deus e não homem (em hebraico ìsch` masculino), sou santo no meio de ti, não virei com furor¨.  O amor fará a volta de Israel/Efraim.
           3. Parte (12-14)
           3. Processo para pedir contas a Jacó (12,3): pai das tribos de Israel, o texto faz uma síntese da história: Por intermédio de um profeta, Moisés, Javé tirou Israel do Egito (12,14). Eles pediram um rei:. “Na minha cólera eu te dou um rei, e no meu furor eu o retomo” (13, 11). Samaria pagará a culpa (14,1). O amor de Javé vence tudo: ¨eu os amarei com generosidade¨ (14,5).

           Pouco tempo depois, em 722, Samaria foi saqueada pelos Assírios e a população foi deportada para longe.2 Rs 17: destruição da Samaria, deportação da população e reflexão dos sacerdotes. Provavelmente os discípulos dos profetas fugiram para o Sul. O livro de Oséias influenciou Isaías, Jeremias, Ezequiel e a teologia do Deuteronomista na Torá.

No Reino do Sul: Judá

              O livro de Isaías:
             O livro compõe-se de três seções, 1, no tempo da monarquia Isaías I,  2. no exílio babilônico Isaías II  e 3. na época persa Isaías III. A redação final deve ser acontecida no tempo dos Persas. Para as três partes é comum: a) a acusação do profeta serve para prevenir o castigo, b) o juízo não é para aniquilar, c) em caso de ruína é possível a renovação. Tem esperança a) de libertação, b) de retorno, c) de fazer uma sociedade justa.

   Isaías I, “Javé é salvação”  (740 - 690):
  Do próprio profeta: Visão de Isaías a respeito de Judá e Jerusalém cap.1 – 12; Blocos autônomos: cap. 13 – 23. Visão de Isaías sobre as nações estrangeiras, chamadas apocalípticas, estão longe da mentalidade do século VIII, cap. 24 – 27. Cap. 28 – 33 com o cerco de Jerusalém (Ariel) pelos Assírios.  Cap. 34 – 35 revelam uma característica exílica, o retorno dos exilados na Babilônia.. Cap. 36 – 39 são repetição de um texto histórico dos livros de reis; 2 Rs 18,13 – 20,19.

 Denúncias 1,2 – 5,30: Isaías vive em Jerusalém, talvez perto do ambiente do templo, seu tema é “Justiça e Direito” (mishpat e sedaca como Amos). ¨Israel não conhece,  meu povo não compreende¨ (1,3). Isaías não pensa só em Jerusalém, mas também em Israel/Efraim. ¨Dai ouvidos à instrução do nosso Deus¨ (1,10), a palavra Torá aparece muitas vezes em 1-12 e 28-35 como palavra profética não como codificação do Pentateuco, que ainda não existe. No Oséias os sacerdotes esqueceram a instrução (Os 4,6). Começa o processo contra os anciãos e os chefes do povo, Isaías não menciona os sacerdotes (3,13); Desgraça, nação pecadora, eles desprezaram o Santo de Israel (1,4), um título que Isaías usa 28 vezes sobre 33 em todo o AT.. “Transformou-se em prostituta (única vez que Isaías usa prostituta). a cidade fiel, plena de justiça, refúgio do direito e agora dos assassinos” (1,21). Processo, Santo, prostituta são termos de Oséias. Uma visão do futuro; 2,2-5; como Mq 4,1-3. Os homens soberbos serão rebaixados (2,17), as filhas de Sião são orgulhosas, Javé as despojará dos seus adornos (3,16). Javé será exaltado, o Deus santo se mostrará santo pela sua justiça (5,16)
.
      A visão do Santo de Israel    
6,1 – 13; A vocação de Isaías é bem diferente da vocação de Moisés. Lá: o arbusto estava em chamas, cá: “Meus olhos viram o rei Javé de todo poder”. Ele é santo, santo, santo. (6,3). Santo significa aqui Javé será exaltado (5,16).  De um lado Javé como santo está escondido, inacessível, separado, inteiro, UM (Dt 6,4), não está dividido. De outro lado Javé, o Santo, está presente na sua criação: ¨Sua glória enche a terra¨.   No ano da morte do rei Ozias Isaías vê o verdadeiro rei contra os reis os quais o povo queria contra a vontade de Javé. Isaías habita no meio de um povo perdido.
Naquele tempo Moisés recuava diante do chamado. Agora: “Aqui estou”. “Agora vai, dirás a este povo cf. Os 1,8 ¨Não meu povo¨, embota este povo, tapa lhes os olhos” (6,9-11). “Este povo” vê, mas não enxerga, não é mais seu povo como no tempo de Moises.
Uma análise política (7 - 12):
Acaz tem medo do rei de Aram/Damasco e de Remaliáhu, rei de Israel (7,1-9), que querem forçar Judá para entrar na coalizão contra Assíria. Antes da passagem do mar Moisés falou ao povo: “não tenham medo, fiquem firmes” E o povo concebeu temor a Javé e acreditou nele (Ex 14,31). Agora: “Sem firme confiança não vos firmareis”. Quem não tem fé, não fica de pé (Is 7,9)
  Deus dá um sinal a Acaz, que tinha passado o próprio filho pelo fogo: a jovem está grávida e dá à luz um filho, o Emanuel. Esta jovem é provavelmente a princesa real. (7, 10-17). Isaías e seus filhos são sinais em Israel (8,18), cf. Os 1,4-8. A mulher de Isaías, uma profetisa, deu à luz um filho (8,30.). Contrário ao rei os discípulos de Isaías não devem chamar “complicação, o que o rei chama complicação”. Isaías e seus discípulos não terão medo diante do rei e da corte, pelo contrário confiam: “é a Javé que dou todo o poder, que tereis por Santo, é a Ele que temereis, é Dele que tereis medo. Aguardo Javé que oculta sua face da casa de Jacó, espero nele” (8,11-18). Pois, uma criança nasceu para nós! (8,23-9,6)
As visões de um novo David (11) podem ser exílicas, este rei congregará os exilados de Israel, reunirá os dispersos de Judá (11,12). Os seis atributos do Espírito anunciados ao ramo da cepa de Jessé correspondem aos da sabedoria personificada em Pr 8, 12-14. Podem ser inseridos aqui, apesar disso não se fala duas vezes do temor a Javé: “Sobre ele repousará o Espírito de Javé: espírito de sabedoria e discernimento, espírito de conselho e de valentia, espírito de conhecimento e de temor de Javé ( Is 11, 2). “A terra estará repleta do conhecimento de Javé (11,9). Visão da paz na criação.
Anos depois, 701, quando Senaquerib da Assíria ameaçava Jerusalém no tempo de Ezequias, Isaias retoma a sua atividade: “Espantem-se e fiquem assombrados... fiquem cegos sem visão” “Pasmai-vos e ficai pasmos, cegai-vos e ficai cegos... Pois Javé derramou sobre vós um espírito de torpor, ¨fechou os vosso olhos - os profetas, cobriu as vossas cabeças – os videntes¨ (29,9-14).
  Reflexões tardias:
  “É um povo revoltado, são filhos embusteiros, que não querem escutar a instrução de Javé. Dizem aos profetas: ¨Não nos profetizeis coisas justas, dizei-nos coisas agradáveis”. “Vossa salvação está na conversão e no repouso, vossa força está na calma e na confiança, mas não quereis. Vós dizeis: Não! Fugiremos a cavalo (30, 9-16).
 Mas no futuro todas as nações vão subir à montanha de Javé (Is. 2, 2-5): ¨Sim, é de Sião que vem a instrução e de Jerusalém a palavra de Javé. De suas espadas forjarão relhas. Não se aprenderá mais a guerra.”

            Miquéas (5.) no tempo de Jotâm (740-735) Acaz e Ezequias (716 - 687) Mikájehu “Quem é como Javé” vem do campo de Judá, ele é camponês e defende como Amos, Oséias e Isaias a classe camponesa contra os ricos, chefes, sacerdotes e profetas. Não é mais uma sociedade de igualdade. Este período foi marcado pela queda de Samaria 722 e pela invasão da Baixada pelos Assírios 701 (1,8-16). Javé continua sendo o Deus de Israel.
O livro tem uma estrutura A (1,2-3,12;) B (4,1-5,8) e A´ (5,9-7,7) B´ (7,8 -7,20), os blocos A são acusações, os blocos B são promessas.
 A corrupção (A) dos poderosos tomara dimensão assustadora (2,1-5). Miquéias foi censurado 2,6-11 pelos falsos profetas que pediam bebidas inebriantes, talvez uma alusão às orgias dos ricos. Ele é o Amós do Sul, denuncia os chefes de Jacó (Os 5,1) “aqueles que comem a carne do meu povo, raspam-lhe a pele, quebram-lhe os ossos (3,3)... edificando Sião no sangue, e Jerusalém no crime, seus chefes proferem sentenças por gorjetas, os sacerdotes ensinam por lucro, os profetas praticam a adivinhação por dinheiro, (3,10-11)”. (cf. Amos 3,3-8; 5,14-15).  O julgamento é indispensável: a ruína de Jerusalém vai chegar como a ruína de Samaria (3, 9-12).  
O anuncio da salvação (B) no futuro é pós-exílico: capitulo 4,1 – 5,8. A montanha da casa de Javé estará firme (cf. Is 2,2-5). Aquele que deve governar Israel (5, 1-4), sairá do campo em Bet-Lehem Efrata.
Bloco Á 5,9-7,7: Javé eliminará ídolos e cavalos (5,8-14). Processo de Javé: ¨Meu povo, que te fiz eu?¨ Sacrifícios seriam a resposta aos benefícios de Javé (6,1-8)? A verdadeira resposta será:: “Foi te dado a conhecer, o homem, o que é bom, o que Javé exige de ti: Nada mais que respeitar o direito, amar a fidelidade, e aplicar-te a caminhar com teu Deus” (6,8). Antigamente se traduzia: “caminhar humildemente diante do teu Deus A TEB anota: “Aplicar-te” é uma palavra rara de sentido controvertido. Pode traduzir: caminhar “atento” com teu Deus.
Castigo de Jerusalém, Javé não pode suportar a iniquidade (6,9-16). Lamentação do profeta, Miqueias assegura “Quanto a mim, estou de sentinela por Javé, aguardo Deus, meu salvador; meu Deus me escutará” (7, 1-7).
 O livro termina com uma liturgia da esperança B´ 7,8-20.  Javé na sua misericórdia calcará todas as iniquidades no fundo do mar.

A instrução de Javé:
Várias vezes estes profetas falaram da instrução de Javé (Is 2,3; 8,16). Fala-se de Torá, o núcleo da Torá, que Josias encontrou no templo. Temos diante de nós as raízes das Dez Palavras:
“O Decálogo se dirige a pessoas que têm pai e mãe e filhos e que podem cobiçar mulheres, Sob o ponto da vista das relações de propriedade, ele se destina a pessoas que têm escravos e escravas, que têm terra de cultivo e gado próprio. Os destinatários têm a possibilidade de cultuar outros deuses, de fabricar ou pelo menos erigir imagens de deuses. Eles são aptos a tomar em vão (por juramento) o nome de Javé e participar de um processo jurídico como testemunhas”. (Crüsemann p.23)

            Naum (7.)Consolado por Javé“) O livro cita dois fatos históricos: a queda de No-Amon (Teba) no Egito em 663 (3,8) e a queda de Nínive em 612. A tortura do império de Assur foi cruel. Naum é corajoso demais na denúncia contra este poder. Ele é um dos melhores poetas da Bíblia.
 Proclamação sobre Nínive, Livro da visão de Naum:
Javé se vinga de seus adversários, sabe enfurecer-se. Ira e vingança são categorias de julgamento, não de emoção pessoal, Javé é o Senhor do universo: 1,2-8. Seguem 5 oráculos, três a Judá, dois a Nínive 1,9-2,1: .Nínive é ¨o conselheiro de Belial¨(1,11), ¨nada inútil¨ que não serve para nada.
A destruição de Nínive  vai ocupar o livro até o final. Os atacantes desviaram um canal de água para dentro da cidade (2,7). O leão foi emblema do poderio assírio. ¨Venho contra ti¨  (2,14), por causa das orgias da prostituta, Nínive. A consolação para os oprimidos: as grandes potências que exploram não ficam para sempre. Nos Apocalipses de Daniel e João também os impérios cairão.

 Sofonias (9.) – filho de Kushi (negro) falou no tempo de Josias 640- 609.
É o tempo da expansão assíria: 722 foi tomada de Samaria, 701 o assédio de Jerusalém.
A importância de Sofonias:
 1 – Sofonias critica radicalmente os poderosos e os ricos que não participam do projeto de Javé
2 – Javé deixa sobreviver Jerusalém por causa dos pobres
3 – A salvação para Israel e os povos vem dos pobres, eles são os mestres da justiça
4 – Os pobres não são pobres espiritualmente, mas realmente empobrecidos
5 – O desafio para a igreja: ser uma igreja pobre com os pobres.         
Capitulo 1  O Dia de Javé: 
 1,2-3: Tudo extirparei da face da terra.
1,4-6: Estenderei a mão contra Judá e Jerusalém (Eu-Javé).
1,7: Silêncio,o dia de Javé 
1,8-11: Intervirei contra os príncipes  (Eu-Javé)  Ouvir-se-á um clamor (observador). 
1,12-13: Intervirei contra os ricos (Eu - Javé)
 1,14-16   Está perto o grande dia de Javé  (observador). 
1,17-18    Lançarei os homens no desespero (Eu-Javé).                                                     
Capitulo 2 –  3,5; Ameaças:
 2,1-3        Procurai Javé todos vocês, humilhados da terra
 2,4-7       Contra os do Oeste  2,4-7;  Contra os do Leste 2, 8-10;
 2,11          Todas as nações se prestarão diante dele
 2,12         Contra os do Sul,  Contra os do Norte 2,13-15;
 3,1-5         Contra os chefes, Juízes e Profetas, Sacerdotes
Capitulo 3,6-20:    Promessas:
A – 3,6-8        Nações: testemunhas da acusação
B – 3,9-10      Conversão dos povos
C – 3,11         Juízo sobre Jerusalém
B – 3,12-13    O resto dos pobres procuram Javé
A – 3,14-20    Jerusalém: honra entre a todas as nações
                 
Habacuc (8.):  Reinado do Joaquim de Judá (608-597).
 Desta vez intervenção militar do Egito sob Necao II. Josias quis barrar Necoa em trânsito do território de Juda, custou-lhe a vida. Já brilha o império neobabilônico. No interno de Judá o povo sofre, abandonado. Não tem força jurídica (Hab 1,2-4), eco dessa opressiva situação. O ímpio está cercando o justo.
Joaquim derramou muito sangue inocente (2Rs 24,4) censurado por Jeremias (Jr 22,13-19). Habacuc pode ser contemporâneo de Jeremias.  “Até onde, Javé, não se elevou meu pedido de socorro? E tu não escutas” (Hab 1,2). Resposta de Javé: “Escreve uma visão. Ela aspira a seu término, não enganará, se parece tardar, espera por ele. Mas um justo vive por sua fidelidade” (Hab 2,2-4).
Violência não pode ser derrotada pela violência. Seguem cinco maldições (2,6-20) e um salmo (3): ¨Saíste para salvação de teu povo, para salvação com o teu ungido¨(3,13 a). O ungido é o pobre, com quem o profeta se identifica.

Jeremias: no tempo de Josias (640-609) descoberta da Torá, reformas (2 Rs 22-23), Joaquim com uma revolta contra Nabucodonosor  2 Rs 24 (609-598), Sedecias (597-587) ruína de Jerusalém e deportação
 ( 2 Rs 24,18. Jeremias vem de Anatot, uma cidade dos levitas no norte de Jerusalém.
1,1-25,14:  oráculos e ações simbólicas contra Judá.
26,11-45,5 oráculos de salvação para Israel, Judá.
46,1-51,64 oráculos contra nações estrangeiras
52,1-34      anexo histórico
Vocação:.
            “Eu faço de ti um profeta para as nações” (1,4-19. Ele enfrentou oposição dos sacerdotes, profetas, de toda a cidade de Jerusalém. de todo lado, veneno, pelourinho, jogado na cisterna, Queixa do profeta (8, 18-23) Ameaçado pela família em Anatot (11,18-23), varias vezes se queixa diante de Javé, (12,1-5; 15,10-21), fica solitário (16, 1-13). Pede a Javé justiça (17,14-18). Plano contra Jeremias (18,18-23. Sua confissão (20,7-18), preso como desertor (37). Trinta e uma vezes Javé credenciou Jeremias como profeta (Dt 18,18).explicitamente foi chamado a ser profeta.
Um primeiro período de Jeremias vai até 605 sob o reinado de Josias. Dele Jeremias falou:  Só Josias defendia o direito e a justiça. Ele defendia a causa do humilhado e do pobre, e foi bom!  Conhecer- me não é isto? (Jr. 22, 15 -16). Trata-se para Judá de anos relativamente pacíficos, todos de Judá têm o templo como segurança.
 Denuncia Jerusalém como prostituta, que abandonou seu primeiro amor a Javé, (2,1- 4,4), como Oséias. Os pais não perguntaram, onde está Javé, que nos fez subir da terra do Egito? (2,6) os sacerdotes não perguntam: “Onde está Javé?” (2, 8).) Profetas e sacerdotes falam: Tudo em paz, quando na há paz.
Ele desmascara a ilusão do templo (Jr.7) no tempo de Joaquim   que virou um  covil de ladrões(7,11) “Dirigem o tumulo de Tafet... para que seus filhos e suas filhas ai sejam consumidos pelo fogo; coisa que nunca pedi nem me aflorou à mente” (7,31). Este discurso continua no cap.26, quando sacerdotes e profetas falam: ´´Assinaste a tua condenação à morte´´. Jeremias será o grande exemplo para Jesus para Mateus, (Mt.26,57-68).  Justamente nesse tempo Jeremias descreve a chegada de um exército do norte (cap.4,5).
            O secundo período vai de 605-587: o rei dos Babilônios invade o país. Há duas opções: Ou optar pela liberdade e resistir aos inimigos sob o risco de tudo perder ou  aceitar a integração no sistema dos babilônios. A posição de Jeremias é clara: integração, porque é vontade de Javé. Deus não deseja um estado judaíta  nas mãos de uma dupla hierarquia, civil e religiosa, cheio de injustiça e idolatria, e sim, um povo que lhe seja fiel (cf. 21,1-24,10; já 3,22-4,4 e 5,1-3). Por causa disso Deus decretou o fim do Estado. Joaquim recortava os rolos de Jeremias entre 605 e 604 que Baruc tinha escrito (cap.36).
Jeremias repete várias vezes a formula: “Ouvi minha voz, e eu serei vosso Deus e vós sereis meu povo. Mas eles não escutaram” (Jr 7,23; 11,4; 24,7). Conflitos com os reis, com o profetas  Hananiá (28) e os desterrados  (26,1-29,32
            O terceiro período de Jeremias começa depois 587: A conquista de Jerusalém (39) Os pobres ficam na terra (39,10) e Jeremias fica com eles. 
 Jeremias ll capítulos 30 – 31
Livro de consolação: uma promessa para o futuro: Os dois capítulos devem ser reflexões dos discípulos de Jeremias que avisam uma nova aliança sem reis e sacerdotes, a Torá será inscrita no coração de cada um: Não tenhas medo Jacó, meu servo, não te atemorizes, Israel. Dias virão em que firmarei com a comunidade de Israel e Judá uma nova aliança... Eu depositarei minha instrução (Torá) no seu íntimo...eu me tornarei Deus para eles,eles se tornarão um povo para mim... pois todos pequenos e grandes me conhecerão. Eu perdôo o seu crime; não mais mencionarei sua falta” (Jr 31,31-34)..  Todos serão profetas. Javé perdoará os pecados.
Abdias (4.)
 Visão sobre Edom, só 21 versículos.
Edom, descendente de Esau, irmão de Jacó (Gn 25,29-34; Gn 36,8; Ex 17,14), é principal inimigo de Israel (Ml 1,3-5), ¨porque perseguiu com a espada seu irmão¨ (Am 1,11). Ab 1-4 é paralelo a Jr 49,14-16.
 A partir do sec. VI Edom passou a ser um temido adversário de Judá, ocupou partes de Judá. Em 587 Jerusalém foi conquista pelos Babilônios. Grupos edomitas assistiram a este desmantelamento: tu eras como um deles (v. 11.14).
Abdias fala por ocasião da queda de Jerusalém 587. Minorias vencidas (Judá) valem-se, por vezes, de linguagem forte, combativa para não serem exterminadas, Abdias é uma destas falas. Abdias não defende Jerusalém, o templo, defende os fugitivos. Edom se posicionou para destruir ¨fugitivos no locais de fuga¨ (v 14). O Sião enquadra as esperanças do fugitivo, dos deportados (v.17-21).

III) Os últimos Profetas no Exílio

Ezequiel:
 Foi na Babilônia (598) na primeira deportação onde se desenvolveu a atividade de Ezequiel na cidade Tel-Abib. Ele, até então sacerdote, que conservou até o fim a mentalidade de sacerdote, se transforma em profeta.
 Dois acontecimentos: a irrupção (irromper, aparição) da glória de Deus (1,28; 3,23; 8,4; 10,1;) que faz desse sacerdote um Profeta e a queda de Jerusalém que transforma o pregador de condenação em pregador de salvação.( 33, 1-20; ) Ele vai ser sentinela para Israel.
            A vocação (cap.1-3): Ezequiel vê a glória de Deus no céu (cap.1), não no templo como Isaias. Aparece um bestiário, símbolo mítico de todas as forças do universo. Javé se tinha afastado do seu santuário em Jerusalém por causa das abominações da casa de Israel (8,6). Jeremias foi chamado a ser profeta, agora é diferente: ¨Filho do homem, eu te envio aos filhos de Israel, gente revoltada¨ (2,1-7).¨Estabeleço–te sentinela para a casa de Israel¨ (3,17). Deus está falando e agindo: ”Veio-me uma palavra de Javé: escuta filho do homem” (52 vezes). Já aparece o conceito da fonte sacerdotal, para a qual a palavra de Deus é fundamental. Ezequiel chamado: filho do homem ou da humanidade ou de Adão, destaca como este profeta está incorporado na humanidade inteira (Sl 8,5).
  Ezequiel uma sentinela do juízo para Israel (Jerusalém e Judá), cap. 1-24.   ¨A cidade está cheia de violência (7,23). O pecado capital de Jerusalém e de sua irmã Samaria é a sua idolatria (14, 1-8), é um adultério, uma prostituição (cap. 16 e 23), lembra Oséias e Jeremias.                                                                                               

             A morte da esposa de Ezequiel (24, 15-24) será um presságio para a queda de Jerusalém: um sobrevivente vem anunciar: “A cidade caiu“. (33, 21). Julho – Agosto 587 aconteceu a tomada de Jerusalém e a destruição do templo. Israel não será o único a sofrer o julgamento. Ezequiel pôs-se a anunciar o castigo para as nações (cap.25-32). O desespero foi imenso.

 Mas o profeta sentinela consola: Ezequiel será uma sentinela para os exilados “gola” (33, 1). Ele anunciará a salvação para Israel (cap. 33 – 39). A sentinela é responsável pela morte das vítimas: Se a sentinela não avisar o malvado Javé pedirá contas da sentinela (33,6). Aparecem termos jurídicos em relação às sentinelas.  Profecia contra os pastores de Israel quer dizer contra os reis (34): Javé suscitará um pastor único, um príncipe, não rei: ¨Meu servo David será príncipe no meio deles¨ (34,24). Seir, que é Edom, o inimigo de Israel será desolada, arruinada (35).

             Promessa da restauração nacional e espiritual 36,16-38: Ainda tem esperança na restauração, Ezequiel é sacerdote conservador: Israel, disperso entre as nações, vai ser reconduzido, não mais dividido em duas partes. Israel e Judá vão ser uma nação. “Eu vos darei um coração novo e porei em vós um espírito novo... sereis para mim um povo e eu serei para vós Deus”  (cf. Ez 11,20; 14,11; 36,28; 37,37;).

             Visão das ossadas: Estes ossos podem reviver? A visão das ossadas (37,1-14) reaparece em Js.26, Dan 12, 2 Mac 7 e Sab. 3. Esta visão é diferente das outras visões e pode ser elaborada no tempo dos Macabeus. Ezequiel anuncia: Levarei os filhos de Israel para seu solo. Não serão mais duas nações: Israel e Judá, mas uma só, um rei único será o rei de todos eles, mas este rei  será o meu servo David seu príncipe (Ez 37,15-28).

Os nomes Gog na terra de Magog permanecem misteriosos, trata-se de um inimigo que vem do norte, Javé o arrastará. (38,1-39,22). Resumo da pregação de Ezequiel (39,23-29).

14 anos depois da queda de Jerusalém Ezequiel  projeta  um novo templo com o culto cap. 40 – 48: O muro destinava-se a ¨separar o sagrado do profano¨.(40,5). Não se menciona a Arca. A glória de Javé entrará de novo no templo (43,1-12).
As leis sobre o culto (43,13-46,24). O estrangeiro não entrará no santuário (44,9), os Levitas que não lutaram consequentemente contra o baalismo não podem tocar as coisas santas (44,10-14), são subordinados aos sacerdotes de Sadoc, ainda não há um sumo sacerdote. Os sacerdotes sadoquitas podem se aproximar a Deus (44,15-31) e deverão agora ensinar o povo a distinguir entre sagrado e profano (sujo), eles estarão presentes para julgar (44,22-24).                                                  
 Direitos e deveres do príncipe: não se fala mais de reis que foram condenados pelos profetas, ele tomará contas dos sacrifícios, será quase um sacerdote (45,9-46,18).
 A fonte do templo (47,1-12). Distribuição da terra entre as 12 tribos de Israel, o tempo ideal antes da realeza em Israel e Judá (47,13-29).
No final  do livro o nome da cidade: ´Adonai Shammá´, Javé está aí.
           
  Isaías II (550-539)
            Isaías II abrange os capítulos 40 – 55. que não são mais os tempos dos reis mas do exílio.  O autor vive no meio dos exilados em Babilônia e reflete o desespero daqueles que tinham perdido a soberania, a terra, os reis, o templo, finalmente a fé em Javé. Já no início uma voz clama: ´´Confortai, confortai meu povo´´ (Is 40,1- 11).
 Javé não é só o deus de Israel, um deus nacional com a disputa entre Javé e o Báal em  Canaã, mas o Deus universal, agora contra os deuses de Babilônia, que são obras humanas. Por isso o autor argumenta que Javé, o deus criador do universo, - os ídolos são um nada- é o Senhor da história que relevou a seu servo Israel seu procedimento: Javé apresenta- se Eu, eu sou Deus, vós sois minhas testemunhas (43,12).  “Não falei em segredo” (45,19-21). Israel em conjunto é o servo profético.
Javé apresenta seu servo, não mais um rei; (42, 1- 4), a investidura dele não são os vestes de um rei, mas o espírito de Javé, as ilhas (o mundo inteiro) vão esperar sua vinda. No segundo canto o servo se queixa que trabalhava em vão (49, 1 – 6), mas Javé destinou-o a ser a luz das nações. O servo é uma pessoa individual, mas também coletivo:
O servo de Javé é Jacó, Israel, um povo surdo e cego, não entende as intervenções de Javé (42,18-25;).  Em longos discursos Javé mesmo, na primeira pessoa, explica suas ações. Israel será testemunha (43,1-12;), uma vocação profética diante de todos povos: “Javé faz nada sem revelar seu secreto aos seus servos, os profetas” (Am 3,7;) Ele estabeleceu o império babilônico para a destruição de Jerusalém, mas agora chama o Ciro dos Persas, um pagão, também seu servo, para resgatar os exilados. Is II apresenta Javé não como libertador, antes como resgatador dos cativeiros em Babilônia, que é dono de todos os povos: só Javé é o único Deus, enquanto os deuses da Babilônia são ídolos de madeira. Javé se servirá de Ciro para reduzir “schub”, resgatar os exilados para sua terra (Is 44,28 -  45,13).
 No terceiro canto o servo foi apresentado como discípulo (50, 4 – 9) que, com cabeça erguida, enfrenta os adversários. Dostoiévski afirmou certa vez: ¨Tenho somente uma coisa: não ser digno do meu tormento¨.
 No ultimo canto (52, 13-53, 12) o servo é vitima de todos, bode expiatório, mas terá êxito. O versículo 53,10 merece atenção: mesma a TEB traduz: “O Senhor quis triturá-lo pelo sofrimento. Exatamente isto pensava se nos versículos 4 e 5: ”Nós o considerávamos  atingido, golpeado por Deus e humilhado´´. Precisa  corrigir o texto e traduzir: Javé quis para si seu triturado pelo sofrimento Outra tradução: Javé se comprovou em seu triturado pelo sofrimento. Estes últimos cantos refletem o sofrimento dos exilados (e de Jeremias?).

 Todas as mensagens da esperança culminam na promessa numa nova Jerusalém, Javé assume a filha de Sião como sua esposa (54, 1-8), ´´Pois aquele que te fez é teu esposo´´ que recebe cinco bênçãos como em Gênesis 1,28:´´ os teus filhos serão discípulos de Javé” (54,13. No futuro não haverá um estado de Israel, só a cidade de Jerusalém, centro cultual do judaísmo. Os judeus da dispersão, vivendo em diferentes países, podem se identificar mais fácil com um templo e  não com um novo estado judaico.
                             
IV) Os últimos Profetas no Pós-Exílio
 
Palavras de Javé a Joel (1):
Javé é El (Deus)! Não possuímos nenhum dado sobre o tempo e a vida de Joel. O templo já existe (515). A redação final não vai muito além do ano 332. Pode ser uma liturgia profética no Templo, o profeta é talvez um ministro litúrgico, de outro lado ele conhece bem o campo.
O tema por excelência é o Dia de Javé (cf. 1,15; 2,1; 3,4; 4,14), um dia de trevas e de escuridão, dia de nuvens  e de densa neblina.   
As pragas de gafanhotos (1,4 e 2,25) simbolizam um povo, que ataca minha terra (1,6), o enxameador, lambedor, ceifador, descorticador (2,25). Pode aludir às potências dos Assírios e Babilônios. Eles venderam os habitantes de Judá e Jerusalém (4,6), Javé restaurará Judá e Jerusalém.  Prevalece o âmbito do campo, seca, devastação, fome. deserto (1,5-12).  Joel conhece as relhas do arado e podadeiras (4,10).

Os beberrões, sacerdotes e camponeses suspiram como uma virgem, que perdeu seu esposo (1,8). Os sacerdotes estão de luto, os ministros de Javé (1,9) Convite ao jejum e conversão (1,13-14; 2,12-17). Javé tem piedade do seu povo (2,18-27). Efusão do Espírito sobre toda a carne, todos são iguais, não se menciona os sacerdotes (3,1-5), citação no dia de Pentecostes (At 2). Conhecereis que eu sou Javé, vosso Deus (4,17).

 Ageu (10.)
Palavra de Javé por intermédio de Ageu: Durante o exílio o templo estava arrasado, mas algumas observâncias continuaram (Jr 41,5-6). A reconstrução do templo foi de interesse não só dos regressados de Babilônia (Esd 1,3), mas também dos pobres, o “povo da terra”, que formavam uma comunidade.

 Ageu espera a restauração do estado antigo antes da destruição de Jerusalém: o rei seria Zorobabel,  mas isto foi contra os interesses dos Persas. Hoje em dia Ageu não gosta de muita popularidade, porque desperta incomodo por forte ênfase na construção do templo, ele vai longe demais em seu compromisso como culto...
Ageu critica “este povo” (1,2-4) que conserta casas para si, mas não se importa com a casa de Deus. Com “Este povo” Ageu pensa nos repatriados de Babilônia. Enquanto isso “o resto do povo” ou “o povo da terra de Judá” (1,12) se preocupa com a casa de Deus junto com Zorobabel, descendente davídico, e Josué, um sumo sacerdote, que ainda não representa o sacerdócio tardio de Esdras e Neemias. Para Ageu a organização social que surge do templo tem nada a ver com uma hierarquia sacerdotal. A iniciativa surge do povo e serve às necessidades dele.

            Zacarias (I.) 1-8
 ¨A palavra de Javé veio ao profeta Zacarias (1,1)¨.
A mensagem de Zacarias segue de perto a de Ageu. Sua atividade data de 520 - 518.
Ageu e Zacarias em Jerusalém conseguiram temporariamente a união das diversas forças: o povo da terra em Judá e o bloco sacerdotal com um rei em Jerusalém.

Isaías III: cap. 56 – 66
Um terceiro Isaías aparece entre os anos 537 e 520: Alguns exilados voltaram de Babilônia, todo mundo está envolvido na reconstrução do Templo e da cidade de Jerusalém.
 A vocação do ungido: “O espírito de Javé sobre mim, Javé fez de mim um messias (ungido), ele me enviou a levar alegre mensagem aos humilhados, curar quem tem coração confrangido proclamar aos cativos a liberdade, aos prisioneiros a abertura do cárcere, proclamar o ano do favor da Javé” (61, 1-3).
Este profeta critica a reconstrução do templo, porque Javé não mora num templo com o Santo dos Santos como mais tarde pensam os sacerdotes, ele habita na eternidade e cujo nome é santo. Ele está com aquele que é esmagado “Enaltecido e santo eu permaneço embora estando com aquele que é esmagado e que no seu espírito se sente rebaixado” (57,15). O céu é seu trono, a terra o escabelo dos seus pés: “Qual é a casa que haveríeis construir para mim? Mas é para este que olho: para o humilhado, que tem o espírito abatido (66,1- 2). Cf. Salmo 112

Cap. 2,2-5 pertence ao III Isaias (Bíblia pastoral):   O mesmo texto de Miquéias 4,1-3; deve ser pós-exílio. Israel tinha experimentado as brutais guerras e conquistas dos Assírios e Babilônicos e espera um tempo da paz no futuro.  A montanha da casa de Javé será estabelecida no cume das montanhas, não mais no templo. (Is 66,1). De lá vem a instrução para todos os povos.       

Ele defende os estrangeiros e eunucos (contra a prática do Esdras): “Assim fala Javé: observai o direito e praticai a justiça... não diga ao filho do estrangeiro: Javé vai certamente separar-me do teu povo. Pois minha casa será chamada: casa de oração para todos os povos” (56, 1-7).                                                               
 O verdadeiro jejum: “o jejum que eu prefiro: desatar os laços provenientes da maldade, desamarrar a correia do jugo, partilhar o pão com o faminto, cobrir o nu, dar abrigo” (58,6-8).
São pronunciamentos, que iluminaram Mateus na formulação do Sermão da Montanha e na critica do Templo e no juízo (Mt. 5,3 e 21,13 e 25,31).
Súplica a Javé, o pai misericordioso: uma recordação dos favores passados 63,7 – 14; uma súplica dos filhos infelizes 63,15 - 64,3; uma confissão dos pecados 64, 4 – 6; nova súplica ao Pai  64, 7 - 11;
Iluminada por Deus Sião, Jerusalém, ilumina o mundo (60). O profeta não menciona um templo nem sacrifícios nem um rei, mas pensa nos habitantes da cidade. Sião não é mais um lugar, mas uma pessoa, a esposa de Javé, a rainha do rei Javé (60-62), uma radiante visão sobre a cidade de Javé, “Sião do Santo de Israel”. Jerusalém, abandonada e desolada (62,4), encontra o seu esposo: “teu criador casará você” (62,5). Jerusalém como uma mãe de família numerosa que dá à luz (Is 66, 7-13;).
 Isaías III não esperava um messias como descendente de David, a esposa Sião, Jerusalém, assume a posição real.

           Malaquias (12.)
Seu nome significa: mensageiro de Javé. Este mensageiro está preocupado com o comportamento dos levitas / sacerdotes no templo, no pós-exílio em torno de 460, antes a reforma de Esdras. O segundo Templo já foi construído, os sacrifícios funcionam. Tempo de grande ceticismo: Em que Javé nos ama? (1,2). Javé ama Jacó, não Esaú. ¨Em que desprezamos teu nome?¨ (1,6)  Eles oferecem animais impuros. Ele exige um culto autêntico, contra sacrifícios com animais da menor qualidade. (1,6 – 14). Advertência contra os sacerdotes: ¨Vós destruístes a aliança de Levi¨ (2,1-9). ¨Não temos nós um só pai?¨ Por que somos traidores?  Eles traíram a mulher da sua juventude ao desposar a filha de um deus estrangeiro. Isto apresentava um perigo de contaminação da religiosa (2,10 – 16). Cf. Izébel no tempo de Elias (1 Rs 19,1).
Vós cansais a Javé: ¨Onde está o Deus que faz justiça? (2,17) Como voltaremos? (3,7) É inútil servir a Deus; que proveito se tem em guardar suas observâncias? (3,14)¨
 O profeta avisa o julgamento:. “Eu vos envio o meu mensageiro. Ele aplainará o caminho diante de mim. De repente, ele entrará no seu templo, o Senhor, que vós procurais, o Anjo da aliança ” (3,1-5).
 Elias, que defendeu a aliança com Javé (1 Rs 19,10),  vem antes da vinda do dia de Javé (3,23).  
A Septuaginta colocou Malaquias como ultimo profeta no final dos profetas. As últimas palavras de Malaquias: Elias vai converter o coração dos pais para os filhos e o dos filhos para os pais (3,24). Isto pode significar: o povo da primeira aliança deve se converter para os filhos da nova aliança, e os filhos da nova aliança terão suas raízes na fé dos pais de Israel.

        Jonas (5.)
O livro não é a mensagem de um profeta mas uma novela sobre o pensamento de um profeta. Nínive é a metrópole de injúria no oriente. O peixe vem da mitologia grega e aponta o surgimento do livro no tempo helenístico. O estilo lembra os sábios que escreveram Tobias, Ester, Daniel.
O livro mostra que o pecado não será perdoado por castigo mas por misericórdia de Deus e critica tendências nacionalistas e particularistas no pós-exílio na diaspora..

Zacarias II  cap. 9-14
Os capitulo 9-14 do Zacarias, por volta do ano 300, tratam da implantação do reino messiânico em Jerusalém. O Messias será humilde e pacifico (Zc 9, 9-10 e Mt 21, 1-9) após os conflitos e as guerras com as nações vizinhas, mas também após os conflitos entre Judá e Efrain. Estas nações podem ser os povos da terra, obstáculos às pretensões hegemônicas de Jerusalém. A cidade de Jerusalém estava em conflito com o campo Judá. A existência de uma guerra civil entre Jerusalém e Judá é certa, (Ribla 35/36 p 243) mas as famílias da terra terão que se conformar com a teocracia Sadoquita de Jerusalém. O Messias não será guerreiro, mas pacífico.
Uma alegoria de dois pastores (11,4-17): Dentro de Judá (quer dizer no campo) se encontram os pastores que vendem o rebanho aos traficantes.  Eles vendem as ovelhas e falam: “Bendito seja Javé, vou ficar rico”. V 6 pode ser uma adição posterior, pode se tratar dos reis da terra, quando a alegoria dos pastores concerne só ao povo de Israel. .Apascentei então as ovelhas com dois cajados, o primeiro “benevolência” e o segundo “união”. (Eliminei num só mês os três pastores, pareça aludir a três sumos sacerdotes, uma adição).  ”Perdi a paciência com elas (as ovelhas), por sua vez, se cansaram de mim: declarei então: não vos apascentarei mais! Morra a que deve morrer! E que os sobreviventes se devorem mutuamente”. Tomei então meu cajado “benevolência” e quebrei-o para romper o pacto que formara com todos os povos.  (Espécie de um pacto tácito concluído com os povos estrangeiros para que deixem Israel em paz). Declarei-lhes então: “pagai-me, se vos aprouver o meu salário; senão, deixai-o”. Pagaram trinta ciclos de prata. Javé me disse: “Lança-o no tesouro, esse belo preço em que fui avaliado por eles”. Tomei os trinta ciclos de prata e lancei-os no tesouro de Javé. Quebrei depois o meu segundo cajado para romper a fraternidade entre Judá e Israel ( Mt 26, 14-16 e 20-25).
 “Espada, desperta contra o meu pastor. Fere o pastor, que as ovelhas sejam dispersas” (13,7). As ovelhas também são responsáveis: “perdi a paciência com elas” (11,8b-9), só um resto conhecerá que a força de Javé está em Jerusalém e não em Judá. A morte do pastor será um dos elementos essenciais para esta reconstrução da hegemonia de Jerusalém.
Os autores dos capítulos 9 - 14 estão situados ao lado das autoridades de Jerusalém e não ao lado dos pobres da terra. Depois de Neemias e Esdras o projeto sacerdotal Sadoquita, que continua no tempo dos Gregos e dos Romanos, não dá espaço para profetas, os sacerdotes em Jerusalém têm o monopólio da profecia. Profecia deve passar pelo Templo e pelo Santo dos Santos. O sacerdócio santíssimo do Templo não admite contradições ou criticas. Para o herético a fogueira ou neste caso a espada. Nota-se que Jesus de Nazaré é do campo, ele é um impostor.  
 A profecia sempre foi uma característica do povo da terra que não concordava com a cidade, por mais santa que pudesse ser. Agora fora dos limites sagrados só terá heresia e impureza.                                                                
Os livros das crônicas – contemporâneas - atribuem o ministério profético aos levitas. O cronista usa o termo “levita” (2 Crônicas 34,30), onde 2 Reis 23,2 colocava “profeta”. Temos uma forte contraposição em Joel 3,1-2 e 1 Mac 4,46; 9,27; 14,41.
O luto por um traspassado (12,10-11): Jerusalém deve ser purificada: “Eu derramarei sobre a casa de Davi e sobre o habitante de Jerusalém o espírito de boa vontade e de súplica; Erguerão então o olhar para mim. Por aquele a quem traspassaram celebrarão o luto como pelo Filho único. Vão chorá-lo amargamente, como se chora por um primogênito.” (Jo 19,31-37).
 Expulsarei também da terra os profetas... (13,2-6) seu próprio pai e sua própria mãe o traspassarão...” uma memória trágica.  A casa do pai e da mãe, que geraram o profeta, sabe que ele falou em nome de Javé, mas deve considerar mentira tudo o que o profeta diz, a casa é estimulada a matar o profeta “traspassá-lo”. Jerusalém e a casa de Davi são o lugar de perdão, de purificação, lugar da água viva. Pelo contrario a terra: ela é o lugar da idolatria, dos profetas (a serem expulsos) e do espírito de impureza.
O profeta se defende: “Não sou profeta, sou um trabalhador da terra” (13,5), um trabalhador escravo, comprado por alguém quando ainda jovem. Faz anos que ele trabalha assim, para o outro ficar rico. Suas mãos são feridas pelos duros trabalhos de exploração. E ainda tem que considerar o patrão que o maltrata como um amigo.
 A memória de Jesus pode ser a chave da verdadeira releitura desses capítulos:  A entrada de Jesus em Jerusalém: Zc 9,9 > Mt 21, 12-13; A saída dos vendedores do Templo: Zc 14,21>Mt 21, 12-13; As trinta moedas: Zc 11,12-13 >Mt 26,15; As ovelhas: Zc 10,2 >Mt 9,36; O bom pastor: Zc  13,7>Jo 10; A morte do pastor: Zc  13,7; O traspassado: Zc 12,10>Jo 19,37; Ap 1,7; (Ribla 35, p.235)

             V O Judaísmo e o fim dos profetas

            Mudança radical com a queda de Jerusalém e com o fim dos reinos do Norte e de Sul. Acabou também o papel dos profetas como críticos dos reis, de Israel e dos povos vizinhos. Só sobrou Jerusalém com uma parte de Judá, que ficou uma província do Império dos Persas. A política dos Persas reconhecia o culto próprio dos povos que foram incorporados no Império. O edito sobre Jerusalém (Esd 6, 3-5) não foi assim um privilégio para os Judeus, mas a aplicação da política geral. O templo será uma chave importante para entender o Judaísmo pós-exílio. Judá será uma zona autônoma do Império, criada em torno do templo e governada pelos sacerdotes sadoquitas até 175 a.C. Os judeus na dispersão, vivendo em diferentes países, podem se identificar mais fácil com este centro cultual em vez com uma cidade estadual.


 Um primeiro grupo de exilados tinha voltado, lançou as fundações do Secundo Templo nos anos 520-515. (Ageu e Zacarias). A situação em Jerusalém estava desolada: tudo destruído. Um canto recorda os benefícios de Javé do passado e a situação presente (Is 63,7 - 64,1



                                               “Onde está aquele que nele infundiu o seu Espírito santo? 
                                                               Abraão não nos conhece. Pois tu és o nosso Pai”!

 Esdras, sacerdote e escriba veio de Babilônia, manda  do pelos Persas, para restaurar o culto e lutar contra os casamentos com mulheres estrangeiras, que assentaram a terra. A oração Ne 9,36-37 confessava: ¨Eis que somos escravos, nos achamos em grande miséria.
  Esdras promulgou o livro da Lei de Moses durante a festa das Tendas no sétimo mês. Foi a festa das cabanas, em hebr. Sukkot, tabernacula. Israel confessou sua fé (Dt 26,1-11). . Aqui não há sacrifício nem Templo, onde os sacrifícios eram o elemento central (Ne 8).  Cada dia fez-se uma leitura durante sete dias.
   A última redação da Torá pelos sacerdotes sadoquitas nos tempos dos Persas em torno de 400 a.C.:; Neste tempo a Torá foi separada dos primeiros profetas. Ao mesmo tempo os últimos profetas encontram sua redação final, caracterizados pelas promessas para o futuro após da destruição dos estados de Israel e Judá. Em 398 a.C. aconteceu a promulgação da Torá por Esdras em Jerusalém (Ne 8). Esdras é o novo Moisés.

        A Torá: a Lei do Judaísmo
                                                             
        A Torá, “a guia no caminho,”  se converte agora em Lei da província dos Persas por escrito. Como Lei a Torá é obrigatória para todos os Judeus, seja em Jerusalém, ou seja, na diáspora. A Lei unifica todos os Judeus. Se fala agora do Judaísmo.
       
         O Templo é o centro do culto a Javé (Ex 24-40) com a Arca, o Santo dos Santos e com o Propiciatório. Javé não fala mais do Monte Sinai, mas da Tenda com a Arca no Propiciatório (Lv 1,1)  ¨Ali virei a ti e falarei contigo¨ (Ex 25,22), um novo conceito de ¨ordem e punição¨. A santidade de Javé será agora um termo cultual, não mais moral e significa separação do mundo, do pecador. Quem se aproximar de Deus vai morrer. O culto está separado do profano. O centro do Levítico 17-24 é o código da santidade: “Fala a toda comunidade dos filhos de Israel: Sede santos, pois eu sou santo” Lv 19,2. “Aquele que vos fez sair da terra do Egito, a fim de para vós ser Deus, eu sou Javé” (Lv 22,31 – 33).

                      O Sumo Sacerdote (Levítico)  é o único ungido e substituirá a dinastia de David no poder (Ex 29.7). Ele é consagrado a Javé (Ex 28,36),  não  mais o povo consagrado a Javé (Jr 2,2-3 e Dt 7,6). O papel do profeta sumiu.No  Dt 18,18 Deus ¨fala e ordena¨ pela boca do profeta, agora ele fala e ordena pelo sumo sacerdote no propiciatório: ¨Ali virei a ti e falarei contigo (Ex 25,22). Ele é sacerdote, rei, profeta. É o fim da profecia.   Javé partilha o sacrifício com os sacerdotes (Lv. 22,2-16).  Sobre o código sacerdotal veja Lv 8-10
                     Os Levitas (Nm 1-10) são diferenciados dos sacerdotes, eles ¨acamparam ao redor da habitação do Testemunho¨ , não mais da aliança (Nm 1,53) e estão à disposição do sacerdote Aarão (Nm 3,5-13).
                    Os Filhos de Israel:  O termo “filhos de Israel” aparece 24 vezes em Ex 25-31, 13 vezes em Ex 35-40, 53 vezes em Levítico e 54 vezes em Números. Eles formam o acampamento a certa distância em torno da tenda (Nm 2,3-25). Os escribas dos sacerdotes adicionaram muitos trechos no Êxodo e Números. Eles falam dos “filhos de Israel” que são os repatriados de Babilônia, em contraste com os judaítas remanescentes (Ribla 41, p. 20), o povo da terra. cf. Jz 19,30 ate 21,24, onde uma mão sacerdotal reelaborou a narração primitiva, inserindo elementos novos.(Uma boa parte das traduções modernas não traduz corretamente o termo “filhos de Israel”, somente traduzem “Israel¨). Este modelo de sociedade hierocrática foi idealizado como  imagem da comunidade ideal e da igreja.

                   As leis, os pecados  e os sacrifícios:
          Sobre as leis de pureza veja Lv 11-15.  Quem não cumpre as leis, será castigado, será morto (Lv 20); a punição da blasfêmia (Lv 24, 9-23). A ética consiste na observância da Lei, quem não observa a lei, mesmo inconsciente, é pecador. Os estrangeiros são automaticamente pecadores. A ética não é mais o comportamento de um com o outro.  Sobre os sacrifícios veja Lv. 1-7

                                                     Uma comparação entre
             o conceito profético da Torá (D) e o conceito sacerdotal  da Lei (S):

            D: A criação Gn 2,4b- 4,26: Javé num estilo de novela ou mito com empatia, compaixão, como oleiro modela Adão, o ser humano, adverte na tentação, busca o perdido, consola, protege, socorre, um amigo do seu povo.
            S: A criação Gn 1,1,-2,4a e 6,1-9,17: Deus num estilo objetivo, científico, um criador soberano, a maldade da humanidade foi castigada pelo dilúvio, Deus é o onipotente, mas promete e faz  aliança com Noé e com todos os povos, é um Deus universal.
            D: A libertação “do seu povo” Ex 3,1-11: Javé vê a miséria do seu povo, ouve o grito, conhece os sofrimentos, desce e liberta da escravidão. Javé vai para o povo e acompanha na caminhada, estará com eles,  como um bom pastor. O objetivo é viver na terra prometida.
             S:A libertação dos filhos de Israel: Eles serão ”a parte pessoal” de Javé, todos os povos pertencem a ele (Ex 19,5).  O objetivo é: “Conhecereis que sou Eu, Javé”. A libertação mostra a glória de Deus  “Eu estarei como Eu estarei” (Ex 3,12-15) destaca a soberania de Javé na história. Os filhos de Israel vão para o Sinai, o Templo, lá eles encontram Javé.
            D: O Deus justo: No tempo dos profetas Javé quase sempre é apresentado como deus da justiça, ele é o juiz da terra, julga os povos com retidão, veja os Salmos 82, 94, 97. Deus cede seu direito ao pobre, à viúva, ao órfão e estrangeiro.
            S: O Deus santo: No tempo do pós-exílio Javé é apresentado como o Santo. Santidade significa separação do pecador, do profano, Javé inacessível, uma ameaça para o povo. O Deus exige seus direitos: os sacrifícios e holocaustos. Ser santo (Lv 19) significa cumprir as leis, celebrar o culto.
           D: A aliança com o povo: Javé escolheu um povo pequeno, porque ele ama este povo (Dt 7,8), o povo é partidário de Javé (Dt 4,4), uma aliança bilateral, um compromisso mútuo: “Ele se torna para ti Deus e tu te tornas para ele o povo” (Dt 26,16-19). O objetivo da aliança será a posse da terra
           S: A aliança com os filhos de Israel:  Os destinatários da aliança são os filhos de Israel no mundo inteiro. Fala-se do judaísmo. É uma aliança unilateral. “Eu sou Javé”. O objetivo da libertação: “a fim de para vós ser Deus” (Lv 22,31-33).
            D:A exigências da aliança: A Torá é o guia no caminho. Amar Javé de todo o coração, com todo o ser e todo o seu ter (Dt 6,4). As Dez Palavras foram anunciadas a todo o povo e são exortações, conselhos para o coração de cada um. As leis também são um ensino acompanhado de exortações, apelos e advertências. O amor ao irmão ultrapassa qualquer lei. A aliança se realiza pela prática. A Arca guarda as 10 palavras.
           S: As exigências da lei no Judaísmo: A Torá é agora a Lei de Moisés (Lv 1-15). O pecado, mesmo na inadvertência, é uma ofensa contra a lei.. Os povos são, por definição, pecadores.  A aliança se realiza na observância da lei da pureza, do culto, do rito, do sacrifício.  A Arca guarda o Testemunho, uma ameaça!
            D: Os profetas revelam o caminho de Javé na história, que fala da montanha, da nuvem: O profeta, dirá tudo o que “eu lhe ordenar” (Dt 18,18; cf. Mc 9,7).
            S: O sumo sacerdote assume o papel do rei e do profeta: “Do alto do propiciatório entre os dois querubins sobre a arca do testemunho comunicar-te-ei todas as ordens” (Ex 25,22). Javé chama da Tenda  ou do Templo.

Resumo: Ao escutar um lado, na mesma hora, escuta-se o outro.
      O teatro do Jó, a historieta de Jonas, os poemas de Cantares, as novelas de Ester, Rute e Judite, as ousadas ironias de Kohelet, foram uma nova expressão da profecia que a ideologia sadoquita enfrentou. Não vamos esquecer a importância dos Salmos nos quais o povo reza a Deus e quase nunca fala dos sacerdotes e de leis.


     “Tenho a certeza que, ao conhecermos o funcionamento do templo, podemos compreender melhor a alternativa popular que Jesus herdou e contemplou com maior consciência o Mistério de um Pai que Jesus escolheu: a casa e não o templo, a mesa e não o altar, a partilha e não o sacrifício, a família e não o sacerdócio. Por isso morreu. Por isso foi morto!“           (Veja Ribla 23 – Sandro Galazzi p 161)

Nenhum comentário:

Postar um comentário