domingo, 18 de maio de 2014

A: A BÍBLIA I A TORA (TA)




            
                              A: A BÍBLIA


A igreja chama a bíblia hebraica: Antigo Testamento
seguindo a ordem da LXX.
 Hoje em dia falamos do Primeiro Testamento
.Nesta explicação da Bíblia eu sigo a edição da TEB,.,
Traduction Oecuménique de la Bíblia (TOB)
Tradução ecumênica da Bíblia
que segue a organização hebraica.
Martin Huthmann

                           I Torá (Ta)

                                     I A Bíblia Hebraica: TA-NA-K

                              Ta: Torá  Na: Nabim K: Ketubim   



   



         
  Literatura usada: Bíblia TEB
                           Os livros proféticos Ribla 35/36
                          Einleitung in das Alte Testament 5. Auflage Kohlhammer
                           Jan Assmann: Êxodus, C.H.Beck  2015  
                        Quem escreveu a Bíblia ? Richard Elliott Friedmann, Anaconda Verlag1987                
                        


                      a) Organização da TANAK
                b) As fontes da Bíblia 
                c) História de Israel

              a) Organização da TANAK
          I A Torá (Ta) “Guia no Caminho”:
                                             
            1 Origem,                                             Gênesis          
            2 Nomes,                                              Êxodo             
            3 Ele chamou,                                       Levítico
            4 No deserto,                                       Números         
            5 Falas de Moisés,                              Deuteronômio

          II Os Nabim  (NA): Profetas:
     Videntes e Mensageiros:

            1.      Os primeiros profetas:
       Josué, Juízes, Samuel I e II,  Reis I e II.
            2.  Os últimos profetas: Isaías, Jeremias, Ezequiel;
                  3.  O Livro dos doze profetas, um conjunto:
     (1)Oséias, (2)Joel, (3)Amós, (4)Abdias, (5)Jonas,  (6)Miquéias,
     (7) Naum, (8) Habacuc, (9) Sofonias,   (10)Ageu, (11)Zacarias, (12)Malaquias.
            
   
           III Os Ketubim (K) Escritos:

            Os Salmos  Jô  Os provérbios
     5 Rolos: Rute, Cântico, Qohélet, Lamentações, Ester
     O Apocalipse de Daniel
     Esdras e Neemias, Crônicos

                        Deuterocanônicos:

     Ester grego, Judite, Tobit, Macabeus, Sabedoria,               
     Sirácida,   Baruc, Epístola de Jeremias.


O primeiro Testamento foi escrito durante muitas épocas composto de várias fontes orais e escritas pelos os redatores até a oficialização (Canon) da Torá e dos profetas em torno de 400 a.C. Em torno de 250 a.C. a Torá foi traduzida em grego em Alexandria (Egito), a chamada Septuaginta LXX.  Na igreja primitiva foi mudada a ordem dos diferentes livros.


                              A Bíblia não trata da história de Israel, não é um livro histórico,
                                          mas reflete a fé a partir de fatos históricos,
                               é um livro da fé e da esperança nas promessas de Javé.

        
        b)As diferentes fontes da Torá:
       

   Who wrote te Bible? Quem escreveu a Bíblia? 


                     Richard Elliott Friedmann  Anaconda Verlag 1987





1.      O mundo, onde surgiu a Bíblia 1200-722 a.Cr.





              A religião de Canaã foi uma religião da natureza. O Deus supremo foi EL, que foi masculino, patriarqual, dominante, no conselho dos deuses mandou ( cf. Sl 82 e Jó 1,6).


             No primeiro tempo Israel  foi orientado por 12 tribos com os Levitas. Havia juízes e sacerdotes. O rei David uniu as tribos, mudou de Hebron para Jerusalém, denominou dois sacerdotes: Abjathar do Norte e  Zadok do Sul para unir seu reino. Salomão preferiu o Sul em detrimento do Norte. Seu filho, Rehabeam, continuou a preferência do Sul.  O  Norte  revoltou e Jerobeam foi eleito rei do Norte. O reino de David se separou.


              A tenda, a arca da aliança e o sumo sacerdote ficaram em Jerusalém. Para evitar a peregrinação para Jerusalém Jerobeam  criou uma nova versão da religião,  um novo centro, novas festa e símbolos. O novo símbolo foram dois bezerros, identificados com EL dos Canaanitas. um em Bet-El, outro em Dan.  No templo (27 m por 9 m) havia dois Querubins, pedestal de Javé. Os bezerros foram o pedestal para Javé, identificado com EL. Os sacerdotes de Shilô, levitas, foram excluídos por Jerobeam. Nos dois estados viviam dois autores da Bíblia. Após a destruição de Samaria os levitas levaram a fonte E para Jerusalém.


 J e E:  Javé em Judá,  El em Israel
            El era o supremo deus em Canaã, ele é o El do Norte, patriarcal, soberano, onipotente. Javé é o Deus de Juda: ¨Eu estarei¨ com Moisés, com o povo, com os pequeno.

              A fonte E tinha uma  peça dubla, chamada P (ou S) com relatos sobre sacerdotes, sacrifícios, pureza, datas, números e medidas (cf. Gn  6,5-8,22;)
            O autor E se interessa pela política de Jerobeam em Israel e das cidades do Norte, destaca a aliança de Moisse no Horéb, não a aliança de Abraão, dos patriarcas como em J. E ataca o sacerdócio do Norte e do Sul,  É uma polêmica, apresentar o bezerro como Deus. Para E a tenda é símbolo da presença de Deus, ligado a Shilô no Norte., não aparece em J, a Arca da Aliança não aparece em E.
           O autor de E é um sacerdote levitico de Shilô. Em E Deus é sempre chamado El  até o chamado de Moisés  (Ex 3,4).  O autor de E foi com certeza um homem, entre 922 – 722.

              O autor de J, escreveu  entre 848 – 722.  Ele fala de Hebron, antiga capital do Sul, onde Abraão vivia, onde David nomeou Sadoc da família de Aarão como sumo sacerdote, só fala de Judá e Benjamin Nas  contas da fonte J aparecem muitos traços femininos.


2.      O mundo da Bíblia 722 – 587



             Com a destruição de Israel 722 afundou o mundo que J e E criou. Os descendentes de David ficaram vasallos dos Assirios e Babilônios. O rei Ezequias (2 Rs 18) governou de 715 até 687 em Judá, anulou os ¨lugares altos¨e centralizou o templo. No mundo bíblico os sacrificios serviam para a comida. Quem come carne, destroi a vida, mas isto foi um ato sacrado, o animal (não peixes e frangos) deviam sacrificados no altar pelos sacerdotes, agora no templo.

          Na política Ezequias recusou o domínio dos Assirios, os Assírios conquistaram muitas cidades e cercaram Jerusalém, mas não conseguiram conquistar a cidade. Ezequias tinha mandado de construir um tunel para fornecer água. O filho e neto dele restauraram o cculto de outros deuses no templo e os lugares altos.

       Josias voltou à prática de Ezequias: destruição dos lugares altos e centralização do Templo. 622 veio a notícia que o sacerdote Hiquiáhu encontrou um livro da Torá (2 Rs 22,8). Josias tinha lutado contra Assur e Egito, o que significava, estar ao lado dos Babilônios. Jeremias falou bem de Osias (Jr 22,15). Após a morte de Josias  governaram três filhos e um neto. Nabucodonosor  mandou degolar os filhos do rei Sedecias vazou os olhos dele (Jr 39,6). 587 destruição de Jerusalém.  Neste tempo um autor escreveu a história do seu povo a partir de Moisés.  (p  116)



           Deuteronômio D e a obra do deuteronomista Dtr 1 e 2

           O que o sacerdote Hilquiáhu  no ano 622 encontrou foi o Deuteronómio  (¨Falas de Moisés¨), mas não é de Moisés e sim de Hilquiáhu. Mas há uma relação especial com os livros Josué, juízes, Samuel e Reis. O autor escreveu de tal modo as leis do Deuteronômia para que servirem para todos os reis: o que é bom, o que é rium nos olhos de Javé. Uma primeira edição da História deuteronomista foi um homem que vivia no tempo de Josias, a secunda edição ajunta os acontecimentos depois da queda dos reis.

           D  Cap.12 até 26 contem o código das Leis, preceitos e costumes, são um ensino de exortações, , apelos e advertências, se referem a costumes antes dos reis. Interesse especial tem os Levitas. O autor de D se deixa provalmente encontrar entre os levitas e não entre o pessoal do rei.

          A pessoa que escreveu as leis vem dos sacerdotes de Siló, só os levitas são verdadeiros sacerdotes, o povo deve cuidar deles, eles recconheceram um rei, porque o lider deles, Samuel, chamou e ungiu os primeiros dois reis.

         Dtr 1  O deuteronomista pegou o códico das Leis e escreveu uma introdução (D 1-11) , depois colocou o codex e terminou com bençãos e maldiçãos ((Dt 27-28). Ele entrega tudo aos levitas. O autor estava ligado com os sacerddotess de Siló. O Josias foi o hero do autor, Josias  reparou a injustiça, que os levitas sofreram durante 300 anos.                                                                                                                                              Jeremias:  Ele admira Josias, estava associado  com aqueles que mexeram com a Torá, quatro vezes ele menciona Siló. Jeremia é sacerdote, mas nunca ofereceu sacrifícios. O livro de Jeremijas tem a mesma linguagem como Dtr.  D e E se completam.

         Dtr 2  O autor exilado completou a história, vivendo no exxílio após a destruição de Jerusalém e das prometas de Javé. .(Dt 4,26; 4,27; 28,63; 28,64; 30,18). O povo, libertado do Egito, volta a Egito. Jeremias é o autor: durante o dominio de Josias ele estava em Jerusalem,  mais tarde  no Egito (Jr 42), Jeremjas, o profeta e Baruc, o escritor ou coloaborador, são os autores. Um sigilo em argila diz: ¨propriedade de Baruc, filho de Nerias, esrevente¨.(p 154)



3. O mundo da Bíblia 587 – 400 a.Cr.

         Nos livros históricos da Bíblia se encontra pouca coisa sobre os exilados. A religião de Judá não combinou com a religião dos povos. O Salmo 137 mostra a situação dos exilados, que sofrem sob os Babilónios e também dos Edomitas. Javé é um deus nacional ou universal? Como adorar Javé sem Templo? Quem lidera o povo sem reis? Os sacerdotes tinha perdido sua influência porque não tinha mais sacrifícios.

        538 venceram os Persas os Babilônios. Os exilados podiam voltar. O II templo foi reconstruido e 516 consagrado. O sacerdócio aaronita ganhou a influencia. 458 voltou Esra, um sacerdote aaronita  com a Torá de Moisés e a ordem de Atarxexes de realizar a lei de Moisés.  Textos de Esra e Nehemias continham material de P.  a Torá de Moisés continha todas as fontes, J, E,  D e P.  Quem escreveu P (S)? Como Esra consegiu  esta Torá inteira?( p197)

          A tenda é a chave para buscaar o autor da fonte P (S),ela cabe dentro do Templo. Moisés construiu a tenda no deserto para guardar a arca da aliança, na fonte E três vezes mencionada, na fonte J e D nunca, em P mais de duzentos vezes.  Muitos cientistas acham que a tenda é uma invença do secundo Templo e não existia, porque para eles a tenda foi uma ficção do secundo templo. seria o 2. Templo.

          Porém, Jeremias e Hezeqiel conheciam P.  Em 1 Rs 8,4; se diz: ¨Levaram a arca de Javé, a tenda da reunião e todos os objetos sagrados que se achavam na tenda¨. Salmo 26,8: ¨Javé, amo a casa onde resides e o lugar onde habita a tua glória¨ ( TEB). Coreto seria: o lugar da tenda da tua glória. (Sl 27,5;)  O autor devia viver e escrever antes ¨Puseram fogo em teu santuário, derrubaram e profanaram a tenda do teu nome¨ (Sl 74,7; ) ( p 230) 

        Quem esscreveu  P (S) ?

          Esta pessoa foi um sacerdote aaronita, veio de Judá / Jerusalém, conhecia a prática sacerdotal, viveu e escreveu  antes da destruição de Jerusalém 587. Os Aaronitas foram os sacerdotes em Jerusalém, Aaron foi o  primeiro sumo sacerdote em Israel,  Após 722 vieram os fugitivos de israel com a sua tradição  J / E, que desprezaram os Aaronitas.

          P (S) foi escrito como alternaativa a P e E. Em JE se diz: Javé falou a Moisés, em P: Javé falou a Moisés e Aaron. Em P não existiram sacrifícios antes do sumo sacerdote Aaron. A palavra ¨profeta¨ só uma vez aparece em relação a Aaron. Na revolta em Num 16  J/E justifica-se Moisés, em P Aaron. 

        Em P não se encontra misericórdia , graça, fidelidade, arrepender-se como em J/E. Em P Deus é justo e exge sacrifícios para a reconciliação.

        P  omite muitas contas de J/E: J/E conta a história de José em 10 capitulos, P só alguns  frases. P recusou sonhos, anjos etc de J/E.  A serpente que fala a Eva não aparece. Importante é a criação, a aliança com Noé, a aliança com Abraão.

       Jeremias e o Deuteromista conheciam a fonte P (S)  Jeremias em  8,8; fala: ¨Mas esta Torá se tornou-se uma lei fälsa ¨. Jeremijas  pensa na Torá sacerdotal.  P foi escrito entre722 e 609. Conforme 2 Cr 31,2; Ezequias  estabeleceu as classes dos sacerdotes e dos levitas¨. D fala dos sacerdotes, dos levitas, P de dois grupos, sacerdotes e levitas. O sacerdócio aaronita que criou a fonte P,  tinha inimigos, os levitas. O rei Ezequias foi um rei ideal para os sacerdotes aaronitas, para D o Josias é o ideal. Nos Crónicos Salomão e Ezequias apoiaram os Aaronitas,, deixaram fora o negativo de Ezequias. O domínio de Ezequias começou com a derrota de Israel no Norte, o major desafio para os acerdotes aaronitas em Jerusalém qie Ezequias apoiou. O nome do autor de P fica desconhecido, ele pertence ao sacerdócio aaronita, as contas são de uma pessoa, as leis podem ser de diferentes fontes. O autor concebeu sua obra como alternativa à fonte J / E.  Quem uniu as duas fontes? ( p 248)

      A união de J /E, P e Drt, o redator Esdras

      P era polêmico e se dirigiu contra J / E  que desprezou Aarão.  P desprezou Moisés. Em J / E se fala, cada levita pode ser sacerdotes, P só descendentes de Aarão. D foi contra P. Agora alguém uniu estas  fontes.               O redator foi um dos saserdotes aaronitas. Ele começãou os quatro partes daa sua obra com contas de P. Ele usou documentos sacerdotais, o livros das genealogias. Ele adicionou próprioss  textos no estilo de P.

     O autor de P é diferente do redator.  No tempo do secundo templo os sacerdotes aaronitas tinham o poder,  Esdras foi um deles. Na Bíblia duas pessoas são legisladores: Moisés e Esdras. No tempo de Esdras se pensou, que todas as fontes são de Moisés. Por isso foi necessário, unir todas estas fontes.( p 287)

                                 c) A História de Israel:

Abrão de Ur, Mesopotâmia, nos tempos remotos

Estandarte de Ur



Apos a criação, dilúvio e torre de Babél ficamos sabendo dos nossos pais: Térah, pai de Abrão que “serviam a outros deuses”,Abrão sai de Mesopotâmia para Canaã. (Josué 24) Isaac, seu filho. Abraão será o protótipo do homem que tem fé em Deus.  Jacó com os doze filhos sai para o Egito.

A memória de Abraão fica viva na história do povo de Israel. Várias épocas elaboraram o texto final. (Milton Schwantes: Deus vê, Deus ouve! Gênesis 12 – 25 São Leopoldo, Oikos  2009)
Nós estamos em Judá: o tema é Mesopotâmia - Canaã – Egito. As historias do êxodo sob Moisés conformam o pano de fundo, aqui a libertação de Sarai do pressão faraônica.
Nos filhos reavive o pai Abrão, ele prefigura a identidade de Judá. Central é a questão da família e da terra. “Serão benditos em ti todas as famílias da roça” (12,3)
Abraão atravessou a terra até Siquém, Betel, Ai e deslocou-se para o Négueb. Por causa de fome ele desceu para Egito. Existem dois conflitos: a prepotência dos soberanos e a submissão da mulher ao homem.
   



1.    O tempo do exílio em torno de 1250 a.C.                                                                               
Acontece o êxodo por Moisés em torno de 1250 a.C. O Deus dos pais revela seu nome “Javé” que significa: “Eu estarei com você  (Moisés)  ou vocês.” Os sacerdotes interpretam no exílio: “Eu estarei como Eu estarei” (Ex. 6,3) para destacar a soberania de Javé (JHWH).

2. O tempo das tribos de Israel

Segue a entrada na terra prometida e tomada da posse (Josué, Juízes. Estes livro já pertencem aos livros proféticos É o tempo ideal com famílias, clãs, tribos, anciãos, Javé é o rei. O NT se refere não ao povo, mas às tribos começando com o número  Doze.

3.    A fundação da realeza c.1040 – c. 930 a.C.

            As tribos querem um rei, eles rejeitaram Javé, mas Javé deixa-os agir conforme a vontade deles.(1Sm 8).

 Saul o primeiro rei. Os anciãos de Israel pedem um rei. Rejeitam a Javé, o verdadeiro rei de Israel, um rei justo, enquanto os reis em Israel praticarão injustiça (1 Sm 8)  Uma informação sobre seu reino encontramos 1 Sm 14, 47 -48;  sua rejeição 1 Sm 15, 27 -35.

             David reina de 1010 – 972. Ele é marcado por duas grandes fugas: primeiro ele foge do rei Saul (1 Sm 26), sempre respeitando a vida dele e lamentando a morte de Saul e de Jônatan (2 Sm 1,17 – 27). David tinha 30 anos, quando se tornou rei, reinou em Hebron sobre Judá 7 anos e em Jerusalém sobre todo Israel e Juda ( 2 Sm 5, 1-10) 33 anos. Ele conquistou a cidade dos Jebusitas, Jerusalém, por um canal que forneceu água para a cidade. Ele recebe a promessa: “Tua casa e tua realeza serão para sempre estáveis diante de mim” (2 Sm 7,16).

Salomão rei de Judá e Israel c. 972 – 933. Foi elogiado por sua sabedoria, chamado pai da sabedoria. Historiadores vêem na base destas alusões um grande movimento literário durante o reinado de Salomão e já de David. Salomão construiu o primeiro templo (1 Rs ,6), símbolo do poder real, Javé mora nos céus, aumentou  sua riqueza, amou numerosas mulheres estrangeiras. Suas mulheres desviaram-lhe o coração (1 Rs 11). Seus gastos  diários foram imensos (1Rs 5,1-8) às custas do povo.



4. O REINO DO NORTE   933 – 722


Sob o reino de Roboão, filho e Salomão, aconteceu o cisma religioso e politico, as tribos de norte se separaram de Juda e Jerusalém. O rei deles, Jeroboão, deixou fazer dois bezerros de ouro, um em Betel, outro em Dan (1 Rs 12,28) para o povo não subir para o templo em Jerusalém.  Samaria foi a capital, o reino ficou muito rico e poderoso.
É o tempo dos profetas Elias, Eliseu, Amos, Oséias.
Assur com a capital de Ninive foi a grande ameaça para o Reino de Norte, Israel. Salmanar III
 858 – 824 a.C. consegui conquistar Damasco. Em 734 a.C. a metade do reino de Israel tornou-se uma província assíria sob  Tiglat Pileser ( 2 Rs 15,29), enquanto Judá tinha de pagar tributos ( Is. 7,10-14). Salmanasar V ( 727-721) destruiu Samaria em 722, a maior parte da população foi deportada.( 2 Rs 17).
            Sanherib ( 704-681) bloqueou Judá e Jerusalém, mas não conseguiu conquistar Jerusalém (Is.10,28-32). Tempos depois os Babilônios derrotam os Assírios. Reflexões sobre as causas das ruínas do reino do Norte 2Rs 17,7.
                                                      
5.    O REINO DO SUL  933 – 586

 Descoberta do Livro “Sepher hattorah” a “Guia no caminho”.
O livro foi encontrado no tempo do rei Josias 640 – 609 a.C que começou seu reinado com 8 anos.  (Jer 22,15-19) “Encontrei na casa de Javé o Livro Sepher Háttorah 2 Reis 22,8. Quem depositou este livro no templo, não sabemos. Provavelmente depois da  destruição da Samaria e do Reino do Norte 722 a.C os Levitas pobres fugiram dos santuários de Israel para o Sul levando consigo as grandes idéias dos profetas do Norte  (Elias, Eliseu e Oséias e Amós). Talvez eles já transformaram estas idéias dos profetas em concretas leis e estatutos e mandamentos para a vida da sociedade. A profetisa Hulda adverte 2 Rs 22, 14.
Josias inaugurou uma reforma em Judá e Israel, “demoliu as casas dos prostitutos sagrados que se achavam na casa de Javé, onde as mulheres teciam vestes para Aserá” 2 Reis 23,7: Josias “derrubou os ‘camarins’ dos hierodulos que estavam no templo de Javé, onde as mulheres teciam ‘dosséis’ para a (deusa) Aserá” veja também 2 Reis 21,3. O verbo “tecer” remete indubitavelmente a tecidos. Por isso alguns traduzem battim por “vestidos”. Neste caso devia tratar-se de vestidos feitos para a estátua de Aserá, uma prática atestada nos outros textos sobre as estátuas dos Deuses.
Josias destruiu todos os altares e santuários no país e centralizou o culto no templo de Jerusalém, um só Deus e um só Santuário, Contrario ao costume de celebrar a Páscoa nas famílias ele centralizou a festa da Páscoa em Jerusalém (23,21-23). Assim ele praticou o Livro da Guia. No ano 609 o Rei Josias morreu.


 6.. O EXÍLIO EM BABILÔNIA 597 - 538

Os Babilônios só exilaram a elite de Jerusalém, mas deixaram o povo pobre na terra, (Jeremias 39,1-10 e Sofonias 3,11-5.11-13) e não organizaram uma nova elite. Na terra ficou uma larga massa de povo, um conjunto de camponeses sem organização.
Os capítulos 40-45 de Jeremias descrevem a situação daqueles que ficaram no país. As Lamentações (Eiká - Como? Oh!) mostram a dor e a necessidade do resto de Israel, as primeiras duas sob os traços de uma viúva, a 3ª destaca um homem, pode ser uma representação do povo inteiro. Todos os poemas datam antes do fim do exílio.
Pessoa importante neste tempo é Ezequiel, em 597 exilado para Babilônia, ele morreu 565 a.C. A atividade dele se desenrolou numa cidade Tel-Abib, 24.  Ele foi sacerdote, mas assumiu o papel de profeta. Ele conhece o cerco de Jerusalém em 589, Julho-Agosto 587 chegou a notícia: “A cidade caiu.” ( 33,21-33)..
Os exilados de Jerusalém podiam admirar Babilônia, esta grande cidade, situada no rio Eufrates: largas estradas, a estrada da procissão com o portal da deusa Ischtar, as imagens dos deuses, os “ídolos”, os palácios com as “hortas penduradas”. Eles podiam construir casas, exercer profissões, ser comerciantes, subir até altas funções do Estado. Como sobreviver nos buracos de Babilônia?  Não seriam os deuses dos Babilônios mais fortes do que Javé?
           O profeta Deutero-Isaías (550-539) esclarece a nova situação: o perigo não é mais o Baalismo de Canaã, mas os deuses de Babilônia. .Javé é o único Deus. Ele anuncia um novo êxodo, realizado pelo rei Persa. Javé que formou Israel vai resgatar este povo, ele é santo. Dt e Isaías fala sempre de Jacó e de Israel.
Israel e Judá tinham perdido tudo: os símbolos do povo: rei, templo, terra, o estado, a unidade da nação acabou. Os judeus foram pessoas individuais, espalhados no mundo inteiro. Agora se fala do Judaísmo.
A lei tinha a função para defender e proteger a vida dos mais fracos. A salvação era comunitária e a justiça relacionada à partilha com os pobres. Agora no exílio a salvação torna-se um conceito individual (cf. Ez 14,12-28; 18,1-32; 33,10-20). Abandona-se a preocupação com a comunidade baseada em relações de justiça e cresce a importância de ser individualmente justo, cumprindo as leis.
            Mas Ezequiel promete ainda a volta dos exilados para o solo: “Habitareis a terra que dei aos vossos pais, sereis para mim um povo e eu serei para vós Deus” (Ez 36, 23-28).

 7..O IMPÉRIO DOS PERSAS 538 -331

 Ciro, o fundador do Império Persa, conquistava Ekbatana, capital dos Medos, em 550 e Babilônia em 539. Ele conseguiu entrar na cidade sem combate e sem destruir nada, foi saudado como libertador. Ciro, um imperador tolerante deixou a cidade como era e queria um império onde cada nação podia guardar sua cultura e religião.  Os presos da Babilônia podiam voltar para sua pátria.
          A  província Persa de Yehud (Judá) é uma terra reduzida à sua expressão mínima, com um povo empobrecido, oprimido, exausto pelo tributo ao império. O povo “Israel” não existe mais.
            É uma perspectiva falsa, que dominou a exegese e a história bíblica, sustentar que houve uma volta de todos os exilados do exílio, isto bloqueou a leitura de temas essenciais dos livros proféticos. O edito de Ciro não é um documento Persa, mas um texto teológico do grupo sacerdotal judeu. Não fala da repatriação dos exilados, mas exorta aqueles voltar que quiserem colaborar na reconstrução do templo. A reconstrução do templo era uma demonstração do poder dos Persas.
            Na realidade, o exílio da Babilônia foi se transformando numa situação de diáspora (dispersos pelo mundo inteiro) generalizada.  Os autores do Pentateuco deram a sua forma atual no momento da dispersão de Israel por todas as nações e ilhas do mundo, então conhecido. Como Abraão de “Ur dos Caldeus” e os hebreus do Egito conseguiram a terra no seu tempo assim agora os dispersos podem ganhar a terra.
            Estudos literários sobre os profetas (Severino Croatto Ribla 35/36/37) mostram que o Pentateuco como os livros proféticos encontram sua última redação nos tempos do Império Persa.

            A Construção do Segundo Templo:

A política dos Persas reconhecia o culto próprio dos povos que foram incorporados no Império. O edito sobre Jerusalém (Esd 6, 3-5) não foi assim um privilégio para os Judeus, mas a aplicação da política geral. O templo será uma chave importante para entender o Judaísmo pós-exílio. Judá será uma zona autônoma do Império, criada em torno do templo e governada pelo sacerdote sadoquita até 175.
Um primeiro grupo voltou sobre a direção do governador Sheshbasar: Esdras 1,1-11. A viagem de volta demorou de 4 a 6 meses, mais ou menos 1.400 km. Seguem outros grupos com o sumo sacerdote Josué e Zorobabel, pretendente ao trono de David, delegados do poder Persa: Esdras 2,1-2.
            Já no ano 538 foi constituído um altar (Esd. 3,1-4) e começou a fundação do Templo.
            Após anos da interrupção recomeça em 520 a reconstrução do templo. Ageu renova o zelo por uma casa digna de Javé, Agosto até Dezembro 520. Zacarias 520-518 (capítulo 1-8) anima também o povo para a construção, parece ser chefe da família sacerdotal de Idó e mostra a mentalidade sacerdotal falando em jejum, pureza e santidade da terra. Já 515 celebraram a dedicação do templo de Deus (Esd 6,16-18), logo depois eles celebram a Páscoa. O terceiro Isaías critica a construção do templo (66,1). Javé olha os abatidos no espírito.O universo é a casa de Deus (Is.66). O templo será o domínio dos sacerdotes em vez dos reis.

       Neemias, funcionário do rei Persa:

Judá estava situada entre Síria e Egito que ameaçavam o império Persa. Precisava reforçar Judá para manter um território fiel ao império, Neemias foi funcionário na corte do rei persa Artaschastra (465-423?) e enviado para Judá. Ele fundou a autonomia de Judá, um território de 2.500 km quadrados com uma população de 50 a 60 mil habitantes: os pobres da terra, estrangeiros e os repatriados de Babilônia. Ele deixa reconstruir o muro de Jerusalém com muitos sacrifícios e ataques pelos vizinhos (Ne 4). A situação econômica tinha piorado, porque os Persas exigiram muitos tributos. Quem sofreu foi o pequeno agricultor, que devia vender os filhos e as filhas como escravos (Ne. 5,1-5) em conseqüência se estabeleceu uma classe dominante rica.
Mas Neemias pratica o Deuteronômio, a República da Torá, ele pede aos funcionários e ricos para perdoar as dívidas do pobre (Ne 5,6-11), para criar igualdade entre irmãos (Ne 5,14-19). Os capítulos 8 e 9 de Neemias constituem o  judaísmo com o elemento da sinagoga sem sacrifícios e templo.

Esdras (Esd 7), um escriba na Lei,

           Ele foi encarregado de uma missão oficial pelo rei da Pérsia Artaschastra, ele é competente na lei do “Deus do céu”. Na tradição rabínica Esdras é um novo Moisés
Provavelmente Esdras chega a Jerusalém tempos depois de Neemias, Esdras empreende uma reforma radical por causa do grande número de casamentos entre judeus e pagãos. Este sacerdote aparece no capitulo 7 de Esdras, e de repente 8 e 9 de Neemias. Esdras 10 afastamento das mulheres estrangeiras.  Neemias 13,23-29
 Provavelmente no ano 398 foi celebrada a festa das Tendas, ou cabanas ou sukot, lembra o tempo de Josué quando ele fez aliança com o povo. Aconteceu uma promulgação solene da Torá por Esdras, o novo Moisés, em Jerusalém (Esdras 7 e Neemias 8). Jerusalém será o centro religioso do Judaísmo para todas as comunidades no mundo.
A praça que fica em frente à porta das Águas: lembra da rocha onde Moisés tirou água. Não os sacerdotes e o templo, mas o povo e o campo estão no centro da celebração.
Esdras (sacerdote e escriba) leu o livro de Moisés (talvez o redator quisesse destacar o papel do sacerdote por isso chama Esdras também sacerdote): Este livro da lei de Moisés poderia ser total ou em parte, o Pentateuco atual, a primeira parte da Bíblia hebraica que na época de Esdras e Neemias talvez já constituísse a Torá, cuja autoridade para o judaísmo se aumentará cada vez mais no decurso dos séculos subsequentes, Esdras o sacerdote e escriba, e os Levitas disseram a todo povo: “Este dia é consagrado a Javé, a alegria de Javé será a vossa força”. Após a leitura segue uma oração que reflete a história do povo até hoje.
A Torá, tradicionalmente transmitida oralmente do pai para o filho, se converte agora em Lei de Estado por escrito. Como Lei da província é obrigatória para todos os Judeus, seja em Jerusalém, ou seja, na diáspora. O templo em Jerusalém é o lugar de Javé, mas o que unifica todos os Judeus na diáspora é a Torá  escrita. Mas o centro da sociedade é a família que conserva as antigas tradições e educa para a sabedoria. O sábado, a circuncisão e as normas de alimentação são constitutivas para o Judaísmo.

8.     O Império  grego 331 – 63 a.C.

  Alexandre Grande de Macedônia, educado por Aristóteles, tinha 22 anos quando conquistou o mundo dos Persas, em 332 ele ocupou a Palestina. Suas conquistas: Ásia menor, Síria, Egito, Pérsia até a Índia. No Egito ele fundou a cidade Alexandria, um centro de arte e ciência, um refúgio para os judeus e mais tarde para os cristãos. Com 33 anos Alexandre morreu na Babilônia. Seu império foi dividido entre os Lágidas ou Ptolomeus no Egito e os Selêucidas na Síria e Babilônia. 300 a.C. foi fundada a capital da Síria, chamada Antioquia.














                
            O confronto com a nova política em Jerusalém:
Um só Imperador, um só deus, uma só cultura foi o lema da política grega: O Império dos Selêucidas  exige um só culto, uma só religião.1  Mc 1,41 relata: O rei Antíoco IV Epífanes ordenou que em todo seu reino todos os seus povos formassem um único povo e renunciassem aos seus costumes, todas as nações se conformassem às prescrições do rei.
Nabucodonosor mandou fazer uma estátua de ouro, todo o mundo devia adorar esta estátua, “ Há judeus, que não adoram teu Deus” (Dn. 3, 12), pode se pensar em Epifanes. Para os judeus fieis só existe Javé. A resistência contra esta nova política começa  no livro de Jó, no Qoélet, no livro de Daniel e Ester.
Nos anos 150 Jerusalém é uma cidade grega com costumes e cultos gregos. O camponês ficou pobre: o que ele produzia era insignificante para o mercado grego. Mesmo oprimido o camponês ficou tranqüilo. Mas isto mudou quando a aristocracia sacerdotal de Jerusalém começou uma dura disputa pelo controle do mercado da cidade.
O rei Antíoco IV Epífanes (167 a.C.) tomou partido pelo grupo helenizante e quis ficar com o ouro do templo para pagar uma dívida aos romanos. A intervenção de Antíoco foi violenta e descabida (1Mc 1,20-64). O ponto culminante aconteceu quando Antíoco colocou sobre o altar dos holocaustos a estátua de deus Zeus: “a Abominação da Desolação” no ano 167 (1 Mc. 1.54).

Começou a revolta dos Macabeus com o sacerdote Matatias, cujo avô se chamava Asmoneu. Em 164 o templo foi reconquistado e purificado (festa da dedicação). Os sacerdotes sadoquitas deviam partilhar o poder com uma nova elite: com os Hasmoneus e mais tarde com os Herodianos. O título do sumo sacerdote foi sempre comprado, os sacerdotes serviam como a agência do Império. Os Macabeus com a ajuda de Roma ganham a independência dos Sírios 142 – 64, na chamada dinastia dos Asmoneus. Os Hasmoneus juntam o poder real com a função de sumo sacerdote. O grupo dos fariseus não concordava com esta política.
Neste tempo se retiraram judeus religiosos, os “Essênios”, para o deserto, “Áraba”, rejeitando o comportamento dos sacerdotes no templo.

Os Escritos:
Quando a Bíblia foi traduzida na língua grega, ainda não tinha a divisão em três partes. A Septuaginta inseriu alguns livros nos livros históricos (Rute) ou proféticos (Daniel).  A igreja seguiu a ordem da LXX. A divisão da Bíblia em três partes foi pela primeira vez mencionada no livro Sirácida (38, 34b-39,1.) no ano 190 a.C. Os Atos conhecem a Lei de Moisés, os Profetas e os Salmos
A LXX é só testemunhada pelos autores cristãos. Mudou a seqüência dos livros: os livros dos primeiros profetas são agora os livros históricos, inserindo Rute, Crônicos, Esdras, Neemias, Ester. Seguem os livros de sabedoria com Jó, Salmos, Qoélet, Cânticos. Seguem os profetas com Daniel. A LXX inclui livros deutero-canônicos como o livro de Eclesiástico (Sirácida).

9.     O Império Romano 63. a.C.  
    















Os Romanos se aproveitaram dos Judeus para apaziguar a Síria. No ano 64 Pompeu
rebaixa a Síria e em 63 as.C. ele toma Jerusalém. Assim acabaram as pretensões dos
Macabeus. No ano 50 existe um clima de conflito: Hircano II é sumo sacerdote, Mas Antipater (idumeu) dirige o pais. No ano 37 Herodes Magno, filho de Antipater, toma Jerusalém e reina como vassalo de Roma até 4 a.C.

. Os Romanos exerceram seu domínio de forma direta pelos procuradores como Pilatos ou indiretamente através rei vassalos como Herodes. O povo percebe que é “tomado e governado por outros”. “Estar possuído pelo demônio” é uma sensação freqüente. Em Jerusalém mandam os sacerdotes, vassalos do procurador Romano. Os escribas interpretam as Leis, enquanto os fariseus as observam.
 Em Galileia na “região das nações” moram judeus, gregos, veterinários romanos, estrangeiros numa região sombria da morte (Mt 4,12).
            O Imperador Romano foi juiz supremo, sacerdote e beligerante, mantinha o poder absoluto como o “pater famílias”. No Império domina a hierarquia: o imperador se chama “Pai da Pátria’. Em casa o pai manda em seus clientes: todos os moradores da casa são subordinados ao pai. O poder do pai abrange o direito sobre vida e morte da mulher, das crianças, dos clientes. Casar significa introduzir para a maternidade (matrimônio), quer dizer a mulher serve para a criação. Só tinham escribas, poeta é uma palavra grega.

     O culto ao Imperador Romano na Ásia menor: 
           A Ásia menor foi berço e centro do culto ao imperador. A ideologia do império culmina na paz dos deuses, no imperador: “Senhor e Deus”. Para as comunidades é o diabo que busca a quem devorar. O Apocalipse conta a  derrota do Império Romano e mostra um mundo novo.
O imperador Augusto 29 a.C. concordou na edificação de uma estátua sua para ser venerada, o culto a Augusto era o mais antigo culto imperial romano na Ásia. Tibério (14-37 d.C.) não aceitou honras divinas, Calígula (37-41) exigiu ser tratado como um deus. Nem Cláudio (41-54) nem Nero (54-68) foram oficialmente aceitos entre os deuses, enquanto na vida. Vespasiano (69-79) retomou as formas do culto do imperador, somente um imperador divinizado após a morte tornava-se um dos deuses do império. Domiciano (81-96) exigiu ser chamado “Senhor e Deus”. O culto ao imperador não só era celebrado nos templos, mas também em outros espaços públicos. Era uma expressão de lealdade ao império. Entre os anos 1 d.C. até 150 mais de 140 templos foram construídos na Ásia menor.

O tempo após a  destruição do Templo no ano 70 d.C.
A grande pergunta dos sobreviventes de Jerusalém foi a seguinte: Porque a destruição do templo e da cidade? Eles responderam: foi a nossa infidelidade a Torá, Jerusalém foi destruída porque estava cheia de ódio. Agora: como ganhamos agora a expiação dos nossos pecados, se não tem mais sacerdotes nem templo nem sacrifícios? Os Rabinos responderam: Ler a Ta-Na-K, Bíblia, celebrar nas sinagogas o Sábado, sentar-se na mesa familiar e praticar o amor e a misericórdia. Os sobreviventes podiam tomar como exemplo a rica vivência da gente na diáspora como mostra o livro de Tobit.
Nos anos 200 foi escrito a Mischna, um comentário da Biblia, nos anos 450 o Talmud  Palestine e nos anos 500 foi composto o Talmud Babilônico, que tem a maior autoridade para os judeus.

   b).  As diferentes fontes da Torá:


                           Who wrote te Bible? Quem escreveu a Bíblia? 

                     Richard Elliott Friedmann  Anaconda Verlag 1987

1.      O mundo, onde surgiu a Bíblia 1200-722 a.Cr.

              A religião de Canaã foi uma religião da natureza. O Deus supremo foi EL, que foi masculino, patriarqual, dominante, no conselho dos deuses mandou ( cf. Sl 82 e Jó 1,6).

             No primeiro tempo Israel  foi orientado por 12 tribos com os Levitas. Havia juízes e sacerdotes. O rei David uniu as tribos, mudou de Hebron para Jerusalém, denominou dois sacerdotes: Abjathar do Norte e  Zadok do Sul para unir seu reino. Salomão preferiu o Sul em detrimento do Norte. Seu filho, Rehabeam, continuou a preferência do Sul.  O  Norte  revoltou e Jerobeam foi eleito rei do Norte. O reino de David se separou.

             O templo, a arca da aliança e o sumo sacerdote ficaram em Jerusalém. Para evitar a peregrinação para Jerusalém Jerobeam  criou uma nova versão da religião,  um novo centro, novas festa e símbolos. O novo símbolo foram dois bezerros, identificados com EL dos Canaaitas. um em Bet-El, outro em Dan.  No templo (27 m por 9 m) havia dois Cherubins, pedestal de Javé. Os bezerros foram o pedestal para Javé, identificado com EL. Os sacerdotes de Silo foram excluídos por Jerobeam. Nos dois estados viviam dois autores da Bíblia: (p 41

 J e E:  Javé em Judá,  El em Israel

              A fonte E tinha uma  peça dubla, chamada P (ou S) com relatos sobre sacerdotes, sacrifícios, pureza, datas, números e medidas (cf. Gn  6,5-8,22;)

            O autor E se interessa pela política de Jerobeam em Israel e das cidades do Norte, destaca o papel de Moisés, não  o papel dos patriarquas como em J. E ataca o sacerdócio do Norte e do Sul,  É uma polémica, apresentar o bezerro como Deus. Para E a tenda é símbolo da presença de Deus, ligado a Silo no Norte., não aparece em J, a Arca da Aliança não aparece em E.

           O autor de E é um sacerdote de Siló que considerou talvez como antepassado. Ele destaca a aliança no Horéb, mas não a aliança com Abraão. Em E Deus é sempre chamado El  até o chamado de Moisés  (Ex 3,4).  O autor de E foi com certeza um homem, entre 922 – 722. O autor de J, escreveu  entre 848 – 722.  Nas  contas há muitos traços femininos (p 64).

2.      O mundo da Bíblia 722 – 587 

             Com a destruição de Israel 722 afundou o mundo que J e E criou. Os descendentes de David ficaram vasallos dos Assirios e Babilônios. O rei Ezequias (2 Rs 18) governou de 715 até 687 em Judá, anulou os ¨lugares altos¨e centralizou o templo. No mundo bíblico os sacrificios serviam para a comida. Quem come carne, destrói a vida, mas isto foi um ato sagrado, o animal (não peixes e frangos) deviam sacrificados no altar pelos sacerdotes, agora no templo.

          Na política Ezequias recusou o domínio dos Assirios, os Assírios conquistaram muitas cidades e cercaram Jerusalém, mas não conseguiram conquistar a cidade. Ezequias tinha mandado de construir um túnel para fornecer água. O filho e neto dele restauraram o culto de outros deuses no templo e os lugares altos.

       Josias voltou à prática de Ezequias: destruição dos lugares altos e centralização do Templo. 622 veio a notícia que o sacerdote Hiquiáhu encontrou um livro da Torá (2 Rs 22,8). Josias tinha lutado contra Assur e Egito, o que significava, estar ao lado dos Babilônios. Jeremias falou bem de Osias (Jr 22,15). Após a morte de Josias  governaram três filhos e um neto. Nabucodonosor  mandou degolar os filhos do rei Sedecias vazou os olhos dele (Jr 39,6). 587 destruição de Jerusalém.  Neste tempo um autor escreveu a história do seu povo a partir de Moisés.  (p  116)

           Deuteronômio D e a obra do deuteronomista Dtr 1 e 2

           O que o sacerdote Hilquiáhu  no ano 622 encontrou foi o Deuteronômio  (¨Falas de Moisés¨), mas não é de Moisés e sim de Hilquiáhu. Mas há uma relação especial com os livros Josué, juízes, Samuel e Reis. O autor escreveu de tal modo as leis do Deuteronômista para que servirem para todos os reis: o que é bom, o que é ruim nos olhos de Javé. Uma primeira edição da História deuteronomista foi um homem que vivia no tempo de Josias, a secunda edição ajunta os acontecimentos depois da queda dos reis.

           D  Cap.12 até 26 contem o código das Leis, preceitos e costumes, são um ensino de exortações, , apelos e advertências, se referem a costumes antes dos reis. Interesse especial tem os Levitas. O autor de D se deixa provavelmente encontrar entre os levitas e não entre o pessoal do rei.

          A pessoa que escreveu as leis vem dos sacerdotes de Silo, só os levitas são verdadeiros sacerdotes, o povo deve cuidar deles, eles reconheceram um rei, porque o líder deles, Samuel, chamou e ungiu os primeiros dois reis.

         Dtr 1  O deuteronomista pegou o código das Leis e escreveu uma introdução (D 1-11) , depois colocou o códex e terminou com bênçãos e maldições ((Dt 27-28). Ele entrega tudo aos levitas. O autor estava ligado com os sacerdotes de Silo. O Josias foi o herói do autor, Josias  reparou a injustiça, que os levitas sofreram durante 300 anos.                                                                                            Jeremias:  Ele admira Josias, estava associado  com aqueles que mexeram com a Torá, quatro vezes ele menciona Silo. Jeremia é sacerdote, mas nunca ofereceu sacrifícios. O livro de Jeremijas tem a mesma linguagem como Dtr.  D e E se completam.

         Dtr 2  O autor exilado completou a história, vivendo no exílio após a destruição de Jerusalém e das prometas de Javé. .(Dt 4,26; 4,27; 28,63; 28,64; 30,18). O povo, libertado do Egito, volta a Egito. Jeremias é o autor: durante o domínio de Josias ele estava em Jerusalém,  mais tarde  no Egito (Jr 42), Jeremjas, o profeta e Baruc, o escritor ou coloborador, são os autores. Um sigilo em argila diz: ¨propriedade de Baruc, filho de Nerias, escrevente¨.(p 154)

3. O mundo da Bíblia 587 – 400 a.Cr.

         Nos livros históricos da Bíblia se encontra pouca coisa sobre os exilados. A religião de Judá não combinou com a religião dos povos. O Salmo 137 mostra a situação dos exilados, que sofrem sob os Babilónios e também dos Edomitas. Javé é um deus nacional ou universal? Como adorar Javé sem Templo? Quem lidera o povo sem reis? Os sacerdotes tinha perdido sua influência porque não tinha mais sacrifícios.

        538 venceram os Persas os Babilônios. Os exilados podiam voltar. O II templo foi reconstruido e 516 consagrado. O sacerdócio aaronita ganhou a influencia. 458 voltou Esra, um sacerdote aaronita  com a Torá de Moisés e a ordem de Atarxexes de realizar a lei de Moisés.  Textos de Esra e Nehemias continham material de P.  a Torá de Moisés continha todas as fontes, J, E,  D e P.  Quem escreveu P (S)? Como Esra consegui  esta Torá inteira?( p197)

          A tenda é a chave para buscar o autor da fonte P (S),ela cabe dentro do Templo. Moisés construiu a tenda no deserto para guardar a arca da aliança, na fonte E três vezes mencionada, na fonte J e D nunca, em P mais de duzentos vezes.  Muitos cientistas acham que a tenda é uma invenção do secundo Templo e não existia, porque para eles a tenda foi uma ficção do secundo templo. seria o 2. Templo.

          Porém, Jeremias e Hezeqiel conheciam P.  Em 1 Rs 8,4; se diz: ¨Levaram a arca de Javé, a tenda da reunião e todos os objetos sagrados que se achavam na tenda¨. Salmo 26,8: ¨Javé, amo a casa onde resides e o lugar onde habita a tua glória¨ ( TEB). Coreto seria: o lugar da tenda da tua glória. (Sl 27,5;)  O autor devia viver e escrever antes ¨Puseram fogo em teu santuário, derrubaram e profanaram a tenda do teu nome¨ (Sl 74,7; ) ( p 230) 

        Quem esscreveu  P (S) ?

          Esta pessoa foi um sacerdote aaronita, veio de Judá / Jerusalém, conhecia a prática sacerdotal, viveu e escreveu  antes da destruição de Jerusalém 587. Os Aaronitas foram os sacerdotes em Jerusalém, Aaron foi o  primeiro sumo sacerdote em Israel,  Após 722 vieram os fugitivos de Israel com a sua tradição  J / E, que desprezaram os Aaronitas

          P (S) foi escrito como alternaativa a P e E. Em JE se diz: Javé falou a Moisés, em P: Javé falou a Moisés e Aaron. Em P não existiram sacrifícios antes do sumo sacerdote Aaron. A palavra ¨profeta¨ só uma vez aparece em relação a Aaron. Na revolta em Num 16  J/E justifica-se Moisés, em P Aaron. 

        Em P não se encontra misericórdia , graça, fidelidade, arrepender-se como em J/E. Em P Deus é justo e exige sacrifícios para a reconciliação.

        P  omite muitas contas de J/E: J/E conta a história de José em 10 capítulos, P só alguns  frases. P recusou sonhos, anjos etc de J/E.  A serpente que fala a Eva não aparece. Importante é a criação, a aliança com Noé, a aliança com Abraão.

       Jeremias e o Deuteromista conheciam a fonte P (S)  Jeremias em  8,8; fala: ¨Mas esta Torá se tornou-se uma lei fälsa ¨. Jeremijas  pensa na Torá sacerdotal.  P foi escrito entre722 e 609. Conforme 2 Cr 31,2; Ezequias  estabeleceu as classes dos sacerdotes e dos levitas¨. D fala dos sacerdotes, dos levitas, P de dois grupos, sacerdotes e levitas. O sacerdócio aaronita que criou a fonte P,  tinha inimigos, os levitas. O rei Ezequias foi um rei ideal para os sacerdotes aaronitas, para D o Josias é o ideal. Nos Crónicos Salomão e Ezequias apoiaram os Aaronitas,, deixaram fora o negativo de Ezequias. O domínio de Ezequias começou com a derrota de Israel no Norte, o major desafio para os acerdotes aaronitas em Jerusalém qie Ezequias apoiou. O nome do autor de P fica desconhecido, ele pertence ao sacerdócio aaronita, as contas são de uma pessoa, as leis podem ser de diferentes fontes. O autor concebeu sua obra como alternativa à fonte J / E.  Quem uniu as duas fontes? ( p 248)

      A união de J /E, P e Drt, o redator Esdras

      P era polêmico e se dirigiu contra J / E  que desprezou Aarão.  P desprezou Moisés. Em J / E se fala, cada levita pode ser sacerdotes, P só descendentes de Aarão. D foi contra P. Agora alguém uniu estas  fontes.               O redator foi um dos saserdotes aaronitas. Ele começou os quatro partes da sua obra com contas de P. Ele usou documentos sacerdotais, o livros das genealogias. Ele adicionou próprioss  textos no estilo de P.

     O autor de P é diferente do redator.  No tempo do secundo templo os sacerdotes aaronitas tinham o poder,  Esdras foi um deles. Na Bíblia duas pessoas são legisladores: Moisés e Esdras. No tempo de Esdras se pensou, que todas as fontes são de Moisés. Por isso foi necessário, unir todas estas fontes.( p 287)


                                                        A TORÁ

A redação final  organizou a Torá de maneira seguinte:

                                                   Quadro  Exterior                                                                                                                                    
Gênesis: Início                                                                      Dt: Falas de Moisés                                                 
 Criação ,                                                                                               Guia para a  Terra prometida
Promessa a Abrão 12, 1-7                                                                    Javé deixa ver a terra 34, 1-4
Final 49, 50                                                                                            Final 33, 34
Benção de Jacó: 12 Filhos                                                                    Benção de Moisés: 12 Tribos
Morte de Jacó                                                                                        Morte de Moisés  
                                                                    Quadro Interior
Êxodo: Nomes                                                                        Números: No deserto

Páscoa 12                                                                                                Páscoa 09
Maná 16                                                                                                  Maná e Codornizes 11
Água 17                                                                                                   Águas da Rocha 20
Liderança 18                                                                                           Liderança 11
Idolatria 32                                                                                              Idolatria 25                                                                
        Centro

                                                                              Levítico “Ele chamou”

                                                                              Constituição de Israel como povo santo
                                                                           No meio dele se apresenta o santo Deus Javé
                                                                     Uma constituição para sempre.
 
 







A Torá foi separada dos primeiros profetas. Ao mesmo tempo os últimos profetas encontram sua redação final, caracterizados pelas promessas para o futuro após o desastre da destruição dos estados.  Em 398 a.C. aconteceu a promulgação da Torá por Esdras em Jerusalém.
 Esdras é o novo Moisés.

                     I  GÊNESIS


       1) a) Os primórdios segundo o Deuteronomista (D)  (Gn 2,4 -4;)

           Nesta narrativa o autor nos enfrenta com o ambiente rural, o campo, também o deserto, são tempos remotos. Os agricultores se perguntam como foi no início. Tinha sempre miséria?
  Deus modelou o Adão - a humanidade - do humo. Humo é um barro vermelho, que lembra também o sangue, t colocou o ser humano num jardim para cultivar o solo e o graduar. Mas não pode comer da arvore da vida e conhecimento, ou a morte está marcada. Porque não se encontra uma ajuda adequada, Deus dividiu a humanidade, tomando uma costela de Adão. O homem (isch) chamou a companheira humana (ischa). O essencial: O ser humano (Adão) tem liberdade.

A queda da humanidade:

Aparece a serpente, astuta mentindo: “Deus vos disse realmente: não comereis de todas as arvores? Sereis como deuses, possuindo o conhecimento, do que seja bom ou mau”. No Antigo Oriente a serpente é potência de fertilidade ou força política (Egito). A serpente (masculino) que ataca a gente é símbolo do estado, do rei como caçador, que tira o produto do pequeno agricultor. 

A mulher, mais experta do que o homem, viu a arvore: boa de comer, sedutora de se olhar, preciosa para agir com clarividência... Depois reconhecem que estavam nus: quer dizer reconhecem sua fraqueza, debilidade, caducidade, que vão morrer.
Aqui não se fala de pecado, nem de pecado original, mas da queda.
Paulo escreve aos Romanos: “porque todos pecaram“ (Rm 5,12), nesta carta a morte é conseqüência do pecado. Para Agostinho Adão ultrapassou os limites da sua liberdade, a morte seria a punição deste “pecado original”.
            Padres da igreja como Irineu e Maximo explicam assim: Adão foi como uma criança, colocado no paraíso, a fim de que pudesse crescer e se tornar adulto exercitando a própria liberdade. Mas ele foi enganado e agiu erradamente, aplicou erradamente a liberdade. Desde o princípio a criação se encontra em estado de mortalidade e espera a chegada do homem para superar a morte.
            (Joannis Zizioulas: A criação como Eucaristia)
.
 Aqui acontece a queda da humanidade, que não consegue ser semelhante a Deus.  Javé busca os perdidos, chama “Onde estás? O que fizeste?“ Ele amaldiçoa a serpente enganadora, porá hostilidade entre o poder masculino e a fraqueza feminina. Nesta luta desigual a descendência da mulher vai vencer. Já aqui Deus está ao lado do fraco e estará ao lado dele durante toda a história.
  As conseqüências da queda ou da fraqueza humana: dor e suor. Si o nosso texto alude ao tempo da exploração do rei Salomão, o problema não é o suor, mas o poder que tira o produto. A espada fulminante dos querubins que fecha a entrada para Éden seria a monarquia com seus soldados, que expulsam o pequeno agricultor.
           O Apocalipse conta a luta do dragão contra a mulher, aparecendo no céu (Ap 12), a mulher (Israel) vence o dragão, a antiga serpente.  As pessoas comem as frutas de todas as arvores. (Ap 22,3).

          Caim e Abel: O primeiro pecado
             Conta-se um mito, uma novela ou uma lenda, que interpreta a práxis social da lei da vingança de sangue (uma preventiva fundamental do delito e não só castigo). Era preciso procurar uma “origem” divina para esta lei, por isso é Javé quem a institui (Gn 4,15): se alguém matar Caim, será punido sete vezes.
             Caim, o agricultor, Abel: o pastor semi-nômado, mais fraco do que o agricultor. Caim com o rosto abatido, o pecado está pronto a saltar sobre o transeunte. “Mas tu, domina- o.” O irmão mais forte, mais velho, mata o irmão mais fraco, mais novo. O fratricídio vai se repetir durante toda a história. Mas Javé procura também Caim e protege-o.

1.b) A Criação segundo a fonte sacerdotal (S)                         (Gn 1, 1-2,4a) 


A elite de Jerusalém, entre ela os sacerdotes, se encontra no
Império Babilônico 587 a.C. num ambiente urbano com os Templos, os Deuses deles: Marduk, que luta contra as potências da morte, chamado Tiamat. A elite, os sacerdotes, veem os grandes edifícios, os templos, - a torre de Babel- construções dos homens.

. E os judeus cativos têm nada. Em contraposição à ideologia babilônica a tradição sacerdotal coloca a criação como o templo de Deus, não  feito pelos homens.Quando o templo foi reconstruída (515) o terceiro Isaías critica este projeto. Deus mora encima do universo  onde o céu é seu trono e a terra é escabelo dos pés  (Is 66,1-2), a terra terá um esposo  Finalmente o templo será o domínio dos sacerdotes, porém será destruído junto com Jerusalém numa guerra desigual contra o império romano. Jesus avisou: ¨Destruam este templo¨. Ele reerguerá um outro templo: seu corpo. (Jo 213-22)
No nosso texto a criação é efeito da palavra de Deus, dez vezes se fala: “Deus disse”. Este escrito sacerdotal faz surgir os seres e a vida dentro do quadro litúrgico da semana (TEB). O Sábado é o grande sinal da aliança. 

    No início Deus cria o céu e a terra, quer dizer o universo.  A terra era “tohu wabohu”, deserta e vazia e havia treva. “Ruach de Deus” pairava na superfície das águas. Ruach, o sopro ou  atmosfera, é aquilo que possibilita a vida, uma força feminina ou materna. Num mito oriental havia a imaginação de uma galinha que choca o ovo do mundo.
Os dias um, quatro e sete polemizam contra os ídolos dos povos e enfatizam o ritmo das festas e a observância do Sábado.
 O secundo dia mostra que a história humana será retomada por uma nova criação no momento do dilúvio ( Gn 7,11) Falta a frase que “isso era bom”.
   No terceiro, quinto e sexto dia Deus disse: Que a terra produza sementes. As águas tem peixes, o ar pássaro, a terra animais. Aqui Deus deixa é a criação mesma produzir.
     No final do sexto dia Deus disse: “Façamos o ser humano à nossa imagem para a nossa semelhança”.  A segunda palavra (semelhança) reforça a primeira palavra (imagem). Podemos interpretar assim: o ser humano criado à imagem de Deus deve cuidar a criação e progredir até a semelhança de Deus. Na Mesopotâmia e no Egito um rei colocou a sua imagem em qualquer lugar para onde ele mesmo no podia chegar, para lá representar sua autoridade. Assim o ser humano representa Deus mesmo na criação. A importância da imagem a Deus significa de agir na criação como Deus, se tornar semelhante a Ele

 A benção dos seres humanos foi sempre mal interpretada na tradição do Ocidente, parecia uma ordem de dominar e explorar a criação até a sua destruição. Assim ensinou Francis Bacon (1623 d.C.) , chamado profeta da era industrial,  a elite britânica: que a terra não é uma mãe que dá vida a quem nós devemos respeito como em várias religiões mas a natureza serve a ser submetida e explorada.

Porém: a benção se dirige às pessoas exiladas em Babilônia sem esperança, sem futuro:

Reproduzi - vos! Não ficar estéril no cativeiro ( Is. 54,1-10).
            Multiplicai – vos! O medo dos exilados, não ter herdeiros e com isso perder a história
            Povoai a terra! Agora são desapossados, fora da terra de Israel.
            Submetei! Agora eles são escravizados em Babilônia, porém vão ganhar liberdade.
            Dominai! Não mais ser dominados, mas donos da terra.
            As bênçãos se repetem sobre Noé saindo da arca (Gn 8,17 e 9,1), sobre Ismael (Gn 17,20), Jacó (Gn 28, 1 – 4) e José (Gn 47, 27).
            O sentido do Sábado nas Dez Palavras (Ex 20,8 - 11): No sétimo dia Javé repousou, por isso o Sábado é abençoado e consagrado, ele é para Deus.
            “Este é o nascimento do céu e da terra quando a sua criação”. Podemos entender que a criação não terminou, mas está em desenvolvimento, continua e cresce. A palavra “toledot” designa “dar a existência” (TEB).
         
            O Dilúvio: 
            Não podemos ler o relato da criação sem mencionar a aliança com Noé: a criação foi o ideal, a realidade foi diferente.
Os relatos de Gênesis 1-2, 4a e do Noé (6 -9) são do escrito sacerdotal. O que Deus havia feito era muito bom fora do segundo dia. Homens e animais vviiam em paz, nada de uma tentação ou maldade. Ficaria sempre assim? Não: Deus viu que a maldade da humanidade se multiplicava na terra. Tudo corrompido. “O fim de toda a carne veio diante de mim¨(Gn 6,13). Pois, por causa dos homens, a terra está repleta de violência e eu vou destruí-los junto com a terra”. O relator usa um mito oriental: O Deus ENLIL quer destruir tudo,  por isso “Vou destruí-los”. EA, o Deus da sabedoria, exige discernimento entre bom e mau, por isso Noé é justo. Finalmente NINTU, a dona do nascimento, quer guardar a vida: por isso “nunca mais”...

  A aliança de Deus com Noé e com a humanidade
  Noé, da família do terceiro filho de Adão, é imagem de criador e de Adão (5,1), por ele os povos terão futuro. Adão representa a humanidade, Noé vai representar os povos da terra.  Ele foi um homem justo, foi íntegro como Abrão seguindo os caminhos de Deus. Importante a preocupação de Deus com um justo (veja a intercessão de Abraão cap. 18). Os justos salvam o mundo.
          A benção de Noé (cap. 9) não é a mesma como no cap. 1. A diferença é esta: “Sereis causa de temor e de espanto para todos os animais da terra (9,2)”. Agora tem violência, agora pode matar os animais que servirão de alimento. Mas não pode matar um homem.
             “Todavia, não comereis a carne com vida, isto é seu sangue. E da mesma forma, do vosso sangue, que é a vossa própria vida, pedirei contas a todo animal e pedirei contas ao homem: a cada um pedirei contas pela vida do seu irmão. Quem derramar o sangue do homem, pelo homem verá derramado o seu sangue; “Pois à sua imagem Deus fez o homem.” (Gn 9,4-6)  (Deus estabelece uma aliança com Noé para sempre, independente do homem. É uma aliança com toda a criatura (9,12). Como sinal ele vai colocar o arco da guerra nas nuvens, Deus não fará guerra.
             Estes preceitos precedem a Torá no Sinai. Para os judeus existem três grandes pecados: idolatria, imoralidade e derramar sangue. Mais tarde se junta a blasfêmia e o roubo. Mais tarde acrescentam: buscar o direito e não comer membros de um animal vivo (proteção dos animais). Aqui temos o fundamento para os direitos dos povos da terra, uma lei universal.
            Noé tinha 3 filhos: Shem, Ham e Jêfet .Ham é o pai de Canaã. Canaã foi maldito, será escravo, aparece a divisão em classes, a primeira maldição (9,24). Dos 3 filhos dependem os diferentes povos da terra, Noé é pai de todos os povos, dos filhos de Shem surge Abrão e o povo de Israel.. ( 10, 32)
            Esta aliança com Noé mostra o pensamento universal de Israel,Deus faz  uma aliança com toda a criação, com todos os povos e animais. Israel está inserido dentro de todos os povos, pertence às famílias dos povos. No conflito entre judeu-cristãos e cristãos pagãos Tiago decide (At 15,14): os pagãos convertidos não são obrigados observar a Torá de Israel, mas sim “a Torá de Noé.


              De Noé a Abrão
               Na tradição sacerdotal pertencem a Jéfet, filho de Noé, os povos de Ásia Menor, os Lídios, os Gregos da Jônia, os Etruscos, a Espanha e Rodes, cada qual com a sua língua (Gn. 10, 4 – 5 ).


              A torre de Babel  
             Um texto javista:  Mas contando a construção da torre de Babel (Gn 11) todos falam a mesma língua. Na Babilônia se construíram Templos, torres com andares, chamadas “Zigurates”. Eles garantiam a unidade da humanidade por um imperialismo político – religioso. Deus confundiu a língua de toda a terra e dispersou os homens sobre toda a terra.
            Descrevendo uma torre inacabada, dispersando os seus construtores e ironizando o nome poderoso de Babel, babal significa: confundir, O texto é uma recusa da cultura e de um império que destruiu o templo em Jerusalém e conduziu a elite para o exílio (Jr 50,28-29).
             Podemos imaginar quantos templos e torres os dominadores do mundo construíram como memorial da sua força com a mão de obra dos escravos, tirados de todos os povos.
               
1.b)     A criação segundo a ciência moderna:
             Faz sete bilhões de anos que tinha um Big Bang, quando começou espaço e tempo e matéria, faz 4,5 bilhões de anos quando surgiu o nosso sol, faz 500 000 anos quando começou o homem erigido, faz 100 000 anos quando podemos falar do homem sábio.
             O Vaticano aceitou a teoria da evolução, só destaca que Deus criou o ser humano. Podemos falar que Deus deixou a criação livre para se desenvolver no correr dos tempos envolvendo vida e morte, catástrofes e calamidades. No surgimento do ser humano não tem um momento decisivo da criação. O chimpanzé tem quase o mesmo cérebro do homem. O ser humano se desenvolve passo a passo, formando a linguagem, o contato social (mãe – filho) o suporte do fraco, o descobrir do outro até de Deus, ate se sentir parte da criação que pode adorar o criador.
            Nesta evolução o Deus da Bíblia sempre intervém protegendo o fraco e lutando até contra o caos:´´despedaçando a cabeça dos dragões´´: Sl 74,13; Sl 89,10-14; Sl 104,5-9), Jo 38,8-11; Jr 5,22;31,35;

                 2) O DEUS DOS PAIS e das MÃES (At 5,30)

         a) A importância dos pais e mães       

           A Bíblia não é um catecismo, que ensina dogmas sobre Deus, ela conta como pessoas buscam e encontram seu Deus. Esta experiência da fé deve ser contada e transferida para os filhos e filhas: Pergunta teus pais, eles vão contar.O amor entre homem e mulher é o exemplo fundamental de todo amor. Dela se deriva a aliança do Javé com o povo, Javé vai casar a filha de Sião, homem e mulher se referem a Cristo e à igreja, até que desce uma nova Jerusalém como esposa, simbolizando toda a humanidade.
As “falas de Moisés”, o Deuteronômio, se refere muitas vezes ao Deus de vossos pais, não dos sacerdotes ou autoridades, os pais são a fonte da fé em Israel. Daí a importância da Quinta Palavra: Honra pai e mãe, para viver na terra prometida. No pós-exílio na confissão dos pecados se fala; “Viste a humilhação dos nossos pais no Egito “(Ne 9,9) Até o final do ultimo profeta Malaquias fala dos pais e filhos (Mal. 3,24).
As estórias sobre os Pais contêm fatos históricos, mas com o tempo foram enfeitadas com lendas sobre “Os Pais”, lembram os de clãs e seminômades. A preocupação deles é a sobrevivência da família e a busca do pasto para o rebanho. Os relatos são de origem popular e familiar. O relato mais velho se encontra Deuteronômio 26, 5 “Meu Pai era um Arameu Errante”, este arameu é Jacó, pai das doze tribos de Israel. As lendas dele são ligadas aos locais como Betel, Sichem e Pnuel, enquanto as de Abraão e de Isaac pertencem a Beersheba, Mamre.
 
      b) Sobre o nome e os atributos de Deus:

      Em Gn 14,19 ele é o “Deus Altíssimo que cria o céu e a terra”. Em Gn 15, 1 ele disse: eu sou o “Teu Escudo” (observa-se aqui o caráter militar da linguagem). Em Gn 17,1 Deus é o “El-Shadai”: o Protetor, o das montanhas ou dos campos (não o todo poderoso). Em Gn 21, 33 ele é o Deus “El-Olam” (o Eterno), em Gn 31, 53 “Terror de Isaac”, em Gn 49, 24 “O Indomável de Jacó”.

  Deus já aparece sob seu nome Javé em Gn 4,26: “Foi a partir de então que se começou a invocar o nome de Javé”; 12,8; e 13,4; Abrão “invocou Javé por seu nome”; 18,1: “Javé aparece a Abraão”, deve ser o tempo dos Persas. 15,6: “Abrão teve confiança em Javé” é o contexto do VII século, e em outros lugares, mais evidente no sacrifício de Isaac quando o anjo de Javé interveio para impedir o sacrifício, lembrando Jr.7,30: indício que, nestes casos, temos diante de nós a mão redacional que claramente conhece o nome Javé.  
  Na tradição deuteronomista Javé é aquele que estará com Moisés ou com as tribos, aquele que vem em socorro ao seu povo (Ex 3,12). No Dt 33,16 ele é chamado ”Aquele que mora na sarça”.
     Na tradição sacerdotal Deus falou a Moisés dizendo-lhe: “Eu sou Javé. Apareci a Abraão, a Isaac e a Jacó, mas sob meu nome ´Javé´ não me dei a conhecer a eles” (Ex. 6,2-3) Nas provações de Massá e Meribá os filhos de Israel duvidaram: ¨ Ele está no meio de nós¨? (Ex 17,7).  Os filhos de Israel queriam saber onde fica a presença de Javé. A resposta foi: “Eu estarei como eu estarei” (Ex 3,14). Mesmo nas desgraças da história, especialmente após a destruição de Jerusalém, ele estará presente, precisa confiar nele (cf.  Ex 19, 3-8).
    Javé é aquele que age na história, não como os Elohim dos vizinhos, não é uma divindade como na filosofia dos Gregos.


            c)   Abraão: Deus vê, Deus ouve! 


A memória de Abraão fica viva na história do povo de Israel. Várias épocas elaboraram o texto final. (Milton Schwantes: Deus vê, Deus ouve! Gênesis 12 – 25 São Leopoldo, Oikos  2009)

                 Abertura: 11,27 – 12,9

Nós estamos em Judá: o tema é Mesopotâmia - Canaã – Egito. As historias do êxodo sob Moises conformam o pano de fundo, aqui a libertação de Sarai da opressão faraônica.
Nos filhos reavive o pai Abrão, ele prefigura a identidade de Judá. Central é a questão da família e da terra. “Serão benditos em ti todas as famílias da roça” (12,3)
Libertação: 12,10-20
Abraão atravessou a terra até Siquém, Betel, Ai e deslocou-se para o Négueb. Por causa de fome ele desceu para Egito. Existem dois conflitos: a prepotência dos soberanos e a submissão da mulher ao homem.

       O tema da terra: Abrão e Lot: 13,1-18

É o tempo do exílio em Judá. Deve ser o tempo dos Persas no pos-exílio, porque retoma a vida tribal.
Abrão e Ló têm contenda, Ló pode escolher a sua terra, enquanto Abrão percorre a terra que Javé dará, A riqueza gera conflitos, Abrão é generoso e nobre, desiste dos seus direitos e fica fiel ao semi-nomadismo. Ló desceu à planície, perto das cidades, que agrupam “grandes pecadores”. Abrão como modelo da fé fica fiel às raízes das montanhas. Nas montanhas haverá futuro.                                                      
       Abrão um libertador 14,1-24
A guerra é internacional: os reis dominam. Abrão resgata só os despojos. Aparece o rei de Sodoma e Salém. Neste episódio Abrão foi feito libertador à semelhança dos juízes, uma releitura dos camponeses judaitas.
Melqisedec: “Rei da justiça”: Conta-se uma cerimônia religiosa que legitima o dízimo ao templo e ao sacerdote, o nome de Deus como “El elyon” tem predicados de Javé que é criador e libertador. Melquisedec apresenta pão e vinho. Abrão: “Nada para mim” (v.23). Só o nome Abrão remonta tempos antigos
       Destruirás o justo com o injusto? 18, 16 – 33
O tema dos povos surge nos tempos exílicos, veja Jeremias 29,7 e Jonas, uma visão positiva dos povos estrangeiros. Os profetas não tinham ainda esta visão. Estamos em pleno pós-exílio.
Perdoar se relaciona com carregar. Poucos são capazes de “carregar” a “muitos” ou todos. Abraão como resgatador é o profeta das minorias abraâmicas. O perdão é coletivo, não individual.
        Uma escolha em meio a ruínas 19, 1 – 38
Gente de Sodoma força Lot para entregar seus hóspedes, “para que os conheçamos” (no sentido sexual 19,5). O mal aqui é a violência e não a homossexualidade. As cidades eram focos de conflitos e agressões. Sodoma é exemplo do mal. Poder contra a mulher, pobre, campo, um texto anti-urbano, tem linguagem similar Gênesis 1–11 com a ameaça de água e fogo (Juízes 19 – 21).

        O tema: descendência 

        Palavra em visão: a descendência 15, 1 – 21
O capitulo 15 (como cap.17) é a “palavra de Javé em visão”. O contexto é o VII. século com a opressão assíria, Israel e Judá foi deportado pelos Assírios, não tem descendência. Promessa de família, que é núcleo do povo. Abrão “teve confiança em Javé”. É o tempo do Deuteronômio, lembra o profeta Isaías 7,9. O gesto do sacrifício pode remontar tempos de Abrão.
       Agar e Ismael: Ele me vê 16, 1 – 16
Agar, a egípcia, foi golpeada por Sarai, conseqüência da rebelião dela é a fuga, fuga é libertação, veja Êxodo 14,5. O mensageiro fala com ela: “De onde vens, para onde vais?” O menino será força e poder, a descendência é autonomia, insubmissão. Ele vive sobre (contra) a face dos seus irmãos. É a região sul de Judá, os Ismaelitas eram inimigos temidos.
Agar proclama “o nome” de Deus, palavras proféticas. Deus é “EL”, o nome de Ismael significa: EL ouve: “Javé ouviu tuas opressões”. Dentro do poço, da fonte, sai “a vista”, o olho de deus. 
O nome Javé vem dos redatores.
A volta de Agar é um acréscimo mais tarde.
A história de Agar faz parte das memórias antigas, das tribais de Judá. As mulheres, filhas, escravas, carregando água, contavam essas estórias, que continuam no cap. 21.
       Alianças certas: De olho nos povos 17, 1 – 27
A circuncisão em Babilônia, sinal da aliança, assume destaque importante para se identificar como judeu e se distanciar dos outros povos. Aliança é o tema dos sacerdotes
No cap. 15 Abrão foi a Ismael “Pai de um povo”. No cap. 17 Abraão “será pai de multidão de nações” (v.4). Sara será mãe para nações com Isaac (v.16). O nosso capitulo é uma reflexão dos tempos do exílio.
Deus se apresenta como “el xaday”, a LXX traduz ”todo poderoso”, correto seria: “Deus das montanhas” ou “Deus de meus campos”. Ele diz a Abraão: “Anda diante de mim e sê íntegro”, um apelo ético. “Estabelecerei minha aliança entre mim e ti e, depois de ti, as gerações que descenderão de ti” (17,7). Muda de nome Abrão para Abraão: <pai de uma multidão>. Muda do nome Sarai em Sara <princesa>, Deus a abençoará (17,15). Abraão riu e contrário à promessa de Deus disse: “Possa Ismael viver diante de ti” (v.18). 
       Sara terá um filho 18,1 -15
“E Sara riu” é a continuação do cap. 13, a aparição de Javé é um texto da fonte de Javé. O tema é hospitalidade e filho, são tempos anteriores a meados do VIII século. Yishag vem do verbo “rir”, se alegrar. “Um filho para Sara” no tempo da vida, da primavera.
      “Ela é minha irmã 20, 1 – 18
A fonte pode ser do Eloista, posterior do Javista, posterior de Elias, entre 800 e 750 a C.
Cap. 20–22 são tradições do Neguebe e remontam os tempos dos seminômades. O estrangeiro é bem tratado, os vizinhos são considerados parentes, os desacertos ocorrem entre crianças, poços, defunto, casamento. “Irmã minha – ela” (12,19) é meio mentirosa, ela tem o mesmo pai com Abraão, mas não a mesma mãe. Menciona-se o profeta, mas no sentido de intercessor. Aqui a pessoa pode discordar, discutir, argumentar, prevalece um conceito sábio de Deus.
Sara amamenta um filho 21, 1-7
Um texto de passagem, faltava uma narrativa que contemplasse o nascimento de Isaque, estamos junto à última redação.

        A prepotência dos pais sobre os filhos:

        Ismael expulso por Sara: 21, 8 – 21
Um texto muito antigo, em torno de 800 a.C. Se agregava este trecho à fonte eloísta. Deus ouviu a voz do menino. As ações violentas de Abraão estranham. “Deus ouve” (Ismael) é o coração da narrativa. Consonância com o Êxodo.

        Abraão quer sacrificar Isaac: 22, 1-19

O texto é típico da sociedade formada, do estado. Era comum nos povos vizinhos e em Israel/Judá oferecer os próprios filhos e filhas para acalmar a ira de Deus ou para ganhar uma vitória, Jefté sacrificou sua própria filha (Jz 11,34), o filho de David morre como castigo do pecado de David (2 Sm 11–12), Acaz no tempo do profeta Isaias imitou os reis de Israel, chegando a sacrificar seu filho na fogueira, “segundo os detestáveis costumes das nações” (2 Rs 16, 3-4). Jeremija critica a queimada dos próprios filhos no Tafet (Jr 7,30-31) Josias profanou o Tofet (2 Rs 23,10) para que a ninguém mais fosse possível passar seu filho ou filha pelo fogo em honra de Môlek, o deus dos amonitas. Veja Lv 18, 21; Dt 12,31; 
 Em Gn 22, encontramos a crítica a um culto antigo que termina com o versículo 14. A vítima humana devia ser substituída pelo animal. Talvez foi o encerramento das genealogias de Terá ( 11,27) como indicam os versículos finais.
Deus e Javé se confrontam. Quem será este Deus?  “Deus pôs Abraão à prova”: Na carta do Tiago lemos: ”Deus a ninguém tenta” (1,12-14). Colocar à prova ou tentar é a mesma palavra grega: ¨peirazein  tentar¨.  Mas aqui Deus tenta, um deus poderoso mas não Javé que sempre vem em socorro dos pequenos.  Intervenção do anjo de Javé: “Não estenda a mão contra teu filho, nem lhe faças nada” (22,12). Foi o próprio filho que pôs em duvida o pai? No monte Moria ¨Javé vê¨ (22,14).
 No livro de Jó Javé também fala ao seu adversário, Satanas: “Não estenda a mão contra meu servo Jó¨. Jó resiste e desmascara um  deus que é na realidade o deus dos Gregos, Zéus. Veja a interpretação da carta aos Hebreus 11,17-19, onde Deus tentou Abraão.
           
 Sempre na história os poderosos sacrificaram os pequenos em nome de um poder superior, quer dizer de um Deus. Os homens gostam de obedecer cegamente às ordens dos prepotentes.

        UM MITO GREGO: EFIGÊNIA

            Situação: Agamémnon, Rei da Grécia, quer conquistar a cidade de Tróia. Ele se reúne com seus oficiais e seu exercito em Aulide, o porto onde sai os navios. Mas o mar fica calmo sem vento. Os navios às velas não podem sair.                   
Por quê? A deusa Minerva comunica que só o sacrifício da filha de Agamémnon, Efigênia, pode apaziguar a fúria da deusa.
1ª Versão:
O pai mata a filha, mas ela não quer morrer e se defendendo grita como um bezerro.
2ª Versão:
A mãe não quer a morte da filha, mas Efigênia está pronta a se sacrificar:
Mãe, escuta-me vejo que te indignas em vão contra teu esposo... mas tu deves evitar as acusações do exército... minha morte está resolvida e quero que seja gloriosa, despojada de toda ignóbil fraqueza. A Grécia inteira tem os olhos voltados para mim, e em minhas mãos está que naveguem os navios e seja destruída a cidade dos Frigios... Tudo remediará a minha morte, a minha glória será imaculada, por ter libertado a Grécia. Nem devo amar demais a vida, que me deste para o bem de todos, não só para o teu, muitos armados de escudos, muitos remadores vingadores da ofensa feita a sua pátria farão memoráveis façanhas contra seus inimigos, e morrerão por ela. E só eu vou me opor? Acaso é justo? Poderemos resisti-lo? Um só homem é mais digno de ver a luz do que infinitas mulheres. E se Diana pede a minha vida, me oporei, simples mortal, aos desejos de uma deusa? Não pode ser. Dou, pois, a minha vida nos altares da Grécia. Matai-me, e devastai Tróia. Eis o monumento que me recordará por longo tempo esses meus filhos, essas minhas bodas, toda essa minha glória. Mãe, os gregos hão de dominar os bárbaros, e não os bárbaros os gregos, pois uns são escravos, e outros livres.

O final: cap. 23 – 25
Sepultura e posse da terra 23, 1-20. Tem linguagem sapiencial. Deus só uma vez é mencionado, Aparece o dinheiro “prata”, é tempo dos gregos. O campo serve de sepultura, é herança da família.
Diferentes, mas solidários 25, 1-9: Isaac e Ismael juntos enterram o pai Abraão. Entre gente no caminho, entre pessoas pelos desertos há espaço até gente em oposição.

O Deus dos Pais: eles estão vivos na nova aliança no NT:
No NT aparece muitas vezes Abraão e a sua descendência:
“Deus mostrou a sua bondade para com os nossos pais e se lembrou da sua aliança santa, do juramento que fizera a Abraão, nosso pai” (Lc 1,73).
Deus não e um deus dos mortos, mas dos vivos: o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacó. (Mc 12,26).
Na carta aos Gálatas (4,22) Paulo fala das duas alianças: Abraão teve dois filhos, um da criada, um da mulher livre que era da promessa. “Vós, irmãos, sois filhos da promessa”.
 Paulo difere entre os verdadeiros e falsos filhos de Deus: “É a posteridade de Isaac que será chamado a tua descendência. O que significa: não são os filhos da carne que são filhos de Deus; somente os filhos da promessa são levados em conta”. Rm 9, 7-8) 
                Também o Evangelho de João recorre à verdadeira descendência de Abraão Jo 8,31 – 59. (Veja também a interpretação do sacrifício de Isaac na carta aos Hebreus 11,17-19.)                                                                  
                           

                      b)   Isaac e Rebeca


O casamento de Isaac com Rebeca Gn 24, 1 – 67. O servo ou amigo de Abraão busca uma mulher para Isaque, este episódio no poço supera em tamanho o livro de Jonas. No caminho Javé me conduziu. Repetições com vv. 36-48 fazem parte da arte literária.
            Rebeca dá à  luz gêmeos: Esaú e Jacó Gn 25,19-34; Jacó , um homem astuto, já desde o nascimento “suplantou seu irmão”O grande servirá ao pequeno.  (Os 12,3-5). Paulo aos Rm 9,13: “Eu amei Jacó odiei Esaú”. Episódios da vida de Isaac Gn 26: são retomadas de 12,1-20. Benção: “Eu estou contigo”.
            Benção de Jacó em vez de Esau Gn 27,1-28,9: Os versículos 27,46-28,9 no final pertencem à tradição sacerdotal: agora o motivo da partida de Jacó não é a cólera do seu irmão, mas a obrigação de não desposar uma mulher alheia.


          c)  Jacó e Raquel, a mãe de Israel


            Também as lendas de Jacó (Gn 28,13 - 5,29)colocam o leitor diante da ação escondida de Deus, se tratam de conflitos entre homens e mulheres. Só em Betel (casa de Deus) e Penuel (face de Deus) se fala direto der Deus, Bet-El será o futuro santuário de Israel.
            A promessa de Javé: “Eu estou contigo e te guardarei em toda a parte aonde fores e te farei voltar para esta terra, pois não te abandonarei até eu ter cumprido tudo o que te disse” 28,15. Com esta promessa ele serve durante 14 anos Laban, agora enganado por seu tio, para finalmente conquistar a mulher amada Raquel,
Na volta, a oração dele 32,10-14, em Penuel 32,23-33: um homem rolou com ele no pó ate o romper da aurora. Na benção Jacó recebe o nome Israel que significa que Deus se mostrou forte “pois lutaste com Deus e com os homens e venceste” (32,29). “Eu vi Deus face a face, e a minha vida foi salva”.
Jacó, que só sabia lutar, quer agora encontrar graça nos olhos do irmão: “Eu vi a tua face como se vê a face de meu deus” (33,10).
Nova benção em Bet-El: 35,9-13; um acréscimo sacerdotal. Raquel, a mãe de Israel, “chora seus filhos” (Jr 31,15 e Mt 2,16-18) morre no parto de Ben-Oni, <filho de luto>, Jacó mudou o nome dele em Ben- Jamin, <filho da direita>. Raquel foi enterrada em Bet-Lehem, 35,19.


     d) A história de José 

A história de José Gn 37 - 50) é uma cativante “novela”, parece ser uma simples “história da família”, mas quer mostrar a necessidade de uma monarquia para salvar o povo. Ressaltando o caráter sapiencial tem-se sugerido situar o contexto da história de José na época do chamado “iluminismo salomônico no século X a.C. Precisava se legitimar o poder dos funcionários do estado e da política de tributos do império de David e Salomão. É uma propaganda para a monarquia. O manto de José (Gn 37,3) designa a vestimenta do sacerdote e dos funcionários.
Aparece o conflito entre as tribos que querem igualdade, representado pelos irmãos e a monarquia, representado por José: “Reinarás, com efeito, sobre nós? (37,8) Os irmãos querem fazer um golpe (37,18), Ruben e Judá tomam uma posição intermediária. José expulso das tribos. Intervenção religiosa: Javé está ao lado de José ou da monarquia (37, 2.3.5.21.23.) Mais tarde José falará: “Eu sou José, o irmão de vocês” (Gn 45,4).
No mundo antigo, a interpretação dos sonhos era expressão de discernimento, sabedoria e talento (1Rs 3). José organiza o excedente da colheita em celeiros da cidade para os tempos de escassez, serve para o povo com fome e não para o luxo do rei. Os irmãos se reconciliam com a nova situação. “Vós intentastes o mal contra mim, porém, Deus o transformou em bem“
(Gn 50,20).  (Ribla 23) 



                      II. ÊXODO - NOMES



                  O redator final tem a seguinte intenção:
        O livro começa o trabalho escravo dos hebreus no Egito:
        I a)Anúncio, b) obstáculos e c) realização da libertação (1,1-16,36;).
  II O Centro: Israel no Sinai 17,1 – 24,11
  III a) Anúncio, b) obstáculos e c) realização do Santuário  (24,13;-31,17;).
              O final conta o trabalho  para a construção da tenda.


Num texto sacerdotal Javé se lembra da sua aliança com os pais
e ouve o lamento dos filhos de Israel escravizados  pelos Egípcios. Por isso:
1.      Eu vos farei  sair das corveias do Egito,
2.      Tomar-vos ei como meu povo, e para vós serei Deus,
3.      Eu vos farei entrar na terra.( Ex 6,6-8)


            No seu livro ´Êxodo´  Jan Assmann anota que não se trata de uma diferença entre um
 deus verdadeiro ou falso, mas sim entre fidelidade à aliança ou traição dela: 1. Egito e Israel,
 2. Israel e os povos 3. Amigos tem fidelidade e os  inimigos traíram. 
 1. Egito e Israel: A confrontação acontece entre serviço aos homens e serviço a Deus. Serviço aos homens escraviza, serviço a Deus liberta. Egito simboliza o antigo, do qual precisa sair, Israel o novo  para entrar.
2. A diferença entre Israel e os povos, quem pertence à aliança, quem não. Javé não faz aliança com o mundo, nem com a humanidade, mas sim com o povo eleito, Israel. Por isso existe a Lei para santificar Israel.  O texto sacerdotal destaca a santidade, o Deuteronômio a ética. (Dt 4,5-8). A relação entre Israel (am) e os gentios (gojim) é sem violência sem polêmica.
3.  Os amigos e os inimigos de Deus. A aliança foi feita entre parceiros, Israel é partidário de Javé, por isso está no centro o amor (Dt 4,1-40) ¨Ele se torna para ti Deus tu te tornas para Ele o povo¨(Dt.26,16-19;).  O povo entrou nesta aliança, quem sai desta aliança enfrenta a ira e rancor de Javé, que é fiel e está ofendido pela traição. Javé é um deus ciumento, visitando a iniquidade dos pais nos filhos (Ex 20,5).
Agora aparece a violência, a guerra  (Dt 20,1-15). ¨Mas nas cidades dos povos seguintes não deixarás subsistir nenhum ser vivo. Com efeito, votarás ao interdito o hetito, o emorita, o canaanita, o perizita, o hivita e o jebusita, a fim de que eles não te ensinem a repetir todas as abomináveis ações (Dt 20,16-20). São os povos quem moram em Canaã e faziam parte de Israel. A ruptura da aliança com o Bezerro de ouro mostra o perigo de Israel trair a aliança e praticar a idolatria de Baal, o deus dos canaanitas, o grande inimigo de Deus. Elias chegando ao monte Horeb arde de ciúme pelo Javé: Os filhos de Israel abandonaram a aliança (1Rs 19,14;). Adoram o Baál. Oseia  denunciará este pecado  de Israel: ¨Javé promove processo contra os habitantes da terra, pois não há sinceridade, nem  amor ao próximo, nem conhecimento de Deus na terra¨(Os 4,1-3).
Egito representa qualquer opressão, Canaã representa a idolatria. A primeira tábua das dez Palavras se dirige contra a idolatria, a secunda  contra a desordem social.
(Assmann, Êxodo, 2.edição 2015, Verlag Beck paginas 106-119).






    
           O quadro deste trecho começa com 1,1-5 com os nomes dos filhos de Israel no Egito, o nome de Deus 3,13-15 e termina 6,14-27 com listas genealógicas finalizando com Aarão e Moises, são textos da mão sacerdotal, fala-se dos “filhos de Israel”.


                                      Fatos históricos:
Hesitava-se em situar Moisés entre o século XV e o século XIII. No século  o Egito fortaleceu a sua dominação sobre os os países cananeus, que mais tarde foram agitados pelos habiru. No século XIII instala-se a capital dos Egípcios no delta do Nilo. Os Egípcios utilizaram mão-de-obra dos hebreus. Moisés fugiu com os irmãos para o deserto.


  I a)Anúncio, b) obstáculos, c) realização da libertação.

   a) Anúncio da Libertação: 1,1 – 6,27


O quadro deste trecho começa com 1,1-5 com os nomes dos filhos de Israel no Egito, o nome de Deus ¨Eu estarei aquele que estarei¨ 3,13-15 e termina 6,14-27 com listas genealógicas finalizando com Aarão e Moisés, são textos da mão sacerdotal, fala-se dos “filhos de Israel”. (S)
 1,8 - 2,10: mostra a brutalidade do Faraó e a resistência dos hebreus (mulheres), 2,11-22: Moisés se apresenta como chefe: “Quem colocou você para ser chefe?”

A vocação de Moisés:
Moisés levando o rebanho além do deserto chegou à montanha de Deus, ao Horéb na tradição eloista ou deuteronomista (3,1), na tradição javista e sacerdotal aconteceu a vocação dele no Sinai.
Deus vem: Jz 5,4: Dt 33, 2 e Sl 68, 8-11 falam: “Javé quando saístes de Seir, quando partistes da estepe de Edom... Javé veio de Sinai.” É o Deus que vem ao socorro de seus veneradores, que são ameaçados pela escravidão do Egito e na região do deserto. É um Deus livre, espontâneo, solidário com o seu povo. Outra tradição fala que Javé desce sobre o monte de Sinai e se revela a Moisés e a seu povo, (Ex 19, 16-25). Os Creios antigos não mencionam a teofania no Sinai.
     Porque uma sarça está em chamas, mas não se consome? (sar em hebraico também triste): Um Midrash interpreta: “ Moisés atormentava-se em seu coração: Os egípcios são capazes de exterminar os filhos de Israel.  E viu o Eterno que ele se aproximou para ver. Disse Deus: Triste e irado por  ver o sofrimento de Israel no Egito, por isso ele é digno de se tornar pastor do povo. E então chamou-o Deus de dentro da sarça.” .... “Mostrou-lhe as imagens de uma sarça e não se consumia, como que a dizer-lhe: Do mesmo modo que o fogo não consome a sarça, os egípcios não poderão destruir o povo de Israel.” (Reflexões sobre a Torá, Sefer p. 70).

   Javé disse:
  “Eu vi, enxerguei a opressão de meu povo no Egito.
  Eu ouvi, escutei-o  clamar sob os golpes...
  Eu conheço seus sofrimentos,
  Desci, para liberta- lo da mão dos egípcios”... (Ex 3, 7 – 8)
 A duplicação dos verbos ver e ouvir significa um reforço: vi...enxerguei a opressão do meu povo, ouvi...escutei o clamor. Já é seu povo (cf. 3,10: Faze sair meu povo, os filhos de Israel¨ 9,1;14,31;17,2;). Na vocação de Isaías: este povo vê, mas não enxerga, não é mais seu povo como na vocação de Moisés. Conhecer não é um ato intelectual antes um ato de profunda compaixão e amor (Is 6,9 e Dt 29,3).

       O nome deste Deus é JHWH:
“Ele conheceu tua caminhada neste grande deserto; há quarenta anos Javé, Teu Deus, está contigo”. A expressão original do nome pode ser uma exclamação: “JÁ-HU: O, ELE”.  O louvor a Deus: Halelu-Já! O Já é sufixo de Jave: O verbo hebraico não significa um ser, antes um agir ou estar.  O nome no hebraico contem 4 consoantes: J H W H, precisa inserir os vogais a,e: JaHWeH. A partir do IV século não se usava mais o nome Javé. Uma antiga versão inseriu: e o a JeHoWaH.
O nome Javé apareceu na península Sinai, lá Deus falou a Moisés: Ex 6,2: “Eu sou Javé, apareci a Abraão, a Isaac e a Jacó como Deus EL-Shadai, (a melhor tradução: Deus das montanhas e não Deus poderoso), mas sob o meu nome Javé não me dei conhecer a eles.” (3,14-15). “Eu sou Javé” é uma expressão típica dos sacerdotes sem relação a Moisés ou povo (Lv 19).
d) Eu estou contigo, neste monte servireis a Deus sobre esta montanha (3,12). Moisés coloca suas dúvidas, mas Javé responde: “Vai, pois, Eu estou com tua boca” (4,1-5:). Javé estará com Moisés, estará com o seu povo. Ele é o Emanuel: o Deus conosco.
e) 5,6 - 6,1: os inspetores reclamam do aumento da escravidão.

      A tradição sacerdotal (S):
      Nos versículos 3,9-15 fala-se  dos “filhos de Israel”, indício  da redação sacerdotal.
Moisés replica: Quem sou eu? Eu irei junto dos filhos de Israel, se me perguntam: Como é com  respeito a seu nome? Não sabemos. A resposta: “Eu estarei como estarei” (3,14-15). Esta inserção já prepara a diáspora, quando não tem mais o povo, só os filhos de Israel. Por isso as tentações, pondo Javé à .prova, desafiando Ele. Na água de Massá e Meribá os filhos de Israel tinham colocado Javé à prova, dizendo: ”Javé está no meio de nós?” (Ex 17,7).  É a pergunta dos filhos de Israel após a destruição de Jerusalém: como Ele agora estará presente? Entendemos a terceira palavra: ¨Não pronunciarás o nome de Javé em vão¨ (Ex 20,7;).       
 O escrito sacerdotal (6,2-7,7;) que menciona tantas vezes os filhos de Israel (tratando do rito da Páscoa se fala da assembléia da comunidade de Israel 12,6;):
A ação de Javé contem 3 passos: primeiro fazer sair os filhos de Israel (não o povo) do Egito; secundo tomar eles como seu povo para ser Deus para eles; assim eles conhecerão “que sou vosso Deus”, terceiro fazer  eles, os filhos de Israel, entrar na terra (6,6-8). “Eu sou Javé”.

 Moisés reclama: “Se nem os filhos de Israel escutam como o Faraó vai escutar?” (6,12)


       b) Obstáculos 6,28 – 11,10             

O quadro deste trecho começa com a pergunta: “como é que o Faraó vai me ouvir” e termina com as palavras: “o Faraó não o deixou sair”. Moisés e Aarão lutam contra os ídolos do Faraó, é a luta permanente do povo de Israel contra os ídolos.                                                      
     a) 9,14-16 e 10,2: o sentido das pragas: “para que o Faraó saiba que não há ninguém como Eu. E     assim vocês saberão que Eu sou Javé”.. Não mais Moisés e Aarão lutam contra o Faraó, mas Javé mesmo feriu os primogênitos de Faraó, até o Faraó pedir a benção porque tinha medo “que morressem todos” (12,31-33). Agora entra o povo como sujeito da libertação.
b) 10,28-29: o Faraó: “saia da minha presença”. Moisés: “nunca mais me apresentarei”.         c) Mais tarde o Faraó chama de novo Moisés e pede a benção, um acréscimo Javista. (12, 31-32).

 O livro da Sabedoria reflete as pragas: Sb 16,1-4→ Ex 7,26, 5,14→Ex 8,12-28, 15,29→Ex 9,24-25, Sb 17,1-18,4→Ex 10,20-23, Sb 18,5-19→Ex 12

            c). Realização da libertação 12,1 – 16,36

                                                                                                 
             (S) Um conjunto de textos litúrgicos, não um relato da saída do Egito. A assembleia celebra na história o ritual da ceia da esperança, como um memorial para sempre. O cordeiro lembra a festa dos pastores, os pães sem fermento lembram a festa dos agricultores. (12,1-13,16)           
Javé feriu todos os primogênitos do Egito (12,29 – 36;): partiram de Ramses (12,37-41;). Uma legislação pós-exílica: o texto fala da comunidade de Israel e completa o ritual da Páscoa: exclui os estrangeiros, só os circuncidados participam; a consagração dos primogênitos porque pertencem a Javé (12,42-13,16:)
 No tempo babilônico os Judeus mudaram o inicio do ano para a primavera o mês “Abib”. O profeta Jeremias falou assim: “Quando tirei do Egito os antepassados de vocês, não falei nada nem dei ordem alguma sobre holocaustos e sacrifícios. A única coisa que lhes falei e mandei foi isto: obedeçam-me e eu serei o Deus de vocês.” (Jr 7,22-23)

          (D) Faraó deixou partir  o povo: Eles acampam a beira do deserto 13,17-22:.
 Moisés fala aos filhos de Israel para acampar em Piairot. A batalha do exército do Faraó contra Javé. O povo cheio de medo: “Você nos trouxe para o deserto para morrer?” (14,1-31). Moisés: “Fiquem firmes”, o caminho para o livre serviço a Javé é longo, lembra o Israel pós-exílio. Agora Israel viu a mão forte de Javé, o povo temeu a Javé e acreditou nele e em seu servo Moisés.
 Javé reina para sempre sobre os impérios. Miriâm entoava (15,21): “Cantem a Javé, pois sua vitória é sublime”. Moisés fez Israel dirigir-se para o deserto de Shur. Javé é o bom pastor, que caminha com seu  povo no deserto e dá água e pão. Ainda se fala do sétimo dia e não do Sábado  (15,22 - 16,5-35).
      

             II  O Centro: Israel no Sinai 17,1 – 24,11     

        Os capítulos 17,1 - 24,11 começam assim: “Toda a comunidade dos filhos de Israel”, isto indica a mão dos sacerdotes sadoqitas. O texto quer responder à pergunta: qual é o significado do seu nome? (3,13) Ele é o bom rei que quer a partir do seu Monte Santo formar o seu povo. O resultado da formação do povo se encontra no capitulo 24, 9-11: “contemplar a Deus, comer e beber diante dele”, (veja 18,12). O pavimento de safira caracteriza Javé como rei universal (Isaias 6, Ezequiel 1,10 e Zacarias 1. O texto fala primeiro do caminho, depois da Teofania: 


          No caminho:


          a)    A fome Ex 16
           A estrutura central é constituída por um relato sacerdotal, se fala da comunidade dos filhos de Israel e da observância da lei do Sábado integrando o Javista (4-5, 13b-15, 21b, 27-30, 35b,). Javé faz com que do céu chova pão, o termo designa toda espécie de alimento. Para Nm 11,4-8 e 21,5 o maná é apenas um alimento desprezível.

      b)    Reclamação de água: Êxodo 17,1-7 (cf. Nm 20,1-13) 
S (Sacerdote):
    Toda a comunidade dos filhos de Israel partiu do deserto de Sin...
    para as etapas seguintes, conforme a ordem de Javé, e acamparam em Rafidim.
D (Deuteronomista):
     Onde o povo não encontrou água para beber.
     Então o povo discutiu com Moisés, dizendo: “Dê-nos água para beber”.
 S: Moisés respondeu:
    “Porque vocês discutem comigo e colocam Javé à prova?”
 E (Eloista)  Mas o povo tinha sede e murmurou contra Moisés, dizendo:
    “Porque você nos tirou do Egito? Foi para matar de sede a  nós, nosso filhos e nossos animais?
     Então Moisés clamou a Javé:  “O que vou fazer com este povo? Estão quase me apedrejando!
   - Javé respondeu a Moisés:
 S (Sacerdote):
    “Passe a frente do povo.  Eu estou lá já antes de você junto à rocha do Horeb”.
 D: 5b - “Tome com você alguns anciões de Israel, leve com você a vara com que feriu o  rio Nilo e caminhe.  Você baterá na rocha, e dela sairá água para o povo beber
      Moisés assim fez na presença dos anciões de Israel.
 S (Sacerdote):
      E deu a esse lugar o nome de Massa e Meriba,  por causa da discussão dos filhos de Israel
      e porque puseram Javé à prova...  Javé está no meio de nós, ou não?

   Explicação: Diferente da água mortal do rio Nilo Javé, o bom Rei, dá a água viva e depois as palavras da vida.
            Na base está um texto do Eloista (só um pouco diferente de 15,22 até 25a): o povo está quase morrendo de sede e grita ou murmura (não é pecado). Javé, o bom Rei, escuta e manda Moisés bater na Rocha, Moisés está também ao lado do povo e pergunta: “o que devo fazer?” Ele faz o que Deus manda.
Segundo: O acréscimo do Deuteronomista agrava a situação: Moisés acusa o povo de discutir com ele e colocar Javé à prova. É um processo (rib), por isso o nome do lugar Meriba.
Terceiro: O texto sacerdotal avisa a aparição de Javé no Horeb. A pergunta fica para sempre: “Javé está no meio de nós?”.Portanto: Javé estará como ele estará.

No Nm 20: o episodio é apresentado sob a forma de um processo da assembléia com Moisés ou com as autoridades. Moisés e Aarão reúnem a assembléia e chamam-na ´Rebeldes´. Moisés mesmo duvida: ¨Acaso poderemos nós fazer jorrar água¨? (Nm 20,10). Moisés não entrará na terra.

      c)    Combate de Amalec contra Israel 17,8-16;

Javé salva Israel de Amalec, “ele está no meio de nós”. O combate acontece em Rafedim:  Aarão e Ur apoiam as mãos de Moisés, o gesto das mãos erguidas pode significar: se proteger contra um agressor, ou rezar, ou abençoar, não é a força das armas e cavalos que vence, mas Deus mesmo dá o sucesso pela oração.
Amalec assalta Israel que estava fugindo do Egito, passa fome e sede, é fraco e se defende contra o assalto.
Israel está a caminho para o Sinai em romaria, está protegido por Deus, pois os romeiros estão amparados pela lei divina.
Amalec não é qualquer um, mas um povo irmão, Amalec é neto de Esaú, se repete o antigo conflito entre Caim e Abel, Jacó e Esaú.
Josué enfraqueceu Amalec (13) não venceu. Amalec personifica o inimigo mortal de Javé, é o império do mal do satanás “haverá guerra entre Javé e Amalec de idade em idade” (Veja Gen 3,15 “eu porei inimizade entre você e a mulher”).

        d)    Jetro vem e vai – descentralização do poder. 18,1-27.

           II  Os diferentes relatos sobre a Teofania no Sinai 19,1 – 20,21:

      O deserto de Sinai é a origem dos adoradores de Javé: “Javé, quando saístes de Seir... as montanhas se abaixaram diante de Javé, ó do Sinai” (Jz, 5,4), “Javé veio do Sinai, por eles se elevou no horizonte pelos lados de Seir (Dt 33,2), “ó Deus quando saístes... a terra tremeu diante de Deus, ó do Sinai” (Salmo 68,8-9).
      Sair é um termo técnico da guerra: Javé como guerreiro sai para defender seus adoradores que estão caminhando. Nas outras culturas os fiéis vão para o santuário, aqui Javé vem da estepe e vai para o seu povo.
      Javé se revela a Moisés no monte Horeb (Ex 3,1), é a tradição deuteronomista ou eloísta, cf. Elias (1Rs 19,8).
       Outro modelo é o monte de Sinai, onde Javé fala ao povo que vai para o monte. Temos aqui uma imaginação sobre a revelação de Javé que surgiu quando o povo já estava assentado num estado. Aparecem imagens que apresentam Javé no trono como rei, veja Isaías 6, ou Ezequiel. Os ritos no monte lembram a liturgia em Jerusalém, quer dizer temos diante de nós a liturgia em Jerusalém, que foi colocada no monte Sinai lembrando que toda a experiência de Javé surgiu no deserto. Todo é uma celebração das Dez Palavras de Javé.
      Os Creios de Israel não falam nada do Sinai só dos acontecimentos no deserto, também Josué não fala do Sinai (Js 24). Atrás das narrativas do Sinai não está um fato histórico, mas o fato como Israel no correr da sua historia entendeu o mistério do seu Deus que aparece sempre de novo no meio do povo com promessas, advertências, compaixão, perdão. O lugar da teofania será o Santo dos Santos na arca  no templo.

              II 1) A TEOFANIA CONFORME O JAVISTA

 Toda a montanha do Sinai fumegava,
             e a fumaça subia, como fumaça de fornalha (19,18).
   Javé desceu no topo da montanha do Sinai
  E chamou Moisés lá para o alto. E Moisés subiu e Javé lhe disse:(19,20-21)
            “Desça e avise o povo que não ultrapasse os limites para ver Javé”.
     Então Moisés desceu até o povo e o avisou(19,25)
.
O centro são as dez palavras de Javé (20,1-1) E ele levantou-se de manhã e construiu um altar ao pé da montanha e doze estrelas para as doze tribos de Israel.(24,4-5)
     E mandou alguns jovens de Israel, e ofereceram holocaustos e imolaram novilhos a Javé.  E Javé disse a Moisés: Fique preparado pela manhã,  e de madrugada, você subira até a montanha do Sinai
            e vai se colocar por mim lá no alto da montanha”.(34,1-2)
E Moisés levantou-se de madrugada, e subiu até a montanha do Sinai, como Javé tinha ordenado.(34,4)  E Javé passou diante de Moisés (34,6). E Moisés apressou-se e inclinou-se por terra e prostrou-se (34,8).
  E Javé disse: “Veja! Vou fazer uma aliança: Vou fazer diante do seu povo maravilhas como    nunca foram feitas em nenhum país ou nação” (34,10).

 Explicação
            “A fumaça da fornalha lembra a sarça na vocação de Moisés”, Javé desce (19,20) como no
Êxodo 3,8.
            Os jovens oferecem holocaustos: isto mostra o culto celebrado em Jerusalém, o holocausto é um sacrifício de agradecimento e totalmente queimado, novilha é um sacrifício para uma ceia comum, são os sacrifícios dos tempos dos Reis, Moisés deve se colocar para Javé no monte, ele se prostrou diante de Javé que passa, é mesmo modo de veneração como na corte quando o Rei passa.
            Vou fazer diante do seu povo maravilhas, veja Gênesis 2,18, “vou fazer para ele ‘como seu face a face’ (não como ajuda nem auxiliar, mas igual), que lhe seja adequada”, Gênesis 12,2 “vou fazer de ti uma grande nação”. Javé fica fiel a si mesmo, vai fazer maravilhas ao seu povo diante de todos os povos.

          II 2) A TEOFANIA CONFORME O ELOÍSTA

 E acamparam diante da montanha.
  E Moisés subiu a Deus, e ele o chamou da montanha (19,2-3).
 “Volte para o povo e purifique-o hoje e amanha: que lavem suas roupas.
 e estejam preparados para o terceiro dia.” (19,10-11)
 E Moisés desceu da montanha até o povo e santificou o povo
            e eles lavaram suas  roupas.
  E ele disse ao povo: “Fiquem preparados para três dias!
 E aconteceu no terceiro dia, pela manha:
Houve trovões e relâmpagos e uma nuvem espessa sobre a montanha, e um som de trombeta muito forte.
E todo o povo no acampamento tremeu.
 E Moisés fez sair o povo do acampamento ao encontro de Deus.
            E eles se colocaram ao pé da montanha.
  E todo o povo ainda mais tremeu. E o som da trombeta aumentava cada vez mais.
Moisés falava e Deus lhe respondeu numa voz. (19,14-19)

O centro são as dez palavras de Javé 20,1-17
20,20 –E Moisés disse ao povo: “Não tenham medo!
Deus veio para prová-los a fim de que vocês tenham presente
o temor a ele e não pequem!
Explicação:
             No primeiro passo o povo deve se santificar para o encontro. Lavar as roupas alude talvez à despedida da escravidão, “Moisés fez sair” como no Êxodo 3,10.
            A revelação: trovão, relâmpago e nuvem vêm da natureza, o som da trombeta vem da liturgia. O povo tremeu de temor, veja Elias 1 Reis 19. Observa: Moisés fala e Deus responde.

Dirijam-se a Betel, e pequem; vão a Guilgal e pequem ainda mais!
Ofereçam de manha seus sacrifícios
E ao terceiro dia levem seus dízimos!
Eu revirei vocês de cabeça para baixo,
Como Deus fez com Sodoma e Gomorra,
E vocês ficarão como tição puxado do fogo.
Mas nem mesmo assim vocês se converterão para mim! Oráculo de Javé!
Pois é assim que eu tratarei você, Israel.
E porque vou tratá-lo assim, prepare-se, Israel,
            para encontrar-se com seu Deus!      Amós 4,4. 11.12:


II 3) AS FALAS DE JAVÉ    (DEUTERONÔMIO)  

Javé fala no Horeb Dt 4,1-14;  5,1-33; 26,16-19: O povo estava de pé diante de Javé: ¨Eu os farei escutar minhas palavras¨. A aliança é bilateral, Javé e o povo são partidários (4,4), não é um pacto entre dono e vassalo, é um compromisso mútuo entre Javé e o povo em conjunto, “Ele se tornou para ti Deus, tu te tornas  para ele o povo”, (Dt 26,16-19); “único caso na Bíblia de semelhante declaração dupla, cada um dos parceiros da aliança obtendo a declaração do outro” (TEB).
 Os textos sempre destacam que todo o povo escutou as dez palavras, não como no livro do Êxodo onde Moises transmitiu as dez palavras ao povo. “Reúne o povo diante de mim; eu os farei escutar minhas palavras para que aprendam a me temer durante todos os dias de sua vida sobre a face da terra, e para que o ensinem a seus filhos” (Dt 4,10-14). Deus fala direto ao coração de cada um. Mas não havia nada além da voz. Tem o forte aviso que Israel pode perder a terra (Dt 30,15-20).
Deus pronunciou as seguintes palavras ( Dt 5,6-21), não são leis nem mandamentos: Deus não manda como um dono sobre escravos, como parceiro ELE  dá conselhos à sua parceira.




       


                        I – Eu sou Javé , teu Deus                                   VI  –         Não cometerás homicídio
                             que fiz você sair do Egito,

                                       da casa da escravidão!
                             Não tenha outros deuses diante de mim.
                              I I -Não faça para você ídolos                             VII  – Não cometerás adultério.
                                        porque eu, Javé seu Deus,
                                        sou um deus  ciumento.
                             III - Não pronuncie em vão                                 VIII – Não roubarás.
                              o nome de Javé seu Deus.
                            IV – Lembre-se do dia de Sábado                         IX   –  Não darás testemunho falso
                                       para santificá-lo, Javé o abençoou,                           contra teu próximo.
                                       não trabalharás!
                              V – Honra seu pai e sua mãe:
                                      assim você prolongará sua vida                          X    – Não cobiçarás nada                                        na terra que Javé seu Deus dá a você.                      do que pertence a teu próximo.


                    As dez palavras são o centro de todas as teofanias. As primeiras cinco palavras falam da aliança de Javé com o povo desde a libertação do Egito - atravessando o deserto - até a terra prometida.

      
 1ª Palavra: Javé é o Deus libertador que tirou da escravidão do Egito, por isso não ter outros deuses que escravizam.
            Ezequiel apresenta a libertação do Egito sob a alegoria da esposa infiel. Deus fez aliança com a mulher Jerusalém (veja Ezequiel 16,8; Oséias 2,16-22; Provérbio 2,17)
            2ª Palavra: não fazer ídolos, porque você: “não pode ver a face de Javé” (Êxodo 33,20). O que se vê, são meramente os reflexos de Javé: nuvem, fogo, a sarça: a glória de Javé. O nome de Deus é “ciumento” que cuida para que Israel não faça para si ídolos e se prostitua com outros deuses. Veja  a estátua do bezerro Êxodo 32 e 34,14-17.
            3ª Palavra: não colocar o nome de Javé (Eu estarei como eu estarei) em coisas vãs. “Javé falava a Moisés face a face, como se fala de pessoa a pessoa (Moisés ouve, mas não vê)” (Ex 33,11), a conversa com Javé deve ser séria. Na tradução para o grego, a LXX, os “Setenta” traduziram Javé por  “Senhor”,  os judeus de hoje chamam Javé: “O Eterno”.
            4ª Palavra: O Deuteronômio justifica o repouso no Sábado com a libertação do Egito em favor do povo, a tradição sacerdotal justifica o repouso com o repouso de Deus após a criação, quer dizer a observância do Sábado se dirige a Deus. A partir do exílio o Sábado ganha importância fundamental para os judeus no estrangeiro.
            No Êxodo 31,12-17, Javé fala: “observem meus sábados porque são sinais entre mim e vocês: os filhos de Israel observarão o Sábado em todas as suas gerações como aliança perpétua”. Os Judeus acolhem o Shabat como noiva da aliança no o famoso poema “Lechá Dodi”.
            5ª Palavra: É o Deus de nossos pais e não das autoridades religiosas e políticas. Por isso: “honrar pai e mãe” para viver na terra que Javé dará. Os pais não só geram os filhos, antes transmitem aos filhos os feitos e maravilhas de Deus com o povo na história. Os filhos vão perguntar: porque nós celebramos estas festas?
           
            Da 6ª Palavra – a 10ª Palavra:
A veneração a Javé se concretiza na relação social, na qual se comprova a fé.
“O Decálogo se dirige a pessoas que têm pai e mãe e filhos e que podem cobiçar mulheres, Sob o ponto da vista das relações de propriedade, ele se destina a pessoas que têm escravos e escravas, que têm terra de cultivo e gado próprio. Os destinatários têm a possibilidade de cultuar outros deuses, de fabricar ou pelo menos erigir imagens de deuses. Eles são aptos a tomar em vão (por juramento) o nome de Javé e a participar de um processo jurídico como testemunhas”. (Crüsemann p.23)
Os livros proféticos falam da instrução de Javé.
           
            Afirmação do povo: O povo entra na aliança “Faremos tudo o que Javé falou”. Como Javé na criação falou e as coisas foram feitas, assim a sua parceira quer fazer o que Javé falou.
                       
            Código da aliança: 20,22 - 23,33:

            Contem leis casuísticas ou condicionais que talvez tenham sua origem em decisões judiciárias. O código é dirigido a uma sociedade que se tornou sedentária. Esta sociedade começa a juntar a prática da agricultura com a criação do gado. 

             Liturgia Ex 24,1-11:
            A conclusão da aliança termina com uma liturgia. O povo de Israel (“am” tem mais sentido de família, enquanto os povos são chamados “gojim”) assume o reinado de Deus “Faremos tudo o que Javé disse” (24,1-2 e 9-11 são do Javista e 24,3-8 do Eloista).

II 4) A TRADIÇÃO  SACERDOTAL

 No início qualquer um pode ser sacerdote, enquanto trouxe uma oferenda a Javé, veja Cain e Abel (Gn 4,3). Malki´Sedeq foi sacerdote do Altíssimo. (Gn 14,18). Abraão quer sacrificar seu filho (Gn 22). Miká convidou um levita de Bet´Lehem a ser para ele um pai e um sacerdote:¨pois este levita tornou-se meu sacerdote¨ (Jz 17,7-13). Samuel serviu a Javé  em presença de Eli, sacerdote, no templo (1Sm 3). Os sacerdotes serviam nos santuários, proferiam oráculos. David aceitou o sacerdócio de Abiatar (2 Sm 8,17), Salomão destituiu casa de Abiatar em favor de Sadoc (1 Rs 2,26)              Genealogias ligam Sadoc a Levi e a Aarão. A conexão de Aarão com o período de Moisés é mais clara. O sacerdócio é como a realeza uma instituição humana.  Deus não quer sacrifícios, e sim misericórdia..
            Só no Salmo 110,4 Javé mesmo disse ao seu senhor: ¨Tu és sacerdote para sempre, à maneira de Malki-Sédeq¨ sem falar de uma pessoa concreta.
 A tradição sacerdotal foi a mais recente e foi escrita durante o exílio ou no pós-exílio Ex 19,1-9. Portanto, a fonte sacerdotal contém vários autores, os últimos serão os sadoquitas.

 As mensagens centrais da  fonte sacerdotal  (S ou P): a aliança

 A Benção sobre o ser humano: Gn 1,28
 A situação de miséria e desespero dos exilados significa para eles o caos, que Deus pode transformar em situação de liberdade, fertilidade e vida do homem e da mulher: “Deus os abençoou”.  
 Aliança com todos os povos: Gn 9,8-17:
           “Deus disse a Noé acompanhado de seus filhos: ‘Eu vou instituir a minha aliança convosco com a vossa descendência e todos os seres vivos... eis o sinal da aliança: estabeleci o meu arco na
nuvem”.  A aliança com Noé foi uma aliança com todas as nações e criaturas. O sinal foi o arco íris.
 Aliança com Abraão Gn 15,1-18 e 17,1-8:
 “Neste dia Javé firmou uma aliança com Abrão, nestes termos: é para tua descendência que dou esta terra. Eu sou El Shadai (o deus das montanhas não o deus poderoso), anda na minha presença e seja íntegro, quero fazer-te dom da minha aliança entre ti e mim, tu te tornarás o pai de uma multidão de nações”.
Aliança através de Moisés Ex 6, 2-7,7
Ex 6,2-7,7 é um texto sacerdotal: O nome Javé aparece na península Sinai, lá Deus fala a Moisés: Ex 6,2: “Eu sou Javé, apareci a Abraão, a Isaac e a Jacó como Deus poderoso, (a melhor tradução: Deus das montanhas El - shadai), mas sobre o meu nome Javé não me dei  conhecer a eles”. Ele se lembrou da sua aliança (6,5).  Aparece várias vezes o termo: filhos de Israel: “se nem os filhos de Israel escutam como o Faraó vai escutar?” Os escribas sadoquitas introduziram este termo.
Em três passos Javé vai agir: 1. “Eu vos farei sair das corvéias do Egito. 2. Tomar-vos-ei como meu povo e para vós serei Deus. 3.Eu vos farei entrar na terra” (Ex 6,6-8). Os acontecimentos no deserto serão a comprovação desta promessa.      
No deserto Javé conclui a aliança que fez da vida de Israel um dialogo com Deus, mas não suprimiu a desigualdade entre os parceiros: porque Javé toma sempre a iniciativa. O deserto não inclui necessariamente o Sinai, que não foi mencionado nos Creios de Israel, nem na aliança de Siquém no Livro de Josué. O Sinai é Jerusalém com uma celebração litúrgica.

Aliança no Sinai  Ex 19, 1-8 520 a.C. começou a reconstrução do Templo em Jerusalém, 515 celebração da dedicação.  O redator do nosso relato conhece estes fatos.
 “Os filhos de Israel chegaram ao deserto do Sinai e acamparam no deserto”. Da montanha Javé chamou Moisés. Agora Javé fala por intermédio do Moisés, o profeta: ¨Dirás isto à casa de Jacó e transmitirás este ensinamento aos filhos de Israel¨ (Ex 19,3), não é um chamado direto aos sacerdotes! Javé dá ordem (Dt 18,18) a Moisés sobre o futuro após o fim da realeza, não é uma teofania.
Por que o deslizamento da aliança Mosaica? O problema era o pecado de Israel, sua revolta contra Deus fazendo o bezerro. Como ganhar o perdão? A queda de Jerusalém mostrou a ineficácia daquela aliança, mas fica a promessa a Abraão. A legitimidade do sacerdócio consiste em operar a expiação dos pecados após as revoltas contra Moisés (Nm 13;14;16;).
A situação é diferente do Ex 6,2-9. Lá Javé falou aos filhos de Israel: “Eu vos farei sair das corvéias do Egito...tomar-vos-ei como meu povo...eu vos farei entrar na terra...Eu sou Javé”.
           O ponto da partida, a saída do Egito, quer dizer da escravidão, fica o fato fundamental, o objetivo da saída muda. A promessa da terra não existe mais. Agora os filhos de Israel chegaram “ate mim”, não se fala mais da entrada na terra, em vez fala da chegada na presença de Deus no Sinai, ou melhor: no templo para servir exclusivamente a Javé. Sempre se repete: “Eu sou Javé”. A finalidade do Êxodo será a aproximação a Javé. “Aquele que vos fez sair da terra do Egito, a fim de para vós ser Deus, eu sou Javé” (Lv 22,31-33).
           No Deuteronômio a aliança foi bilateral, entre Javé e o povo. Mas a terra prometida estava condicionada na fidelidade do parceiro, no fato que Israel guardava as palavras da aliança amando e temendo a Javé. O povo tinha quebrado esta aliança e conseqüentemente tinha perdido a terra.
No Ex 3,14 Javé tinha revelado seu nome: “Eu estarei como Eu estarei” para sublinhar a sua soberania, o que se mostra agora: “Sereis minha parte pessoal entre todos os povos, pois a terra inteira me pertence, sereis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa” (Ex 19,5-6). Agora os filhos de Israel já estão dispersos entre todas as nações, não tem mais a terra prometida, porém a terra inteira pertence a Javé e por falta de reis os sacerdotes substituem os reis. Não vale mais a formula “Eu, o deus deles, eles o meu povo”, o povo será a propriedade, o tesouro de rei, de Javé.
            Agora a aliança é unilateral: Javé fica fiel ao seu compromisso assumindo os filhos de Israel (não o povo) como sua propriedade entre todos os povos.
Vós sereis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa. (Ex 19,3-8). O texto não fala “um povo santo”, mas diz  “uma nação”, o termo nação designa os povos pagãos, aqui chamados povos, enquanto o povo de Israel é chamado nação.
Esta “nação santa” não será mais dividida em Israel e Judá, mas será uma só nação (Ezequiel 37,22), que não será mais submissa aos reis, pelo contrário será dirigida por sacerdotes. Estamos no tempo do pós-exílio quando não tinha mais reis, porque os Persas são os donos da província de Judá.
             O ponto mais alto do serviço a Deus será o Levítico, cap. 19: ”Fala a toda a comunidade dos filhos de Israel: Sede santos, pois eu sou santo, eu Javé, vosso Deus(Lv 19,2).

            Como se realizará esta aliança no Sinai mostra a construção do Santuário (Ex 24,13-31,17), onde Javé da Tenda do encontro falou a Moisés dizendo (Lv 1,1...) Levítico  significa Ele chamou,... quer dizer: não é mais a montanha do Sinai, mas o Templo em Jerusalém, onde Moisés faz  a investidura (25,22) e não mais fala pelos profetas (Dt 18,18) mas pelos sacerdotes.


              III a) Anúncio   b) Obstáculos   c) Realização do Santuário.


                III a) Anúncio para a construção do Santuário Ex 24,13 – 31,17

   A secunda parte do Êxodo trata do anúncio, obstáculo e realização da morada . No meio está a ruptura da aliança com os bezerros de ouro.
O Sinai e as Tábuas do Testemunho passam a ser o veiculo ideológico deste grupo sacerdotal para legitimar seu poder. Aqui não se trata da construção do Templo, mas da tenda da morada, ela é agora o Sinai para onde os filhos de Israel vão ir.

 a)      Parte interna da Tenda:
O interior da Morada contêm a Arca, a Mesa e o Candelabro: A arca deve ser feita com dez tapeçarias de linho retorcido (Êx 26,1) também o véu da separação (Ex 26,31).

   A Arca: O Santo dos Santos
A arca não é mais a pequena caixa de madeira (Dt 10,1-5), o trono de Deus que acompanhou o povo na tomada da terra (1 Rs 8,1-9). Ela será agora o “Santo dos Santos, coberta de ouro. O véu vos servirá de separação entre o Santo e o Santo dos Santos”. O Santo dos Santos é o lugar da santificação, é a Arca do Testemunho (Ex 26, 31-33). Somente o sumo sacerdote poderá transpor o véu uma vez por ano no dia da expiação (Lev 16,11-16).

           Na“habitação” ou na tenda da Reunião estará a arca do testemunho, não mais as “Tábuas da Aliança” (Dt 10,5), mas estará o “Testemunho” (25,16). Testemunho significa: “exortar severamente”, e, como conseqüência de uma admoestação feita pelo tribunal, significa também “testemunhar” ou “chamar alguém para testemunha”. O Santo dos Santos é o testemunho, será um sinal de compromisso de obediência e no mesmo tempo uma ameaça de punição, se o povo não obedecer à suprema autoridade. Quem rompe o testemunho deve ser processado (Ex 31,12-17 sobre a observação do Sábado e as tábuas do testemunho). Assim o “testemunho” será a ameaça constante de morte e destruição pendurado sobre a cabeça do povo. Não tem mais dois parceiros da aliança.

Aparece também o Propiciatório  (Ex 25,22).  Nunca se falou disso. É um novo conceito de “ordem e punição”. Só lá acontece a expiação pelo rito e pelo sacerdote,  só ele tem o poder de perdoar os pecados.  Lá     Deus vai manifestar sua vontade: “Ali virei a ti e falarei contigo” (Ex 25,22).
 Lá Ele estará presente para “falar e ordenar”. No Deuteronômio 18,18, Javé  “fala e ordena” pela boca do profeta. Agora o sumo sacerdote é a única mediação: ele é sacerdote, rei e profeta. É o fim da profecia.

                 b) Parte externa da Tenda: O Altar
     A Arca, o Santo dos Santos, está escondida, invisível, agora precisa aparecer algo visível, santo como a Arca: será o altar com sacerdote. O altar e o átrio (Ex 27), lá serão oferecidos dois holocaustos cotidianos, de manhã e a entardecer (Ex 29, 42-46), costume em uso até 70 d.C.

c) O sumo sacerdote (Ex 28,36), consagrado a Javé:

     O título “o povo consagrado a Javé” (Jeremias 2,2-3 e Dt 7,6)  passa a ser monopólio do sumo sacerdote. O sumo sacerdote será o único ungido (Ex 29,7) e substituirá a dinastia de Davi no poder.
                A roupa do sacerdote (Ex 28,29):
 As roupas são exclusivas do novo rei, que ungido reina em Judá e representa o rei Javé. O “Efod” sustentado por duas ombreiras com os doze nomes de Israel., no meio agarrado por anéis de ouro, o “peitoral de Julgamento”. O sumo sacerdote representa agora uma pessoa coletiva, ele é o povo. A figura do sumo sacerdote agiganta-se.
Outra peça é o manto, cuja orla inferior tem campainhas: quem ouve tilintar os sininhos, não pode se aproximar “para que não morra”. (Ex 28, 33-35).
O ponto alto das roupas será a flor da consagração, amarrada ao turbante consagrado a Javé. (Ex 28,36).
Para viver a aliança no conceito sacerdotal, bastaria cumprir ritos e gestos litúrgicos e respeitar templos e lugares santos. Romper as leis significa pecar. O Êxodo mudou de sentido.

d) Sobre o trabalho no Sábado 31,12-18 e 35,1-3
         Entre o anuncio do trabalho, a ruptura da aliança e a realização do santuário se encontram dois entrelaçamentos que avisam para não trabalhar no Sábado (na construção do Templo).
         Desta vez a motivação para o descanso no Sábado não é a memória da libertação do Egito (Dt 5,15) nem o repouso de Deus depois da criação (Ex 20,11), mas para fazer do Sábado “Uma Aliança perpétua”  (31,16).
         O Sábado significa cessação do trabalho para Javé, Quem trabalhar nesse dia será morto. Não ascendereis fogo em dia de Sábado (35,1-3).

III b) Obstáculos, os  relatos do Javista e Eloísta 32,1 – 34,35


O centro do livro no Sinai terminou: “Eles viram o Deus de Israel... contemplavam a Deus e depois
comeram e beberam” (24,9-11). O final do livro diz: “Moises não podia entrar na tenda da reunião ” (40,34-35).  O que aconteceu, para que Moises não mais podia entrar na tenda?  O povo fez um “bezerro de ouro” e o adorou (veja Deuteronômio 9,7 – 10,5). As conseqüências são as seguintes:
            O perdão não é conseguido de maneira clara e completa (Ex 32,33–34 e 33,3 e 33,19-20). A promessa da terra permanece, só Javé nunca mais poderá ser visto. O rosto de Moises fica invisível ao povo, sempre haverá um véu entre ele e o povo, como haverá um véu de separação entre o Santo e o profano..
            Este trecho não só reflete o pecado de Israel, mas sim desperta a esperança num Deus que perdoa e renova a aliança quebrada (Jeremias 31,34). São relatos do Javista e Eloista.



a)           O pecado do bezerro 32,1-20: “estes são os seus deuses” lembra a luta dos profetas contra a idolatria dos bezerros, erigidos por Jeroboão em Betel e Dan (1 Rs 12, 26-33) para justificar a ruptura com Jerusalém. Os bezerros foram na religião mesopotâmia o pedestal onde moravam os deuses. Veja Elias e Elizeu 1 Rs 17, Amós 4,4; 5,5; 7,10-17 e Oséias 8,5-6.
                A punição 32,21-29: os filhos de Levi mataram uns três mil homens como Moises havia mandado (32,28).  Dt cap.9 não menciona este episódio de violência dos Levitas. Dt 10, 6-9 só fala da escolha dos Levitas.

b)                 O pedido de perdão: Moisés voltou a Javé dizendo: ¨Mas agora, se quiseres tirar o pecado deles... Se não risca-me do livro¨  (32,30-35). Moisés joga sua própria vida na balança, uma antecipação do Servo de Javé que carregará o pecado dos outros.  Javé quer afastar-se do povo, Moises intercede. Javé fala “face a face com Moises” (33,11), mas a face de Javé não pode ser vista (33,20).

c)                  Nova manifestação de Javé 33,18 – 34, (veja capitulo 19) em reação à violação da aliança. Javé é misericordiosa, suporta o pecado.  A TEB traduz: “ele não deixa passar nada, e visita, a iniqüidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos, até a terceira e quarta geração”  34,7, (cf. Na 1,3) (também Nm 11,10-15) Veja Ex. 20, 5 e Dt 5,9. Gn 18,16-21.

d)                  Um primeiro documento que se chama decálogo cultivo 34,9-28:. Tem sua origem no tempo de Elias ou Eliseu: servir a Javé ou Baal. O nome de Javé é “ciumento”. “Vou firmar uma aliança...” O nome de Javé é Ciumento. Moises escreveu sobre as tábuas as palavras da aliança, as dez palavras (Ex 34, 28).

e)                 34,29-35: a pele do rosto de Moisés irradiava, por isso colocou um véu sobre o rosto, este véu separa o povo de Moisés como o véu separa o “Santo dos Santos” do povo.

g)        No final do capítulo Ex 34 encontra-se um texto dos escribas sadoquitas: Aparecem os “filhos de Israel”, não o povo.  Moises tem na mão as duas tábuas do Testemunho  (34,29; 32,15; 31,18).

            III c) Realização do Santuário  Ex 35,1 – 40,38

O santuário se chama: a tenda do encontro, fora do acampamento (33,7; Nm 2,2; 12,4) também morada.
¨Todos habilidosos venham”,( 35,10;) “todos os homens generosos levaram tributos” (35,21);
o povo em conjunto trabalha voluntariamente, um grande mutirão . 35, 25- 35; 36,1-5;), os operários mais experientes fizeram a morada (36,8).
O interior: arca, mesa, candelabro, altar de perfumes (37)
O exterior: altar, bacia, átrio (38)
As vestes dos sacerdotes (39,1-32).
            Entrega de toda a obra a Moisés (39,39-42).
            40,34-38: a glória de Javé encheu a tenda do encontro, de dia a nuvem de Javé pousava sobre a morada e à noite dentro dele havia um fogo, durante todo o tempo de sua viagem. (Ribla 23 p. 123).


               O Projeto Sacerdotal  Sadoquita do 2º Templo
A formação dos escritos sacerdotais começava a partir do exílioA redação final é obra da escola sacerdotal sadoquita depois do exílio nos anos 445 – 398 a.C.

   a) A situação política:
           O Êxodo 24 – 40, o Levítico e Números 1 – 10 falam do grupo sadoquita que chegou ao poder na terra de Judá após as missões de Esdras (escriba) e Neemias (governador). Esdras, o novo Moises, e Neemias vieram em nome do Império Persa para reorganizar Judá em torno dos anos 450.
            Os projetos autonomistas de Ageu, Zacarias e Zorobabel queriam que Judá deixasse de ser um estado vassalo dos Persas e passasse a reviver as antigas glorias dos tempos pré-exílicos. Isso não interessava a Dario, que retirou o seu apoio a Zorobabel. E este desapareceu da cena e todo o sonho autonomista foi derrubado. A corte dos Persas estava interessada em que Judá, vivendo uma situação estável, cumprisse um papel tranquilizador na região toda. A comunidade que transparece neste conjunto de textos não é uma nação política, mas sim uma comunidade cultual. Os Persas inviabilizavam qualquer autonomia política, favorecendo a autonomia cultural e religiosa. Se fala agora do Judaísmo.

 b) O Judaísmo na diáspora:
Por sua vez, as comunidades judaicas da diáspora podiam mais facilmente identificar-se com uma única comunidade religiosa reunida em redor do templo, do que como uma comunidade política ao redor de um palácio. A dependência política judaica dos Persas vai continuar no Império dos Gregos e dos Romanos.
Tobit na diáspora escreveu uma oração de júbilo (Tobit 13):
”Celebrai-o, filhos de Israel, diante das nações, entre as quais ele vos dispersou; aí ele vos fez ver sua grandeza. Quanto a mim, celebro-o na terra em que estou deportado. Mostro sua força e sua grandeza a uma nação pecadora”. No seu Testamento ele aconselha exercer as obras da justiça, dar esmola e praticar a regra de ouro: “O de que não gostas, não o faças a ninguém” (4,15)

     c)   A terra de Deus é universal:
            A promessa da terra não se cumpriu, porque Israel e Judá quebraram a aliança e por isso não há mais a terra de Israel, só a província Jehudá dos Persas. Mas Deus é dono de todas as terras do mundo. (veja a promessa a Noé Gn 9). Não se pensa mais num território nacional, e sim internacional: “pois a terra inteira me pertence” (Êx 19, 5). Assim os dispersos de Israel estarão também na terra prometida. O lugar da reflexão da palavra e da adoração deles será a sinagoga.

       d)      Os filhos de Israel:
         Israel como povo não existe mais, Em vez de falar do povo se fala da comunidade, da assembléia e dos filhos de Israel. Eles são os descendentes do antigo Israel. Os filhos de Israel referem-se ao conjunto do povo de \Judá que se constituiu ao redor de Jerusalém, governado pela hierarquia sadoquita.“Filhos de Israel, no pós-exíllio, indicava os repatriados que voltaram de Babilônia e que se consideravam o verdadeiro Israel, em contraste com os judeus remanescentes, chamados povo da terra. Depois do conflito inicial, filhos de Israel passou a indicar os habitantes do Judá reformado”. (Anna Maria Rizzante e  Sandro Gallazzi (Ribla 41, p 23).
 Mas filhos de Israel são também os israelitas dispersos no mundo inteiro.

        e)     Eu sou Javé:
A fórmula: “Eu, o Deus deles, eles meu povo” (Ex 6, 7) cede à fórmula: “Eu sou santo, sejam santos, Eu sou Javé” (Lv 19). A aliança é unilateral, Javé conclui o pacto com os filhos de Israel, eles serão a propriedade de Javé. O cumprimento das leis  testemunha a pertencia a Javé.
 O judaísmo após a queda de Jerusalém procurava segurança na lei e daí considerava uma ofensa contra a lei, mesmo inconsciente, pecado. Os que não seguissem a observância farisaica seriam pecadores. Os pagãos são, por definição, pecadores.

         f)    O Templo
            A morada de Deus não e mais a Tenda, mas o Templo com o Santo dos Santos em Jerusalém, não partiu mais na frente do povo como antigamente (Nm 10,33), O sacerdócio sadoquita legitima o culto no Templo nos tempos pós-exílicos. A Arca ganha um novo sentido: ela é a “Arca do testemunho”, não guarda mais as duas tábuas. Quem rompe o testemunho deve ser processado (sobre a observação do Sábado e as duas tábuas do testemunho Ex 31,12-18). Assim o “testemunho” será uma ameaça constante de morte e destruição pendurado sobre a cabeça do povo.

         g)   A Aliança com o Sacerdócio
     Moisés fez a investidura dos primeiros sacerdotes (Lv 8,1-12). No pós-exílio o Sumo Sacerdote era a pessoa mais importante na comunidade judaica com a função de um rei, ele recebeu a unção. Isto dá continuidade à promessa dada à casa de David.  O sacerdote assume o titulo rei, veja o excessivo louvor ao sumo sacerdote Simão (Sr 50).
       A palavra de Deus, pronunciada pelos profetas (Dt 18,18), está agora no poder do sumo sacerdote: ele fala e ordena (Ex 25,22). Acabaram os profetas, só continuam falsos profetas.
                   O sinal da terceira aliança é a vara de Aarão (Nm 17, 25). A escolha de Aarão é considerada a partir da ação de Finéias, filho de Eliazar, filho de Aarão. Ele recebe de Deus a promessa de uma aliança de paz  (Nm 25,13). (veja J. Briend: Uma leitura do Pentateuco p.75 ss)
                  Alguns estudiosos ligam  Sadoc – sadoquita com os Saduceus no tempo do NT.


  
  III. Levítico  – VAYIKRA  (Ele chamou)

O livro Levítico começa assim: “Javé chamou Moisés e da tenda do encontro falou-lhe dizendo. (Lv 1,1). Não é mais o Monte Sinaiagora é a tenda  onde Javé falaLá eu te encontrarei, e do alto do propiciatório entre os dois querubins sobre a Arca do Testemunho, comunicar-te-ei todas as ordens” (Ex 25,22). A tenda é o lugar de  dar ordens aos sacerdotes. 

 Datação e Origem
            No livro de Levítico estão organizados antigos tabus alimentares, sexuais e relativos à saúde, nascimento, morte, com origem num tipo de sociedade provavelmente pré-estatal.
Outros materiais jurídicos referentes à propriedade, herança, etc., surgiram a partir do estado, a partir dos anos 1000 a.C.
Boa parte dos códigos já teria certa organização independente, antes da destruição de Jerusalém nos anos 587 a.C.
O Levítico explicitaria as propostas da reforma de Esdras. Os diversos códigos articulados dão à comunidade judaica, aos filhos de Israel, organizada ao redor do templo, indicações sobre todos os aspectos da observação religiosa em conexão da vida econômica, social, sexual, ética, física.

Estrutura
            A. Leis sobre os Sacrifícios 1-7
B. Leis sobre os Sacerdotes 8-10
C. Leis sobre a Pureza  11-15
    O dia da expiação “YOM KIPPUR” 16
D. Código da Santidade 17-24
E. Pertence ao Deuteronômio 25-26
 Apêndice:: Tarifação das promessas 27

 A) Leis sobre Sacrifícios 1 – 7:

O nariz de Deus: Já não se trata mais do Deus que fala que ordena e se relaciona: agora aparece uma divindade que se agrada com  aroma daquilo que é queimado, que participa dos rituais. Esta divindade não pede para ser obedecida, mas quer ser agraciada pelo perfume bom daquilo que a comunidade oferece.
Os sacrifícios têm diferentes funções: uma vez o sacrifício serve para o “dom da divindade”, outra vez  para a “paz”, outra vez  serve para a “expiação”.
Capitulo 1 fala dos holocaustos para  aproximar-se de Deus (QORBAN). São touros, ovelhas e pombas.
Capitulo 2 fala das ofertas vegetais, próprias de uma cultura agrária. As oferendas se consomem por ocasião de uma festa  na qual Deus está convidado em primeiro lugar.
Capitulo 3 fala dos sacrifícios da comunhão: Deus recebe sua parte, enquanto a comunidade reparte o resto, 14 vezes aparece o sacerdote, 7 vezes aparece “perfume aplacador  para Javé”.
Capítulos 4 - 5,1-13 decidem se alguém pecar “por inadvertência” ou pecar sem saber (4,1), dá para entender, por causa de tantas proibições (365) e prescrições (240), os quais o povo não pode lembrar. Pecado no conceito sacerdotal e uma ofensa ao culto.  O pecado por descuido gera uma desordem, que exige a reparação através de sacrifícios ou ritos de absolvição. A imposição das mãos (1,4 e 4, 4) não tem o objetivo fazer passar o pecado da pessoa para o animal, exprime antes a identificação da vítima com o oferente, assim o oferente se dá a Deus. Os sacrifícios pelos pecados (hattat e asam) têm uma função preparatória, eles querem quitar tudo o que impede a relação com Deus.
a-       Se o sacerdote, consagrado pela unção, pecar (ele representa o povo), o que fazer  (4,3...)
b-       Se a comunidade pecar  (4,13...)
c-       Se um príncipe pecar (4,22...)
d-       Se um homem do povo pecar (4, 27...)
e-      Casos particulares: 5,1-13... O pecado será perdoado se o culpado confessar.
Capitulo 5,14-26  fala dos sacrifícios penitenciais. O sacerdote expiará pelo pecado cometido e perdoará. Capítulos 6 e 7  falam dos diferentes rituais dos sacrifícios.

B) Leis sobre os sacerdotes 8-10
 
            Os capítulos 8 -10 reúnem leis acerca dos sacerdotes e suas tarefas. 10,1-7 conta a história de Nadab e Abiú, que foram mortos por não se comportarem conforme as instruções.
            Mantém-se certa hierarquia: Deus – Moises – Aarão e seus filhos e o povo. O que legitima essa hierarquia é Deus: “como ordenou Javé”, isto se repete 14 vezes.

C) Leis sobre a pureza: 11 - 15

A noção de impureza está bem próxima a de “tabu”, ela supõe que a pessoa quer viver uma vida estável, protegida da angustia do desconhecido. Precisa evitar tudo o que é anormal.
A impureza não é um ato culpável. O ato culpável acontece, quando o impuro se comporta como puro, quer dizer transgride os limites.
A lei da pureza tem como ponto de vista o culto, relaciona estas leis com o Deus da aliança (11,44-45). A distinção entre puro e impuro não é uma coisa da higiene ou da ética e sim da distinção entre sagrado e profano. Somente o puro tem acesso ao templo. Veja no NT Marcos 7,1-23; Atos 10 e 1Cor 6,12-20.
A comida cap. 11: comer é uma troca: individual e comunitária, é troca com a natureza, faz parte da criação.  O que se pode comer hoje em dia e o que não se pode comer?
O parto cap. 12: se uma mulher “conceber”  será imunda...? Todas as culturas conhecem procedimentos de separação da mãe após o parto, (até hoje em dia quarentena dias)
 Saúde e doença cap. 13 e 14: os capítulos tratam de lepra que significa qualquer mancha, marca ou sinal que aparece no corpo.
Sexo cap. 15: fluxo seminal do homem, menstruação da mulher. Os capítulos 18 e 20 tratam de novo a sexualidade em relação com à santidade de Deus. Israel tem leis severas contra o incesto. 
Doenças: Há muitas narrativas que vinculam a atividade profética ao trato com doentes e doenças, 1Rs 13,4-6; 2 Rs 4,18-37; 5; 18; 20,1-11.
Agora só o sacerdote decide: “será imundo durante os dias em que praga estiver nele; habitará só fora da comunidade” 13,46. O que interessa não é a saúde do individuo ou da comunidade, mas sim a pureza do culto. A contaminação atinge o corpo, a casa, o cosmo.

   O dia do Grande Perdão Yom Kippur Lv 16

A festa, introduzida após o tempo de Esdras, colocada após a instrução sobre puro e impuro, foi uma grande purificação para livrar Israel das impurezas de todos os tipos. Tornou-se mais tarde uma liturgia de perdão dos pecados propriamente ditos. A Mishna diz: “O Dia do Grande Perdão não expia, enquanto um não se reconciliar com o outro”. (TEB).   O bode expiatório tem tradições antigas.  

D) Código da santidade 17 – 24:

O código se dirige não a uma entidade política e sim religiosa, as leis são ligadas ao culto e ao clero. Isto corresponde ao projeto dos Persas nesse período de 445 a.C. ”Era a lei, suplementada pela administração persa, e era o sistema de santidade sacrifical e ritual centralizado no templo”

Cap. 17: O lugar do sacrifício: a tenda (ou templo)

Cap. 18-20 A santidade exigida (sexo, uniões proibidas, incesto 18)

O termo Santo significa agora ser “separado” dos outros povos do mundo.  Assim Deus é separado do mundo.  Deus separou os Israelitas do Egito, da casa da escravidão, para agora ficar presente diante de Deus. Observa: que não se fala mais da terra, porque  a maioria vive na diáspora como estrangeiros, lá eles estão presentes diante de Deus e toda criatura, um novo universalismo. Também não escutamos: Eu, o Deus de vocês, vocês meu povo.

O ponto mais alto do Levítico será o capitulo 19: ”Fala a toda a comunidade dos filhos de Israel: sede  santos, pois eu sou santo¨ (19,2)
No meio de um desfile de leis, ritos e tabus dedica-se este capítulo (19) às deveres para com o próximo. Mais que um código jurídico este capitulo apresenta um modelo ideal de vida.  

A santidade se caracteriza pela prática  da justiça libertadora para produzir um relacionamento comunitário. Não são leis com a consequência de punição, são normas, observações e conselhos como as normas e os estatutos no. Dt 12-26. São comentários das Dez Palavras  (não mandamentos). A norma fundamental é o amor ao concidadão e ao estrangeiro.

Não te vingues e não sejas rancoroso em relação aos filhos do teu povo: é assim que amarás o teu próximo, ele é como tu” Lv 19,18. O hebraico não fala  “como a si mesmo”, mas sim “ele e como tu” (tradução de Martin Buber).  A exegese judaica antiga compreendeu às vezes Lv 19,18 da seguinte maneira: “Amarás o teu próximo como a outro tu mesmo”. (Introdução: Sirácida TEB p. 1714)
¨O imigrante será para vocês um concidadão, você o amará ele é como tu, porque vocês foram imigrantes na terra do Egito¨ (19.33).


                                       A Máxima, chamada “Regra de Ouro”
            O chinês Confúcio 551-479 a.C. foi um dos primeiros a articular a regra de Ouro. Seus discípulos devem cada dia praticar este ensino, o mais importante para a vida, chamado <ren>. A religião não pode ser separada do altruísmo, tratar o outro com absoluto respeito.
            No Canon Páli o “Buda” Gautama, nascido por volta 563 a.C. na Índia se diz: “Como eu sou, estes são; como estes são, sou eu. Se assim um homem se iguala ao outro, não quer matar ou se deixar matar”. “Respeitando a mim mesmo eu respeito o outro, respeitando o outro eu respeito a mim mesmo”.
            Na Bíblia a fonte sacerdotal aconselha num sentido positivo: “É assim que amarás ao teu próximo, ele é como tu”. E num sentido negativo; não repetir o que os Egípcios fizeram com Israel: “Esse migrante tratá-lo-eis como um nativo, amá-lo-ás, ele é como tu”. (Lv 19, 18 e 34). Esta tradução  de Martin Buber: “ele é como tu” rompe com o egocentrismo “como a ti mesmo”. O pai Tobit ensina o filho: “O de que não gostas não o faças a ninguém”. Tobit 4,15. Rabi Hillel (30 a.C.-9 d.C.) repete esta regra argumentando, que esta regra é toda a Torá, o resto é explicação. 
            O Evangelho de Mateus confirma esta regra: “Portanto, tudo aquilo, que querei que os homens  façam a vós, fazei-o vós mesmos a eles: esta é a Lei e os Profetas” (Mt 7,12).
            As tradições de Maomé (Hadithe) ensinam: Ninguém é um muçulmano verdadeiro enquanto não deseja para o seu irmão o que deseja para si. “Deseja aos outros homens, o que desejas para ti”.     
       Empatia: Na empatia trata-se de sentimentos, emoções, compaixão, misericórdia, o que  não se pode confundir  com a simpatia ou antipatia. Na simpatia eu gosto o outro, na antipatia eu não gosto do outro. Na empatia eu quero sentir o que sentiria caso se estivesse na situação vivenciada por outros.                                                                                                                     
 (veja o livro: Twelve Steps to a compassionate Life  Copyright 2011 Karen Armstrong                       The Bodley  Head   Random House, 20 Vauxhall Bridge Road, London SWIV 2 SA               www.rbooks.co.uk)

Cap. 20-24: penalidade, santidade dos sacerdotes (21), alimentos sagrados (22), festas do ano (23), respeita a Deus e à vida, lei do talião (24).

 E) Conselhos do Deuteronômio 25,1 – 26,46

 Estes capítulos pertencem ao estilo e pensamentos do Deuteronômio que busca uma sociedade soberana e igualitária.  Javé não fala da tenda, mas por Moisés no monte Sinai aos filhos de Israel, “Os filhos de Israel” é a mão sadoquita (25,1). O texto fala do jubileu, da distribuição da terra, do resgate e das dividas, “Se teu irmão tem dívidas” (25,35, 42;) recorda a aliança 25,55 e promete benção e maldição. “São os preceitos com os quais Javé fez aliança com os filhos de Israel no monte Sinai, por meio de Moisés” (26,46).


IV. Números: Bamidbar:  No Deserto

                      Do Egito até o Sinai:

            Na promessa de uma aliança de Javé com Abrão ainda não há diferença entre amigos e inimigos da aliança, Javé entregará a terra aos descendentes de Abrão (Gn 15,19-21). Não se fala da violência e do extermínio dos habitantes. Porém, a libertação de Javé provoca revolta e resistência da parte do povo: o povo murmura:
            A primeira revolta houve diante do mar e dos Egípcios (Ex 14,11-12) quando Javé mostrou sua solicitude e salvou.
            Logo após a passagem pelo mar eles encontram água amarga e o povo murmurou (15,14,27). Eles encontraram água.
             Entrando no deserto de Sin (Ex  16) de novo murmuração, revolta, falta carne e pão. Javé manda codornizes e maná.
             Em Refidim de novo falta água. Eles colocam Javé à prova. O nome de lugar: Massá e Meribá: Prova e Contenda.
             Nesta caminhada do mar até o Sinai não houve ira ou punição de Javé, ainda não tinha a aliança. Javé se mostra como um bom pastor, Israel podia confiar em Javé e Moisés (Ex 14,31;).

             A aliança no Sinai
            Agora mudou tudo com aliança que Javé fez com os israelitas. Israel deve cumprir este pacto, deve contribuir da sua parte. Javé é fiel (emunah), é um Deus ciumento (el-qannã). A segunda palavra anunciava:  ¨Não faça para você  ídolos, porque eu, Javé seu Deus,  sou um deus ciumento¨! (Ex 20,4-7, Dt 5,8-10;)
¨Não te prosternarás diante desses deuses e não os servirás  pois eu sou Javé, teu deus, um Deus ciumento, visitando a iniquidade dos pais nos filhos, por três ou quatro gerações – se eles me odeiam – mas provando a minha  fidelidade a milhares gerações.- se eles me amam -.


            A cólera de Javé: 
 Agora há o pacto entre Javé e o povo. Javé é um deus ciumento  que de sua parte guarda a aliança enquanto o povo é traidor e quebra a aliança. Moisés demora na montanha e o povo faz um bezerro de ouro. ¨ É um povo de dura cerviz, minha cólera se inflama contra eles. Vou eliminá-los¨ ( Ex 32,9-10. Os filhos de Levi reuniram-se em volta de Moisés que manda: cada qual mate irmão, amigo vizinho. Houve cerca de três mil mortos no meio do povo (Ex 32,25-29). ).  A cólera de Javé se dirige primeiro contra o próprio povo e não contra os habitantes da terra.


       O livro dos Números é o grande final do projeto sadoquita, ainda no deserto do Sinai, um mês depois de ter sido erguida a tenda da Reunião, Javé determina o recenseamento do povo: clãs, famílias (1,2), por exércitos (as tropas fornecidas por uma tribo).
      Com certeza as lições do deserto foram um elemento aglutinador de memórias provenientes de vários lugares e grupos. Vamos ver como a mão sadoquita interveio no conjunto das memórias para dar fundamento e substancia ao projeto hierocrático.
As palavras “filhos de Israel” indicam quase sempre um escrito sacerdotal pós-exílio e significaram os repatriados que voltaram de Babilônia em contraste com os judaítas remanescentes, chamados povo da terra. 53 vezes aparecem os “filhos de Israel” no Levítico, 54 vezes no livro dos Números.
Os escribas do secundo templo fizeram a última revisão dos livros sagrados e mudaram as antigas memórias do povo para legitimar o poder sacerdotal como aconteceu no livro dos juízes (Jz 17-21) “E violentaram sua memória” Ribla 41, p.17.
 
1.)   Os Levitas, os filhos de Leví: (S)

    Os levitas não foram recenseados, eles se encarregarão da morada do testemunho (1, 58), acamparão em redor da tenda (1,53), enquanto os filhos de Israel formam o acampamento a certa distância em torno da tenda: a leste (2,3)...ao sul (2,10)...a oeste (2,18)...ao norte  (2, 25) com um número fantasioso de exércitos.
Na ruptura da aliança (Ex 32, 25-30) são os filhos de Levi que mataram cerca de três mil homens, “Recebei hoje a investidura da parte de Javé, cada um ao preço até mesmo de seu filho e de seu irmão”. Mostra o zelo religioso desta tribo. O Deuteronômio não menciona este massacre. Nos capítulos 19 – 21 dos Juízes encontramos a mão do redator final da Torá: se fala dos filhos de Israel, da assembléia, como comunidade com soldados em número fantasioso. A mulher de um levita foi maltratada e morta pelos Benjamitas e segue a vingança.
      Somente a tribo de Levi está encarregada da morada do Testemunho (Documento na tradução TEB, mas não aliança como traduz a Bíblia pastoral) 1,49-53. Os levitas são diferenciados dos sacerdotes, eles estão à disposição do sacerdote Aarão (3,5-13), são doados aos sacerdotes, estão em troca de todos os primogênitos.    
      “Os Levitas acamparam ao redor da habitação do Testemunho. Deste modo a ira não se manifestará contra a comunidade dos filhos de Israel” (1,53). Os levitas são agora os limites do espaço sagrado que antigamente impediam o acesso do povo no Sinai. A Tenda da Reunião será o centro (2,1).
      A grandeza dos Levitas é também, sua limitação: “faze aproximar-se a tribo de Levi e põe-na a disposição de Aarão, o sacerdote; Eles estarão a seu serviço... Darás, pois, a Aarão e a seus filhos os Levitas, como doados ” (3,6). “Se os Levitas ultrapassarem os limites e tocarem as coisas santas, de uso sacerdotal, eles também morrerão” (4,15-20).
      A função dos Levitas lhes advém do Santuário, da Arca e do Altar, mas eles serão devidamente distanciados destes mesmos objetos.
    Seguem o estatuto dos levitas, (cap.3), prescrições rituais (cap. 5-9)

  2,) Do Sinai pelo deserto até Cadesh:

  A partida:
O capitulo 10 volta a falar em termos militares, quando é definida a ordem de marcha. Toda a ação da comunidade será comandada pelos diferentes toques das trombetas, como em todo o exercito, como em todas as antigas guerras. “Serão os filhos de Aarão, os sacerdotes, a tocar as trombetas” (10,8). Os chefes desse exército serão os sacerdotes. O exercito é uma figura de um povo ordenado e obediente. As trombetas estarão ligadas ao santuário e ao altar (veja Josué 6,9; 1 Samuel 4,5).
      . O “Príncipe” de Judá não é mais o rei, mas sim o Sumo Sacerdote. A terra de Judá será considerada “porção santa” reservada a Deus e preservada pelo sumo sacerdote.
      O elemento estabilizador deste sistema será a separação e distinção entre o que é sagrado e o que é profano, o que é impuro e o que é puro. O livro dos Números segue as orientações de Ezequiel 40 – 48.
Este modelo de sociedade hierocrática foi idealizada como a imagem da comunidade ideal, a “societas perfecta”, o tipo do novo Israel, figura da igreja reunida ao redor de Cristo e de seus ministros e sacerdotes  . 

        Até Cadesh:
        (Nm 10,29-12,16) A memória da profecia e não do sacerdócio marca esta página, é a mão do Javista. O maná era parecido com a semente de coentro (11,7). Fala dos setenta anciãos, que recebem do espírito de Moisés (11,17 ss)
 “Oxalá todo o povo de Javé se tornasse um povo de profetas! (11,29). A presença de Miriam  mostra a antiguidade do texto 11,35-12,16; (veja Ex.15,20-21).

         A missão dos doze exploradores (Nm 13).
       Foi incluída a figura de Caleb e Josué, esticando até 40 anos a viagem no deserto. Aarão está sempre ao lado de Moisés (antes não). Na revolta Moisés intercede e cita Ex 34,6-7: “Eu sou Javé, lento par a cólera e cheio de bondade fiel, que tolero a iniquidade e a rebeldia, mas sem nada deixar passar... (14,18). Javé responde:” Eu juro, não entrareis na terra em que fiz juramento de vos estabelecer, a não ser Kaleb e Josué
(14,30).  A mão sadoquita acrescentou umas páginas legislativas: oferendas, tributos, ritual, Sábado (15).

            O protesto contra Moisés em Haran:
          Todos os filhos de Israel protestaram contra Moisés e Aarão (Nm 14,1-4). A crise mais grávida após o bezerro de ouro. Eles querem nomear um chefe e voltar para o Egito. Pela primeira vez não Moisés mas Javé mesmo fica responsável pelo êxodo. Punição: esta geração de dura cerviz não entrará na terra prometida (Nm 14,26-38).

            Revolta de Qôrah, Datan e Abirâm:
Revolta da aristocracia levítica contra Moisés e Aarão:¨ Com que direito vos elevais acima da assembleia do Senhor¨? (Nm 16,1-3). A terra se fendeu e os engoliu (Nm 16,32). Revolta do povo e 14700 foram vítimas (Nm 17,13). Esta passagem resulta da fusão do Javista (revolta de Datan e Abirâm contra Moisés) com a mão sadoquita que acrescenta a revolta de Qôrah por não aceitar a autoridade sacerdotal.
      O povo consagrado a Javé (16,3)  murmura contra a autoridade de Aarão (16,11). O antigo conflito entre os chefes e Moises vira-se agora o conflito entre levitas e sacerdotes (16,9-10). A terra engoliu toda a gente de Qôrah. O povo gritou: Fujamos, senão a terra nos engolirá também (16,31).

      O bastão de Aarão (Nm 17,25)
      A comunidade dos filhos de Israel se revolta, de novo vítimas de flagelo.         Destaca-se: o poder propiciatório de Aarão (17,11-15), o primado dele (17,16-25), supremacia dos sacerdotes sobre levitas (18,7).  A legitimidade dos sacerdócios consiste em operar a expiação dos pecados após as revoltas contra Moisés. Agora o sinal da terceira aliança é a vara de Aarão (Nm 17, 25). A escolha de Aarão é considerada a partir da ação de Finéias, filho de Eliazar, filho de Aarão. Ele recebe de Deus a promessa de uma aliança de paz (Nm 25,13). Todos os capítulos destacam o poder sacerdotal para expiar e perdoar. Seguem prescrições diversas

            3.) De Cadesh a Moab Nm 20,1 -22,1:

      Da mão sadoquita são as águas de Meriba e o castigo de Moisés e Aarão (20,1-13), a morte de Aarão e a investidura de Eliazar (20,22-29).
   A narrativa sobre a água em Números foi redigida mais tarde do que Êxodo 17 e mostra o conflito entre a comunidade e a liderança (Moisés e Aarão). Este trecho fala do pecado de Moisés.
1 – A comunidade inteira dos filhos de Israel acampou em Cadesh.  A palavra “Cadesh” corresponde           
      ao versículo 13 onde se fala da “Cadoshe” da santidade de Javé)
2 – As pessoas se amotinaram contra Moisés e Aarão
3 – Quem dera tivéssemos morrido... Porque você trouxe a comunidade a este deserto?
6 – Moisés e Aarão foram à entrada da tenda e a glória de Javé apareceu...
7 – Javé disse: “ordene que a rocha dê água” (a fonte dos sacerdotes valoriza a palavra. Moisés
      devia falar “que a rocha dê água” em vez disso, Moisés acusa o povo e duvida se pode fazer jorrar água. Seu pecado é não obedecer a Javé.
10 – Moisés disse ao povo: “Ouçam rebeldes: acaso poderemos nós fazer jorrar água?”
11 – Moisés bateu duas vezes na rocha (em vez de falar ele bate na rocha).
12 – Javé disse: “Visto que não acreditando em mim, não manifestaste minha santidade não fareis entrar esta assembleia na terra”.
         (É o único texto que explica porque Moisés não introduziu o povo na terra. Apesar disso é uma advertência aos sacerdotes que não estão a serviço do povo).
13 – Meriba: significa contenda ou processo, Javé manifestou sua Cadoshe = santidade.
            Desta vez Moisés duvida: ¨Acaso poderemos nós fazer jorrar água deste rochedo¨? Eles devem falar  ao rochedo, mas não bater nele. Moisés e Aarão não vão entrar na terra. (Nm 20,1-13). Morte de Aarão (20,22-29)

            Primeiro interdito contra os canaanitas: (Nm 21, 1-3)

            Israel votou os canaanitas ao interdito, tanto eles como suas cidades. Deu- se a este lugar Hormá, se parece com herem = interdito..
Violência contra os costumes e cultos dos outros povos é santa e necessária para que Israel fique santa. ¨O Dt 7,1-6 decretou: ¨Quando Javé te tiver feito entrar na terra cuja posse vem assumir e ele tiver expulso de diante de ti numerosas nações, o hetita, o guirgashita, o emorita, o canaanita, o perizita, o hivita,e o jebusita, sete nações mais poderosas e mais fortes do que tu, vota-los- ás por completo ao interdito¨.( Cf. Dt 20, 1-20;.

            A serpente de bronze:
            Continuação de Meribá: Partiram de Hor-a - Montanha o povo perdeu a confiança em Javé que enviou serpentes abrasadoras. Pediram a Moisés que Javé afaste de nós as serpentes. (Nm 21,4-9).

          4.) Moab  

            Os oráculos de Bileam
Na terra de Balaq, rei de Moab na frente de Jericó Bileam, montado num jumento, deve amaldiçoar os tribos de Israel, mas abençoa.(Nm 22,1-24,25).
      Estas memórias são bem antigas e proféticas. Balaão (Bileãm) segundo um relato Eloísta era um adivinho arameu, ele não cedeu às instâncias do rei de Moab, antes de ser sido autorizado por Deus. Como no outro relato era midianita (31,8), pôs se a caminho para atender ao apelo de Balaq sem permissão por Deus. Barrado pelo anjo (a jumenta) teve de retornar e Balaq teve de ir procurá-lo.
     Mas na redação sadoquita ele é apresentado como falso profeta (31,8 e 16). Balaão vê uma estrela que avança de Jacó (24,17) veja Mateus 2,7.

            Traição de Israel
            Israel trai Javé, pois prostituiu com as filhas de Moab. Israel se pôs sob o jugo do Baál de Peor. Moisés disse aos juízes: Cada um de vós mate aqueles que se puseram sob o jugo do Baál de Peor. O sacerdote Pinhás mata os culpados. (Nm 25,1-18).
A benção de Finéias, filho de Eleazar (25,12-13) serve de contrapeso às bênçãos de Balaão sobre todo o povo. O novo chefe é Josué (27,12-23), mas quem consulta a Javé será Eleazar: o sacerdote será a suprema autoridade.    

 5.)  Instruções para Canaã

 Josué sucede Moisés (Nm 26-27)                                                                                                                Oferendas dos dias da festa, votos da mulher (Nm 28-30)                                                                           Regras na guerra contra os Midianitas (Nm 31)

 Gad, Rúben e Makir se instalam a leste do Jordão (Nm 32)
 As etapas, as fronteiras da terra, instruções (Nm 33-36)

     A violência sexista no Livro de Números:
     5,11-31: a prova da mulher suspeita de adultério
     12,1-16: castigo de Mirjam e 20,1 a morte dela
     25,1-18: o massacre de Cozbi, a midianita
     27,1-11: cinco irmãs e a terra
     30,1-16: voto de mulher
     31,1-18: o massacre das midianitas
     36,1-13: o controle da herança das mulheres (Ri 41, p. 11)
          
            Consequências na história:

        O Êxodo significa primeiro uma saída revolucionária de um império opressora, secundo a eleição de um grupo santo  e  superior, terceiro a entrada e a colonização de uma terra prometida. Carolo V mandou ler cap. 20 do Deuteronômio  para justificar o extermínio dos índios na América Latina. No sec. XVII os `Puritanos` da Inglaterra saíram para o novo mundo conscientes de ser o novo Israel para fundar uma nova sociedade conforme os mandamentos de Deus. Até hoje os EUA se acham chamados de  trazer democracia e capitalismo ao mundo.

         O nacionalismo na Europa do sec. 19 se fundou nestas ideias da eleição de Israel  (Max  Weber). O radicalismo da direita em Israel contra  Palestina tem aqui sua raiz. Não é de admirar como os muçulmanos radicais (IS) acabam os seus inimigos no extermínio.. (Jan Assmann, p. 277 e 397)



  V. Falas de Moisés (Deuteronômio)

      Por causa das leis, preceitos e costumes a Septuaginta (LXX) traduziu “As falas de Moisés” por “Segunda Lei” (Deuteronômio cap. 12-26).

              INFORMAÇÃO:

A ideologia dos Sadoquistas só aparece no final com alguns comentários a partir do cap. 31.
Jesus segue a tradição das ´Falas de Moisés´ e dos  Videntes (profetas).    


Organização do Livro:
 1 Caminho do Horeb para o Nebo: todo o tempo do deserto 1, 6 –  3,29 :
 2 Admoestação: Agora Israel, escuta 4 ,1 –  4,40 :
 3 Acontecimentos no Horeb: As 10 Palavras da Aliança 5,1 – 6,3:
 4 Admoestação: Escuta Israel Javé é um, amarás Javé. 6,4 – 11,25:
 5 As leis, preceitos e costumes. 11,26 – 26,19
 6 Aviso para o futuro, benção e maldição”


   D  Cap.12 até 26 contem o código das Leis, preceitos e costumes, são um ensino de exortações, , apelos e advertências, se referem a costumes antes dos reis. Interesse especial tem os Levitas. O autor de D se deixa provavelmente encontrar entre os levitas e não entre o pessoal do rei.


          A pessoa que escreveu as leis vem dos sacerdotes de Silo, só os levitas são verdadeiros sacerdotes, o povo deve cuidar deles, eles reconheceram um rei, porque o líder deles, Samuel, chamou e ungiu os primeiros dois reis.


         Dtr 1  O deuteronomista pegou o código das Leis e escreveu uma introdução (D 1-11) , depois colocou o codigo e terminou com bênçãos e maldições ((Dt 27-28). Ele entrega tudo aos levitas. O autor estava ligado com os sacerdotes de Silo. O Josias foi o herói do autor, Josias  reparou a injustiça, que os levitas sofreram durante 300 anos.                                                     Jeremias:  Ele admira Josias, estava associado  com aqueles que mexeram com a Torá, quatro vezes ele menciona Siló. Jeremia é sacerdote, mas nunca ofereceu sacrifícios. O livro de Jeremijas tem a mesma linguagem como Dtr.  D e E se completam.


         Dtr 2  O autor exilado completou a história, vivendo no exílio após a destruição de Jerusalém e das prometas de Javé. .(Dt 4,26; 4,27; 28,63; 28,64; 30,18). O povo, libertado do Egito, volta a Egito. Jeremias é o autor: durante o domínio de Josias ele estava em Jerusalém,  mais tarde  no Egito (Jr 42), Jeremjas, o profeta e Baruc, o escritor ou colaborador, são os autores. Um sigilo em argila diz: ¨propriedade de Baruc, filho de Nerias, esrevente¨.(p 154)



27,1 – 28,69;
 7 Palavras sobre felicidade ou desgraça 29,1- 30,20;                                                                                     8. Investidura de Josué 31;
              9 Cântico de Moisés, 32; a benção e a morte de Moisés: 33 – 34;

1. O Caminho do Horeb para o Nebo 1, 6 – 3,29

Moisés fala depois 40 anos na Arábia, no monte Nebo (1,1) Estes capítulos lembram a dura caminhada de Horeb até o monte Nebo. Moisés fala no monte Nebo onde ele vai morrer.
Ele quer entrar na terra prometida, mas Javé não o escutou por causa do povo (3,23 -29 e 4,21–22). Já no Êxodo 32,32 Moisés tinha falado “Se quiseres tirar o pecado deles... Se não, risca-me do livro”. No Deuteronômio 32, 51 Javé falou a Moisés: “Pois vós (Moisés e Aarão) cometestes uma infidelidade contra mim, no deserto de Sim quando não reconhecestes minha santidade”. (Nm 20,10) Moisés e Aarão não confiavam na efetividade da palavra de Deus e falavam: “Acaso poderemos?”. Tudo mostra a solidariedade de Moisés com seu povo.
Diante de Bet-Peor Moisés fala encarando a morte, ele não pode ver o resultado do seu trabalho. Na Bíblia os verdadeiros lideres são aqueles que, liderados por Deus, fracassam.
O relato do Dt pode ser o modelo para o livro dos Números, 1,3 acrescenta os filhos de Israel, o que não aconteceu depois:
Juizes: 1,9-18 (Nm 11,11-17 e 24-30)
Revolta em Cadesh-Bernea: 1,19-2,1 (Nm 13+14)
Travessia pacífica de Edom, Moab e Amon 2,2-23;
Ocupação de Sihon,2,24-37 (Nm 21,21); Og 3,1-7 (Nm 21,33-35)
Partida de Guilead 3,8—22 (Nm 32)

2. Agora Israel escuta 4,1 – 4,40

Este discurso lembra a aliança no Horeb. No Livro Êxodo Moisés ouviu as DEZ PALAVRAS e os transmitiu ao povo. Agora o povo mesmo é partidário de Javé: “enquanto vós, os partidários de Javé, estais vivos ainda hoje”. (TEB 4,4). Agora as DEZ PALAVRAS são pronunciadas a todo o povo: “Desde o dia em que Deus criou a humanidade... aconteceu a algum povo escutar, como Tu, a voz de um Deus? Escutaste suas palavras” (4,32 – 38).
Moisés não transmite as dez palavras, mas as leis preceitos e costumes ao povo. O livro fala dos pais e filhos, os pais contam a história da libertação, os filhos perguntam. O Deus é Deus dos pais Abraão, Isaac e Jacó. Observa: não se menciona sacerdotes ou escribas ou mestres e sim os pais.  por isso a importância da quinta palavra: Honra pai e mãe para viver feliz na terra prometida 4,9; 4,25; 4,31; 4,40; 5,16; 6,1-3; 10,15;).

3. AS DEZ PALAVRAS da Aliança 5,1 – 6,3

No Êxodo 33,11 “Javé falou com Moisés face a face”, aqui (Dt 5, 4) “Javé falou convosco face a face”.
As dez Palavras da Aliança são escritas em duas tábuas. As primeiras cinco Palavras falam do compromisso com Javé que libertou Israel do Egito (primeira Palavra). O Sábado está em favor do trabalhador. A quinta Palavra avisa a Terra Prometida. Os filhos escutem o que os pais falam da experiência de Deus com o povo.
As outras cinco Palavras falam do compromisso social do povo.
Javé falou estas palavras a toda a vossa assembléia (5,23 – 27). A assembléia é um termo pós - exílio (qahal, veja Coélet), o grego traduz ekklesía (igreja).

          4. Shema Israel 6,4- 11,25

            Escuta Israel: Este chamado avisa o futuro na terra prometida.
 “Javé, nosso Deus, Javé é um. Amarás Javé teu Deus com todo teu coração, com todo o teu ser, com todas as tuas forças” (6,4). Javé é um: Em geral se traduz único, frisando que não tem outros deuses, mas “um” significa que Javé não é divisível, separável, Ele é inteiro, por isso amarás totalmente Javé. Ele é um Deus ciumento (6,15), uma linguagem de enamorados.
Precisa guardar e praticar. Como resposta ao discurso de Moisés e em conseqüência das leis, preceitos e costumes o povo professa o Creio de Israel: “Quando teu filho perguntar: porque essas exigências?” (6,21 – 25).  Por ocasião da oferta das primícias da terra, o povo confessa de novo o Creio: Declaro hoje a Javé que cheguei a terra... “O sacerdote receberá o cesto de tua mão.” Os sacerdotes são os pobres Levitas, que junto com o migrante, órfão ou viúva recebem o dízimo trienal (26,1 – 12).
 7,1-26 Como Israel deve tratar as nações e gentios na terra que Israel vai ocupar. Javé escolheu Israel, não por ser uma nação grande, Israel é a menor de todos os povos, mas Javé ama Israel (7,8), por isso não deve se contaminar com os costumes dos pagãos. “Pois tu és um povo consagrado a Javé, (7,6) ”porque Javé vos ama”. (7,8 e 7,13).
 8,1-20 Lembra o deserto, quando o povo aprendeu que “nem só de pão vive o homem, mas que ele vive de tudo o que sai da bocas de Deus”. Moisés avisa a tentação na terra prometida, não pode esquecer as lições do deserto.
 9,1-9,29: Escuta Israel: lembra o bezerro de metal fundido. Moisés intercede diante de Javé. “Vejo este povo” (não mais “meu povo”) é um povo de dura cerviz. (9,13). Não menciona o massacre dos Levitas (Ex 32,25-29)
10,1-11 As tábuas novas e a arca: Nas tábuas foram escritos as dez palavras. Javé separou a tribo de Levi para transportar a arca de madeira (6-9).
10,12-11,25: Conclusão “Agora: Israel, o que Javé, teu Deus, espera de Ti? Temer a Javé amando e servindo Javé (10,12)”. Javé ama o migrante, por isso amarás o migrante, pois foste migrante (10,19).

5. As leis, preceitos e costumes 11,26 – 26,19.

            Estas leis, preceitos e costumes não se apresentam na forma literária de um código de leis, mas são um ensino acompanhado de exortações, apelos e advertências. O amor ao irmão ultrapassa qualquer lei. O livro fala sempre do irmão, mas não como masculino, mas também feminino. Moisés aparece mais como um mediador da Torá. Como um Rabi ele ensina as leis e entrega esta tarefa aos levitas 33,10.
Estes capítulos começam com uma benção e maldição celebrativa no monte Garizim (benção) e Ebal (maldição) “Vede, eu ponho hoje diante de vós benção e maldição” (11,26 – 32) e terminam com a celebração da aliança em Siquém (entre Ebal e Garizim) onde se encontra o poço de Jacó (27,1- 28,69). “Eis as palavras conclusivas da aliança 28,69”.

            O lugar escolhido por Deus para os sacrifícios (12,2 -15).
Suprimir completamente os lugares dos deuses com seus altares e estelas, só tem um santuário “No lugar que Javé tiver escolhido” (12,5), assim como só tem um Deus. O texto não menciona o templo em Jerusalém, talvez avisa ainda a grande liturgia em Siquem (Dt 27).   
Lá se oferecem os sacrifícios a Deus. Oferecer é o mesmo termo que se usa para abater um animal para consumo doméstico (No Levítico 1 se fala dos sacrifícios inteiros a Deus e no cap. 3 dos sacrifícios a Deus, da qual uma parte é para os sacerdotes e o resto para o povo).
O Dizimo 14,22 – 14,29
O povo deve separar o dizimo dos produtos do campo, mas não é para o templo nem para os sacerdotes. Após a oferta eles comem diante de Javé. Por quê? Para aprender a temer a Javé. O dono do produto não é qualquer poder político ou sacerdotal, mas o único Javé que devolve ao povo o que o povo apresenta. Nunca mais um produto aos outros donos, o povo é autônomo. A santidade de Javé é a sua misericórdia, Ele cede seu direito aos pobres: se aproximar Dele significa vida.
Os Levitas 14, 27 – 29
            O nosso livro não menciona os sacerdotes como o Livro Levítico, só fala dos Levitas em 10, 8-9; 12,12; 14, 27–29; 16,13–15 e 26,10–11. Os Levitas, provavelmente na reforma de Josias, perderam sua função no santuário (Nos Números os Levitas têm uma função inferior aos sacerdotes, serão doados aos sacerdotes para guardar o santuário Nm 3,5-10 e 4,15-26). No final de três anos o povo deve distribuir o dizimo aos Levitas na porta de sua cidade.  Eles são pobres como a viúva, o órfão e o estrangeiro.
Remissão das dividas 15,1-11
            A cada sete anos acontecerá a remissão (renuncia, desistência, abdicação) das dividas, “É verdade que no meio de vocês não haverá nenhum pobre (ebjon)” (15,4). Mas isso só vale, se o povo na verdade pratica a Torá, se não pratica, haverá pobre. Quem emprestou uma coisa do próximo, deu um penhor, na maioria das vezes a própria vida. Apos sete anos o credor deve abrir mão e perdoar as dividas (a mesma coisa acontece com a terra no sétimo ano) “deixa a terra em descanso” (Ex 23,10-11).
Irmão e Irmã como escravos 15,12-18
A palavra irmão não significa só masculino ou macho, mas sim irmão e irmã (hebreu e hebreia). Na antiguidade, em Atenas o escravo era uma coisa, não uma pessoa. Para se libertar da escravidão precisava pagar. Não é assim no Deuteronômio: o escravo não só merece roupa, alimento, moradia, merece muito mais: ele aumentou com seu trabalho o valor dos bens do dono, ele trabalhou um excedente, por isso: ler 15,13. Sobre escravidão naquele tempo veja Ne 5,1-11.
A teologia das festas 16, 1 - 17.
            Páscoa, festa das semanas e a festa das tendas não são um rito nem um sacrifício a Javé,  elas são uma ceia em comum: “faça uma festa alegre, com filhos e filhas, escravo e escrava, levita e migrante, órfão e viúva” (16,13-15). Depois do encontro com Javé sempre tinha um banquete (Ex 24, 17). A ceia de Jesus também é um banquete.
            Sobre o poder dos lideres
O nosso livro quer um povo de irmãos, quer autonomia e igualdade: só Javé (5, 32 – 6,9), não mais um rei em cima deles, que exige tributos. Temos uma divisão dos poderes:
Os juízes (16,18; 17,7): eles não devem defraudar o direito, mas procurar a justiça. Quem faz o que é mau aos olhos de Javé vai ser levado às portas da cidade. A morte será feita mediante o depoimento de duas ou três testemunhas. Num caso grave se vai ao tribunal chamando o sacerdote – levita e juiz. (início do sinédrio).
Prescrições para os reis (17 14; 20): precisa escolher um rei dentro dos irmãos, ele não pode ter muita riqueza, deve ler todos os dias a Torá...
            Os levitas (18,1 – 8). Às vezes são chamados sacerdotes levitas da tribo de Levi, não são os sacerdotes de Aarão como no Levítico, eles não terão patrimônio, são como órfão e viúva, recebem dos sacrifícios os partes menos importantes.
            Os profetas. (18, 9 – 22)
Moisés é apresentado como profeta: “Será um profeta como eu que Javé suscitará dentre teus irmãos”. (Dt 18, 15 –18) “Nunca mais em Israel surgiu um profeta como Moisés” 34,10. Moisés fala para uma comunidade no caminho, a terra é só prometida, precisa conquistá-la (4,40; 5,16; 6,2; 10,13; 11,8).
            A conquista militar 20,10-20
            Ela é uma construção ideológica: símbolo da fé, não uma ação concreta, não é mérito, mas graça (9,1-7). As leis da guerra 20,10-20 (veja Nm 21,1-3): No combate primeiro fazer uma proposta de paz, se não aceitar passar os varões ao fio da espada, mas conservar as mulheres e as crianças.

          Regras e advertências no Levítico 25-26,2

             Lv 25,1-26,2 pertence a esta República da Torá. Nestes capítulos Javé chama do monte Sinai, não da tenda. Deuteronômio e Levítico tratam do mesmo assunto.
O ano sabático: Lv 25,2-7
O schabbat no sétimo ano será um ano de festa, um ano de cessação (largar). Esta cessação serve a Javé, mas Ele dá os frutos deste ano para o dono do campo junto com aqueles que pertencem a casa.
            O jubileu Lv 25,8-13
O Jubel é uma trombeta que anuncia o quinquagésimo ano (jubileu). Neste ano cada família endividada ou escravizada devia voltar para sua terra. Quem havia comprado terra no correr dos cinqüenta anos devia devolver à (shub). Shub = devolver, voltar, converter e não “fazer penitência”. Javé deixa devolver (shub) para Jó o que tinha antes Jó 42,10. Javé deixa voltar (shub) os exilados de Babilônia para a terra de Israel. Assim se restabelece a igualdade entre irmãos.
Compra e venda Lv 25,14-17
Não vale a lei do mercado “oferta e procura”, (se temos muita oferta e pouca procura o preço cai, mas no contrario o preço sobe). Precisava resolver o problema: qual é o preço justo da mercadoria. A resposta: “não explorar” (Ex 22,20). Aqui se trata de compra e venda da terra, a terra mesmo não tem valor, o que vale é o produto da terra. Em geral o comprador tinha vantagem, porque o dono da terra devia vender. O sentido é: não fazer como o Egito fez. Egito explorou, eles não devem explorar. A terra nunca será vendida em caráter perpétuo: “pois a terra é minha” (Lv 25,29).
Se teu irmão no fundo do poço Lv 25, 25 - 47.
Os versículos 25, 35, 39,47 do capitulo 25 falam o que fazer “Se teu irmão está bem no fundo do posso e a mão dele vacila contigo”. O “Goel”, o resgatador, tem obrigações com os parentes e deve resgatar o parente enquanto está na miséria, no fundo do posso. O livro de Rute ilustra esta situação. Nos versículos 29,34 diferencia-se o valor da casa na cidade, da vila ou campo.
Se teu irmão está no fundo do posso, não cobre dele juros (a palavra hebraica é morder) a fim de que ele possa sobreviver.
Vendido ao próprio irmão Lv 25, 39 - 46.
Se teu irmão precisa se vender ao irmão (irmão judeu) 25,39-46: na realidade não tem igualdade, sim há escravidão. Não deve ser tratado o irmão vendido como os escravos no Egito. Os filhos de Israel pertencem a Javé, eles podem voltar para a terra dos pais. Não assim os filhos das nações, eles podem ser comprados.
Vendido a um estrangeiro Lv 25,47-55
Aqui se regula o resgate se um irmão judeu no fundo do poço foi vendido a um estrangeiro. Mas o  estrangeiro precisa respeitar a lei do resgate.
“Pois é para mim que os filhos de Israel são servos; são meus servos eles, a quem fiz sair da terra do Egito, Eu sou Javé vosso Deus” (Lv 25,55).
 Uma festa celebrativa depois de tomar a posse da terra Dt 26, 1 – 15
(Primeiro é uma ação cultual, é uma festa anual agrária com a palavra chave “entrar”: a)
entrar na terra, b) entrar na colheita nos celeiros e c) entrar nos santuários com a Profissão da Fé. (26,5...) Segundo é uma partilha: “farás festa com o Levita e o Migrante. Cada três anos o dízimo é para o Levita, migrante, órfão e viúva que não tem terra.”
            Compromisso mútuo entre Deus e Israel Dt 2616-19
 “Ele se torna para ti Deus, tu te tornas para ele o povo”,  “único caso na Bíblia de semelhante declaração dupla, cada um dos parceiros da aliança obtendo a declaração do outro, declarações muito semelhantes” (TEB).

6. Celebração da aliança em Siquém 27,1 – 28,69

Os últimos capítulos do Dt olham para o futuro e confrontam o povo com a gravidade das exigências da aliança.
 Quando o povo atravessará o Jordão celebrará uma aliança em Siquém entre o monte Garizim e Ebal. Siquém fica no centro do país, já Abraão tinha erguido lá um altar (Gn 12,6 – 7). Josué vai fazer esta aliança em Siquém (Josué 24).
Os levitas proclamarão as doze maldiçoes e o povo responderá: Amem. Amem significa: o que é sólido e digno de confiança. De lá vêm as palavras verdade (emet) e fidelidade (emuna): Amem. É um texto antigo litúrgico (27,14-26).
            Seguem promessas de fidelidade e ameaças de infidelidade (28,1-68). As ameaças (15-68) são duras e se cumpriram na destruição de Samaria e Jerusalém. Tudo isso Moisés falou na terra de Moab (28, 69).

7. Ultimo discurso de Moisés 29,1 – 30,20

            Mais uma advertência de Moisés após a promulgação dos preceitos, costumes e leis: Lembra – te o que Javé fez (29,1 - 8).
Agora, todo mundo está de pé diante de Javé, que proclama com imprecações (maldições) a Aliança. O compromisso para servir a Javé vem acompanhado de um juramento imprecatório, quer dizer de uma maldição. (29, 1 – 20).
A ameaça se realizou na história do exílio: na sua cólera, em seu furor, em sua grande ira os arrancou do seu solo, expulsando-os para outra terra (29,21 – 28).
Mas isto não é a ultima palavra de Javé: Ele voltará atrás e mostrará sua ternura. Ele circuncidará o seu coração para que você ame a Javé.  Ele te fará reingressar na terra (30,1 – 10).
A palavra não está fora de seu alcance, não está no céu, não está no além mar, está na sua boca e no seu coração. (30, 11 – 14).
Conclusão: Escolha a vida e felicidade, não a morte e infelicidade, se não escutas, eu hoje vos declaro: desaparecereis totalmente (30,15 – 20).

            8. Investidura de Josué,

            Investidura de Josué: Finalmente Moisés escreveu a lei e a deu aos sacerdotes, filhos de Levi, que conduzem a arca (31,1 -13).
Segue um comentário sacerdotal (31,14-29): Moisés e Josué na tenda da reunião. O cântico, que segue, serve de testemunho contra os filhos de Israel (31,19). Moisés acabando de escrever as palavras da lei num livro deu ordem aos Levitas, portadores da arca da aliança de colocar este livro junto da arca da aliança, “Ele ficará ali como um testemunho contra ti” (31,26). Testemunhas serão o céu e a terra (31,28). Esta concepção difere-se dos sadoquitas com a arca do testemunho (Ex 30,26).
Cântico em honra do Rochedo de Israel (31,30 – 32,47) do tempo exílio: abertura do processo v.1-6; benefícios de Javé v. -14; rebeldia de Israel v.15-18; anúncio de castigo v.19-25; julgamento de Deus contra os inimigos de Israel v. 26-35; ruína dos falsos deuses v. 36-42; final 43.


Anuncio da morte de Moisés pertence à tradição sacerdotal (32,48 -52), lembra Nm 20,13. Moisés abençoa os filhos de Israel, quer dizer as doze tribos (33,1-29) como Jacó abençoou seus filhos. (Gn 49). A morte de Moisés (34,1 -12). Javé o enterrou, até hoje ninguém conhece o lugar de sua sepultura (34,6). “Nunca mais em Israel surgiu um profeta como Moisés, a quem Javé conhecia face a face” (34,10).

            9. Cântico, benção e morte de Moisés 31,1 - 34,12 (S)
        

Nenhum comentário:

Postar um comentário